JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

ENDOSSO E CESSÃO CIVIL


Autoria:

Kathia Loviat Horoshkeyeff


Kathia Loviat Horoshkeyeff, estagiária do escritório Bartoli Advogados Associados, graduanda em Direito na Universidade de Santo Amaro, cursando tecnológo em Contabilidade no Instituto Monitor.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

AUTARQUIA
Direito Administrativo

História do Direito Administrativo
Direito Administrativo

Prova Documental
Direito Processual Civil

Poderes do empregador
Direito Coletivo do Trabalho

Queixa-Crime
Direito Penal

Mais artigos...

Resumo:

ENDOSSO. MODALIDADES DO ENDOSSO. EFEITOS DO ENDOSSO. ESPÉCIES DE ENDOSSO. CESSÃO CIVIL. DIFERENÇAS ENTRE O ENDOSSO E A CESSÃO CIVIL

Texto enviado ao JurisWay em 24/05/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

ENDOSSO E CESSÃO CIVIL
1. ENDOSSO
Endosso, basicamente, é um ato unilateral, solidário e autônomo, pelo qual se dá a transferência dos direitos contidos em um título de crédito.
O vocábulo endosso, segundo o Dicionário Jurídico Compacto de Decleciano Torrieri Guimarães[1], significa uma inscrição que o endossante faz no verso em branco do título que tem por efeito transferir a propriedade deste, remanescendo o endossante como um coobrigado solidário no cumprimento da obrigação. É nulo se parcial.
O endosso é um ato unilateral de declaração de vontade que impõe de forma escrita, posto que o endosso dá-se mediante assinatura no verso do título de crédito, vez que tão-somente o título com a cláusula à ordem que é possível a transmissão de tal poder à outra pessoa.
Como já supracitado o endosso, portanto, é o ato que opera a transferência do crédito representado por título “à ordem”.
O art. 8º do Decreto nº 2044 dispõe que o endosso transmite a propriedade do título de crédito, sendo suficiente, para sua validade, a simples assinatura do próprio endossador ou de seu mandatário especial, no verso do título.
O endosso é, entre outros, um instituto típico criado pelo direito cambiário. É o meio para transferir o direito sobre o título, segundo Goldschmidt, Bonelli, Messineo.
Em virtude de o endosso consistir na simples assinatura do proprietário do título, no verso ou anverso do título, com essa assinatura a pessoa que endossa o título, chamada de endossante, transfere a outrem, chamado endossatário, a propriedade do título, conforme disposto no art. 910 do CC:
“Art. 910. O endosso deve ser lançado pelo endossante no verso ou anverso do próprio título.
§ 1o Pode o endossante designar o endossatário, e para validade do endosso, dado no verso do título, é suficiente a simples assinatura do endossante.
§ 2o A transferência por endosso completa-se com a tradição do título.
§ 3o Considera-se não escrito o endosso cancelado, total ou parcialmente.”
Com o endosso, o endossante, incontestavelmente, deixa de ser credor do título, posição jurídica que passa a ser ocupada pelo endossatário. Ademais, resta claro que somente o credor pode alienar o crédito disposto no título.
Desta forma, o primeiro endossante do título sempre será o tomador, já o segundo endossante, necessariamente, o endossatário do tomador, e assim sucessivamente. Faz-se necessário mencionar que não há limite para o número de endossos no título de crédito, como também, há a possibilidade do título de crédito não ser endossado sequer uma vez.
2. MODALIDADES DE ENDOSSO
O endosso pode ser dado ou designando o endossante a pessoa a quem faz a transferência, ou não sendo feita tal designação, caso em que o endossante apenas lançará o seu nome no verso do título. Deste modo, temos duas modalidades de endossos, a primeira chamada de endosso preto, também conhecido como endosso pleno, complemento ou nominativo, e a segunda chamada de endosso em branco.
2.1. ENDOSSO EM PRETO
Endosso em preto é aquele em que o proprietário do título transfere a outra pessoa, designando-a. Consta, portanto, o nome da pessoa a quem o título é transferido, precedido da declaração de transferência, a expressão “pague-se a” e seguido da assinatura do endossante.
Nesta forma de endosso, em preto, o endossante designa, acima da sua assinatura, o nome do endossatário, a quem se destinava o endosso. Ademais, tal espécie de endosso podia ser concedido tanto no dorso quanto na face do título, visto que a Lei Uniforme somente exigida que fosse conferido no verso, a espécie de endosso em branco, que veremos a seguir.
2.2. ENDOSSO EM BRANCO
Endosso em branco é a transferência do crédito disposto no título pela mera tradição deste.
Para que o endosso em branco fosse concedido bastava a assinatura do endossante. Não se designa o beneficiário do endosso, que assim não teria endossatário ostensivo.
Em suma, o endosso em branco transforma o título necessariamente sacado em título ao portador.
Insta mencionar que tal endosso foi proibido em todos os títulos de crédito pelo art. 19 da Lei nº 8088/90, insta mencionar que tal medida deu-se em virtude da evasão tributária que ocorrida no momento com a administração federal.
3. EFEITOS DO ENDOSSO
Existiu um jurista, Thol, que equiparou o endosso de uma letra de câmbio a uma nova letra. Neste diapasão, se analisarmos a operação, veríamos que o endossante, sendo devedor de alguém, ao invés e emitir uma nova letra ao seu credor, usa simplesmente uma letra já sacada, da qual no momento seja titular para transmiti-la, dando ordem para que seja ela paga àquele seu credor.
O citado procedimento evita a emissão de nova letra, usando a letra já existente em seu poder.
O endossante, assim como o sacado, ficam vinculados, para com o endossatário, cambiariamente, conforme disposto no art. 914, CC.
A Lei Uniforme dispõe que o endossante tem o poder facultativo de proibir um novo endosso e, neste caso, não garante o pagamento às pessoas a quem a letra for posteriormente endossado. Há de se notar que a cláusula proibitiva de novo endosso não impede a circulação do título.
4. ESPÉCIES DE ENDOSSO
O endosso produz outros efeitos úteis que não a simples transferência da propriedade do título. Neste ínterim, sobretudo a técnica bancária, instituiu espécies de endosso, como o endosso-procuração, endosso-caução, endosso fiduciário, que veremos, por conseguinte.
4.1. ENDOSSO-PROCURAÇÃO
Neste tipo de endosso, o credor/tomador do título poderá incumbir a um procurador o recebimento do título, o qual será responsável a praticar um ato específico destinado a legitimar a posse do seu mandatário sobre real credor/tomador.
Tal endosso encontra-se estabelecido no art. 18 da Lei Uniforme e no art. 917 do Código Civil.
4.2. ENDOSSO-CAUÇÃO
O endosso-caução é aquele no qual o endossante deseja transferir o título, contudo, este exige uma garantia de outra obrigação assumida.
4.3. ENDOSSO FIDUCIÁRIO
A alienação fiduciária em garantia, se refere a bens móveis, encontra-se disposta no art. 66 da Lei nº 4728/65.
Faz-se necessário mencionar tal dispositivo, pois considerando o título de crédito como uma cousa, inscrevendo-se entre os bens móveis, resta claro que este pode ser objeto de alienação fiduciária em garantia. O endosso pode-se revestir, intrinsecamente, do aspecto de endosso fiduciário.
4.4. ENDOSSO TARDIO
Endosso tardio é o ato de endossar um título posterior ao seu vencimento. Todavia, apenas o endosso posterior ao protesto por falta de pagamento, ou feito depois de expirado o prazo fixado a se fazer o protesto.
5. CESSÃO CIVIL
A cessão de crédito é um instituto do Direito Civil, pela qual o credor de uma obrigação a transfere (cede) a terceiro (cessionário). Aquele que transfere (cedente), responde pela existência do crédito, mas não pela solvência do devedor (cedido) como já supracitado.
Ademais, o cessionário, ao apanhar esse título não terá o cedente como co-garantidor, tal qual ocorreria, se fosse um endosso com efeitos cambiários.[2]
Desta forma, na cessão, o cedente só se responsabiliza pela existência do crédito, mas se o devedor principal não pagar, o cessionário não pode reaver seu dinheiro exigindo do cedente.
Sob o efeito de cessão civil de crédito, o devedor poderá opor contra o cessionário (terceiro de boa-fé) todas as defesas que teria para opor contra o credor originário.
6. AS DIFERENÇAS ENTRE ENDOSSO E CESSÃO CIVIL
Tendo como base o que foi explanado acima, há de se constatar algumas diferenças entre o endosso e a cessão civil.
Na cessão civil é o ato pelo qual o credor de um título de crédito com a cláusula “não à ordem” transmite os seus direitos à outra pessoa.
No endosso, quem transfere o título de crédito responde pela existência do título e também pelo seu pagamento. Todavia, o devedor não pode alegar contra o endossatário de boa-fé exceções pessoais.
Já na cessão civil, quem é responsável pela transferência do título, somente responde pela existência do título, mas não responde pelo seu pagamento. No entanto, o devedor pode alegar contra o cessionário de boa-fé exceções pessoais.
No caso da cessão de crédito, o cedente tem, perante o cessionário, responsabilidade obrigatória pela existência do crédito (pro soluto) e responsabilidade opcional pela solvência do devedor (pro solvendo), sendo nessa última a necessária convenção prévia entre as partes (art. 296 do CC). Já no endosso constata-se, como regra, a responsabilidade do endossante pela existência do crédito e pela solvência do devedor.
Pode-se verificar que os institutos da cessão civil e do endosso são inconfundíveis. Possuem natureza jurídica própria, forma de constituição e efeitos distintos, não se mostrando coerente a utilização cumulativa dos dois institutos em uma mesma operação.
7. BIBLIOGRAFIA
REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial, vol. 2. 25ª ed. Ed. Saraiva. São Paulo: 2007.
NERILO, Lucíola Fabrete Lopes. A cláusula não à ordem para os títulos de crédito emitidos nas relações de consumo. Jus Navigandi, Teresina, ano 6, n. 54, fev. 2002. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2697>. Acesso em: 10 maio 2010.
 
 
 


[1]             GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário Jurídico Compacto. 11ª edição; Ed. Rideel. São Paulo: 2008, p. 89.
 
[2]             NERILO, Lucíola Fabrete Lopes. A cláusula não à ordem para os títulos de crédito emitidos nas relações de consumo. Jus Navigandi, Teresina, ano 6, n. 54, fev. 2002. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2697>. Acesso em: 10 maio 2010.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Kathia Loviat Horoshkeyeff) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Kathia (07/03/2013 às 08:48:37) IP: 189.29.89.91
Existem dezenas de espécies de títulos de crédito no Brasil, todos eles regulados por legislação específica. Mas os mais utilizados nas operações de crédito no mercado brasileiro são:
a) letra de câmbio;
b) nota promissória;
c) cheque; e
d) duplicata


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados