JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Propriedade Industrial


Autoria:

Maria Cláudia Bernardes Fonseca


Estudante de Direito- 2º ano

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Conceitos e requisitos para emissão da carta patente e do registro, dentro do contexto dos direitos industriais.

Texto enviado ao JurisWay em 29/11/2010.

Última edição/atualização em 01/12/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Propriedade Intelectual é a titularidade dos produtos provindos do pensamento e engenho humanos. Ela subdivide-se em dois ramos: Direito Autoral e Propriedade Industrial.

O ramo do Direito Autoral é regulado pela Lei 9.610/98 e não será estudado com maior riqueza de detalhes nesse momento. Já o da Propriedade Industrial é regulado pela Lei 9.279/96.

O título da Propriedade Industrial pode ser protegido por dois meios: a carta patente e o registro.

 

A carta patente protege e concede o direito industrial sobre novas invenções e novos modelos de utilidades. Já o registro, os desenhos industriais e as marcas. O órgão responsável pela concessão dos direitos industriais e sua proteção é o I.N.P.I (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), uma autarquia federal. Com a concessão, nasce o direito à exploração exclusiva do objeto da carta patente ou do registro.

Como já citado, a carta patente tem como objeto uma invenção ou um modelo de utilidade.

Invenção é algo dotado de originalidade, criado pelo ser-humano.

Modelo de utilidade, segundo Fábio Ulhoa Coelho é o “objeto de uso prático suscetível de aplicação industrial”.

Para que um bem seja patenteável é necessário que ele atenda aos seguintes requisitos:

- novidade: a criação deve ser desconhecida pela comunidade científica, técnica ou industrial, pelos especialistas da área.

- aplicação industrial: devem existir meios, conhecimentos para que a criação seja aplicada pela indústria;

- atividade inventiva: é preciso que para um técnico no assunto, a idéia, criação seja considerada real avanço, progresso.

- não-impedimento: o artigo 18 da Lei 9279/96 descreve os não- patenteáveis.

Preenchidos os requisitos e após o devido procedimento administrativo junto ao INPI, é emitida a carta patente que dará direito ao titular de explorar com exclusividade a invenção ou modelo de utilidade, e ela, constituirá único meio de prova de tal direito.

A patente de invenção tem prazo de duração máxima de 20 anos para invenção e 15 anos para modelo de utilidade, contados a partir da data em que o pedido de patente for protocolado junto ao I.N.P.I. Existe um prazo mínimo de duração de 10 anos para invenção e 7 anos para modelo de utilidade. Tais prazos são improrrogáveis.

A patente pode se extinguir:

- pelo término do seu prazo de duração;

- caducidade;

- renúncia ao direito industrial;

- falta de pagamento da taxa anual devida ao I.N.P.I;

- falta de representante no Brasil, quando o titular for domiciliado no exterior.

 

O registro protege e concede o direito industrial sobre novas marcas e desenhos industriais.

Marca: segundo Fábio Ulhoa Coelho “é o designativo que identifica produtos e serviços”.

Desenho Industrial: também segundo Fábio Ulhoa Coelho “é a forma dos objetos, e serve tanto para conferir-lhe um ornamento harmonioso como para distinguí-los de outros do mesmo gênero”.

O registro do desenho industrial está sujeito aos seguintes requisitos:

- novidade: o mesmo que para patente, a criação deve ser desconhecida pela comunidade científica, técnica ou industrial, pelos especialistas da área.

- originalidade: deve apresentar configuração visual distinta de tudo aquilo já elaborado.

- desimpedimento: o artigo 100 da Lei 9279/96 descreve os não registráveis como desenho industrial.

O prazo de vigência do registro do desenho industrial é de dez anos, contados da data em que foi protocolado o pedido no I.N.P.I. Tal prazo é prorrogável por três períodos sucessivos de cinco anos cada.

 Quanto à marca, existem três modalidades:

1-     De produto ou serviço

2-     De certificação: atesta que determinado produto/serviço está de acordo com certas especificações técnicas. Exemplos: ISO, INMETRO.

3-     Coletiva: mostra que determinado produto/serviço provém de membros de uma determinada entidade. Exemplos: FIESP, SENAI, SENAC.

O registro da marca está sujeito aos seguintes requisitos:

- novidade relativa: o uso do sinal ou expressão para uma determinada indicação é que deve se revestir de novidade.

Com relação a esse requisito:

* Princípio da Especificidade: a proteção conseguida através do registro da marca é restrita ao seguimento dos produtos ou serviços. Por exemplo: se já houver um registro da marca Editora Lápis de Cor, não poderá haver outro igual no ramo de editoras, mas no ramo de restaurantes, por exemplo, pode, Restaurante Lápis de Cor.

* Marca de alto renome: constitui exceção para o princípio anteriormente citado, já que para marcas de alto renome, com o seu registro, a proteção é extensiva para os demais ramos de atividade. Decidir se tal marca é ou não de alto renome é ato discricionário do I.N.P.I.

- não-colidência com marca notoriamente conhecida: para evitar a contrafração de marcas, ou seja, a pirataria.

- desimpedimento: o artigo 124 da Lei 9279/96 descreve os não registráveis como marca.

O prazo de vigência do registro da marca é de 10 anos, prorrogável por período igual, quantas vezes o titular pedir prorrogação.

O registro da marca, no Brasil, caducará se não tiver sua exploração iniciada em 5 anos, a partir da sua concessão, ou se a sua exploração for interrompida por igual período, salvo se por motivo de força maior.

Da mesma forma que para o registro de desenho industrial, preenchidos os requisitos e após o devido procedimento administrativo junto ao INPI, é concedido o registro da marca que dará direito ao titular de explorar com exclusividade o desenho industrial ou a marca.

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Maria Cláudia Bernardes Fonseca) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados