JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Você tem a dimensão do alcance do que publica nas redes sociais?


Autoria:

Gustavo Rocha


Advogado Pós-Graduado Gerente jurídico por 4 anos Membro da comissão especial de Processo Eletrônico da OAB/RS Membro da comissão especial de Fiscalização e Ética Profissional da OAB/RS Membro da comissão permanente de Acesso a Justiça do Conselho Federal da OAB Implanta gestão e softwares jurídicos desde 1997 Sócio da Consultoria GustavoRochacom, inscrita no CRA/RS 003799/O Presta exclusivamente consultoria nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico. 10 anos de consultoria direcionada em escritórios e departamentos jurídicos no Brasil e Portugal Mais de 2000 artigos publicados no portal www.gustavorocha.com Canal no Youtube (gustavorochacom) com aulas, palestras e dicas práticas Palestrante e professor convidado de universidades e cursos de Pós-Graduação pelo país nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico Contato direto: gustavo@gustavorocha.com

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Você tem a dimensão do alcance do que publica nas redes sociais?

Texto enviado ao JurisWay em 17/06/2019.

Última edição/atualização em 22/06/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Divido a coluna publicada no portal Espaço Vital sobre a questão dos vídeos no Youtube, uma pesquisa de Harvard e a pedofilia.

A Harvard é uma universidade privada, situada na cidade de Cambridge, Estado de Massachusetts, EUA. Sua história, influência e riqueza tornam-na uma das mais prestigiadas universidades do mundo.

Recentemente um estudo dela demonstrou uma associação de vídeos do Youtube com pedofilia. Tal fato foi concebido diante da configuração que tem o YouTube de fazer sugestões de novos vídeos com base no que foi assistido anteriormente. Aliás, prática amplamente utilizada não só pelo YouTube, mas por outras empresas como Facebook, Instagram para mostrar na sua linha do tempo o que foi publicado pelos seus amigos.

E por que esta associação se tornou macabra? Porque algumas pessoas assistiam ou procuravam por vídeos infantis e o YouTube (através da máquina, robô, software conhecido como algoritmo) entendia que vídeos que mostrassem crianças era o que o usuário queria assistir.

No caso ocorrido com uma criança do Rio de Janeiro – e revelado na terça-feira (4) pelo Espaço Vital – o vídeo era de crianças brincando em volta da piscina, de biquíni. Algo inocente, num primeiro momento. Contudo, com o número de visualizações que atingiu em pouco tempo, se mostrou que algo estava errado: um vídeo de crianças brincando não se torna viral (mais de 400 mil acessos) sem algo que o impulsione.

E a reportagem reveladora de um estudo associa o YouTube a impulso à pedofilia nos leva a um pensar muito relevante: o que publicamos nas redes sociais?

Quantas vezes publicamos filhos com roupas da escola, lugares que frequentamos, bares, restaurantes, locais onde vamos, enfim, criamos facilmente uma linha de tempo, expomos nossa forma de agir e ver o mundo – quase como se o mundo não tivesse maldade e ninguém pudesse usar isto contra nós…

Infelizmente não é assim que funciona. O YouTube mostrava a pessoas que queriam assistir crianças (possíveis pedófilos inclusive) as crianças brincando, mesmo que o interesse destas pessoas pudesse não ser o melhor… E, quanto mais materiais publicamos deste nível, mais informamos aos algoritmos o quanto eles podem saber de nós, da nossa vida, da nossa existência e assim sugerir contatos, pessoas, etc.

Já pensou seus filhos sendo sugeridos como amigos de possíveis pedófilos porque eles combinam (gostam de coisas de crianças…)?

Uma realidade a que precisamos estar atentos: as máquinas somente sabem o que nós informamos a elas.

É muito bonito compartilhar, com a família, momentos de lazer. E dividir nas redes sociais parece ser uma boa alternativa para divulgar a amigos também. Entretanto, você já parou para pensar nas configurações de privacidade das publicações, ou seja, quem pode ver, compartilhar o que você publica?

Se você não se preocupar, pode ter certeza que as empresas não o farão, pois o interesse delas é que o usuário clique, compartilhe e se mantenha conectado, mesmo que por estímulos impuros ou nefastos.

O próprio Google reconheceu o problema do YouTube, mas não deu uma solução, exceto pegar o vídeo em questão e excluir… E quantos outros estão sendo indicados neste momento e sequer sabemos da realidade destas indicações?

Seja ON em privacidade e pense realmente no que publicar e para quem publicar e nas configurações de privacidade aprenda a manusear e manter o que é seu somente para quem realmente interessa.

Todo cuidado é pouco com algo que é público, como as redes sociais.

FONTE: HTTPS://ESPACOVITAL.COM.BR/PUBLICACAO-37053-VOCE-TEM-A-DIMENSAO-DO-ALCANCE-DO-QUE-PUBLICA-NAS-REDES-SOCIAIS

 

Precisamos realmente nos conscientizarmos que o que publicamos abertamente fica exposto a todos, a qualquer tempo e com qualquer tipo de intenção de quem lê, vê ou escuta…

 

#FraternoAbraço

Gustavo Rocha
Consultoria GustavoRocha.com | Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos
Robôs | Inteligência Artificial | Jurimetria
(51) 98163.3333 | gustavo@gustavorocha.com | www.gustavorocha.com

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gustavo Rocha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados