JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Estado contemporaneamente confuso


Autoria:

Gisele Leite


Professora universitária com mais de uma década de experiência em magistério superior, mestre em direito, mestre em filosofia, graduação em direito pela FND-UFRJ, graduada em Pedagogia pela UERJ, conselheira do INPJ.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A crise do Estado nos traça um perfil de instituição contemporaneamente confusa.

Texto enviado ao JurisWay em 23/02/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

A crise do Estado contemporâneo perante a globalização e ainda o surgimento de certo conceito de soberania fluído traduz-se enfim num nouveau État construído sob a ótica neoliberal, com a predominância do princípio da subsidiariedade e a nova representatividade nos faz forçosamente refletir qual tipo de Estados realmente desejamos e ainda perscrutar seus fins e interesses.

Não que tais honrosas indagações tanto sobre a legalidade quanto a legitimidade, sejam de todo inéditas. Mas, é curial, um novo redimensionamento do conceito e da realidade deste Estado.

Ao percorrer da trajetória histórica-filosófica do Estado poderemos, sem dúvida, nos esclarecer sobre o atual estágio evolutivo do Estado.

Desde advento do Estado moderno, com a personificação do poder estatal, na figura do monarca absolutista, a justificação do poder político tem sido perseguida por várias ciências sociais, sem, contudo, alcançar unanimidade.

Para Weber, o poder define-se como toda a probabilidade de impor a própria vontade numa relação social. O poder, desta forma, é sociologicamente amorfo e só pode significar a probabilidade de encontrar obediência a uma ordem. E, neste sentido, já sentimos a enorme instrumentalidade do Direito.

O poder estatal é caracterizado pela coação que utiliza e, ainda pela dominação sobre um território.

O poder do estado adere qualidades fundamentais tais como: imperatividade e a natureza integrativa do poder estatal, a capacidade de auto-organização, a unidade e a indivisibilidade do poder, a soberania e os princípios de legalidade e legitimidade.

Não bastando apenas a observância das leis devida não só pelo cidadão mas também pelo próprio Estado. Já a legitimidade é noção de cunho ideológico que exige a consonância do poder com a opinião pública e com os princípios de ordem jurídica vigente.

Vedel considera a legitimidade como fundamento do poder em determinada sociedade. Dallari sublinha o caráter formalista de Weber, adstrito à origem do poder e legitimando o poder espúrio exercido contra a sociedade.
O monopólio legítimo da coação física se traduz num poder de fato e que deve estribar-se em competência e, na autoridade, diluída a coerção caracterizando-se assim o poder de direito.

Mas a desnecessidade do poder político na sociedade, é uma utopia universal, aliás desde do anarquismo cristão pregado por Santo Agostinho onde Deus concedeu aos homens o poder para que dominassem os irracionais, não os outros homens, sendo ilegítimo todo o poder de uns homens sobre os outros.

Duguit, neste mesmo sentido, recusa-se a aceitar que uma vontade humana possa, legitimamente, impor obrigação a outra, e conclui dizendo que o poder é e será sempre um mero fato, a expressão da existência de homens que submetem e de outros que são submetidos.

A diversidade dos pressupostos filosóficos do anarquismo sempre foi enorme, mas sempre encontrou guarida entre os mais respeitados doutrinadores como Bobbio que consagrou o Estado como instrumento máximo da espoliação religiosa, política e econômica.

Proudhon chega a extremos e propaga que a propriedade é um roubo e o poder um mal em si mesmo. Bakunin que acreditava na evolução humana do estágio animal para o estágio espiritual, pregava expressamente a eliminação do Estado, da propriedade privada e da religião por serem exatamente expressões da primitiva natureza humana.

Sempre sonharam os oprimidos com uma sociedade sem opressores, mas o Estado é convocado pra domar a besta selvagem e, assim tornar possível a pacífica convivência humana e o desenvolvimento da sociedade.

De qualquer maneira com o fracasso do socialismo no mundo, e, proporcional desgaste do capitalismo selvagem, surgiu assim uma nova edição de Estado que ora oscila entre a ótica liberal e a ótica social.

Na fase liberal definida pela tensão permanente entre o subjetivo individual da sociedade civil e o subjetivo monumental do estado, o princípio da cidadania atua como regulador, pois restringia os poderes estatais e, simultaneamente, igualava e universalizava as particulares dos sujeitos, facilitando o controle social e, conseqüentemente a regulação social.

O paradigma do Estado social de direito tornou-se administrador admitindo-se assim o predomínio da técnica sobre a ideologia, e o triunfo da Administração sobre a Política.

Mas o que esperamos do Estado?

No mundo globalizado e neoliberal, a sociedade civil apresenta-se comumente como não-Estado. Sendo uma esfera histórica constituída, cuja autonomia e competição mútua na prossecução de seus interesses privados devem ser garantidas pelo Estado que deve abster-se de intervir em certas atividades econômicas.

Revela-se atualmente uma sociedade conflituosa fragmentada muito embora que nas sociedades industrializadas exista um conformismo difuso e acentuado, onde a concentração de poder traduz os modelos de comportamento generalizados dos indivíduos componentes de suas complexas sociedades de massas.

O Estado é, portanto, além da síntese das relações sociais, a institucionalização da dominação e juridicamente deve ser compreendido como corporação formada pelo povo, sendo originariamente dotado de poder de mando.

A existência objetiva e natural do Estado é, pois decorrência da própria evolução social dos grupos humanos. Um corolário da natureza humana. Quer sejamos contratualistas ou naturalistas.

Infelizmente, o direito não resolve inteiramente o Estado como desejou Kelsen, aliás, ele como organização social complexa foi pouco a pouco migrando para ser um Estado social de Direito.

A partir de então, verifica-se que o social não pode surgir diretamente do relacionamento entre os homens, consistindo em solução emergente do tipo evolutivo, anterior aos sujeitos e direcionando a prover estruturas e, impondo a tendência radical de desintegração.

Por ser incompetente o Estado social está em crise, quer por não atender as demandas-respostas, quer por não atender as reivindicações da sociedade apesar de fortalecer a idéia sistêmica e, ajudar decisivamente para superar os paradigmas tradicionais e, propiciar a construção e o desenvolvimento do Estado democrático de direito.

O mal-interpretado Niccolò Machiavelli (Maquiavel), é quem melhor definiu a soberania dentro de uma concepção laica e realista.Estudando em particular as exigências do governo de um homem só, atiçando a ira cristã e, tendo inclusive seu livro elencado no index da Igreja em 1559. Vê na soberania o cerne do Estado primordial para a imposição da ordem pública correspondendo à fundamentação filosófica clássica do Estado.

Não mais visto como summa potesta, mas dotado de um poder interativo e reflexivo. Pois que é limitado pelos fins do estado e pelo direito natural, pelas leis e tratados internacionais e, ainda pelo consentimento do povo.

Maquiavel na busca da verdade efetiva rompe com a tradicional escolástica medieval, e destilando ironias através de metáforas, exprime um pessimismo antropológico apontou o conflito da anarquia como desdobramento necessário das paixões e instintos malévolos.

Mas as frustrações a paixões e apetites humanos (que são ilimitados) e os meios de satisfazê-los (que são obviamente limitados) e que tornam possível à evolução social, e assim a própria evolução do Estado.

Segundo Kelsen o estado ideal é o democrático que é sustentado pelos partidos políticos, por isso, considera natural a tendência a institucionalizar expressamente os partidos no texto constitucional por serem órgãos para formação da vontade estatal.

A democracia significa que a vontade representada na ordem legal do Estado é idêntica às vontades dos cidadãos. E mais uma vez a legitimidade torna-se alvo da preocupação dos teóricos.

Parece incrível que ainda procuremos um Estado lídimo e legítimo com uma pequena lanterna na mão...

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gisele Leite) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados