JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A MARCHA DE 15 DE MARÇO DE 2015


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A MARCHA DE 15 DE MARÇO DE 2015

Texto enviado ao JurisWay em 13/03/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A MARCHA DE 15 DE MARÇO DE 2015

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

No Ano de 62 a.C. a esposa do líder militar romano Júlio César, Pompeia Sula, resolveu dar uma festa em homenagem a uma deusa chamada “Bona Dea” ("Boa Deusa", em latim). Para essa festividade só seriam convidadas mulheres. Acontece que um indivíduo penetra, o bonitão chamado Públio Clódio Pulcro, conseguiu entrar nesta festa, disfarçado de mulher. Como único homem, Públio levou a mulherada romana do festival ao delírio. Pego no flagra, caiu em desgraça. Furioso, César se divorciou de Pompeia, mesmo sem provar nenhum amasso sofrido por esta, sempre bradando:

 

“- Minha esposa não deve estar nem sob suspeita".

 

Daí vem a famosa expressão: “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta".

 

Passados 2077 Anos, a máxima romana ainda deve, ou deveria, espraiar seu significado e alcance para a Administração Pública em geral e seus Agentes Públicos. Afinal, nossa Constituição Federal expressamente proclama que nossos Representantes do Estado deverão “obedecer”, entre outros, ao Princípio da Moralidade (Art. 37).

 

E a quebra ou ruptura de valores morais de uma sociedade séria e civilizada por parte do Agente Público não é matéria para ser judicializada, discutida em enormes e infindáveis volumes de processos criminais, em retórica cansativa e capciosa. O Poder Judiciário não deveria se prestar à investigação do escandaloso e do libertino.

 

Isso porque o Agente Público, seja aquele investido por concurso público ou eleito democraticamente nas urnas, lida diretamente com a coisa pública, com o conjunto de bens e valores que compõem o ativo e o passivo do País, gerindo o destino de nosso povo, em busca da dignidade e do bem-estar geral de todos os cidadãos.

 

Cada centavo do Tesouro Nacional gerido pelo Agente Público é fruto da pesada carga tributária que é cobrada de todos os brasileiros direta ou indiretamente, sem exceção. Em troca, todos os contribuintes esperam - devem! - receber do Poder Público uma variedade de serviços públicos regulares e eficientes, principalmente nas áreas da educação, saúde e segurança.

 

Por isso, o quilate e envergadura moral do Agente Público devem ser sempre inquestionáveis. A mínima dúvida ou desconfiança relativas à sua probidade e honradez na gestão do dinheiro público deve importar no seu pedido de saída do cargo público, antes mesmo da eclosão de uma revolta popular ou decisão judicial.

 

A preocupação com a própria moral deve ser um exercício diário ininterrupto na vida do Agente Público, sob pena de ser convencido pelas massas a sair da vida pública.

 

O povo brasileiro aprendeu definitivamente o significado de uma democracia. Aprendeu também que a legalidade se cobra na Justiça, a moralidade se reclama em ruas e praças.

 

___________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados