JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Um cromossomo y, divagando sobre o x da questão


Autoria:

Gustavo Rocha


Advogado Pós-Graduado Gerente jurídico por 4 anos Membro da comissão especial de Processo Eletrônico da OAB/RS Membro da comissão especial de Fiscalização e Ética Profissional da OAB/RS Membro da comissão permanente de Acesso a Justiça do Conselho Federal da OAB Implanta gestão e softwares jurídicos desde 1997 Sócio da Consultoria GustavoRochacom, inscrita no CRA/RS 003799/O Presta exclusivamente consultoria nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico. 10 anos de consultoria direcionada em escritórios e departamentos jurídicos no Brasil e Portugal Mais de 2000 artigos publicados no portal www.gustavorocha.com Canal no Youtube (gustavorochacom) com aulas, palestras e dicas práticas Palestrante e professor convidado de universidades e cursos de Pós-Graduação pelo país nas áreas de gestão, tecnologia, marketing jurídico e processo eletrônico Contato direto: gustavo@gustavorocha.com

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Ideias para advogar para e com startups
Desenvolvimento Pessoal

A velha conhecida #DepartamentoasQuintas
Desenvolvimento Profissional

Vamos falar de Startups?
Desenvolvimento Pessoal

Privacidade custa caro!
Proteção de Dados

Inteligência artificial e compliance
Desenvolvimento Profissional

Mais artigos...

Resumo:

Um cromossomo y, divagando sobre o x da questão

Texto enviado ao JurisWay em 08/03/2018.

Última edição/atualização em 13/03/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Existe um mundo do que quero dizer no dia 8 de Março. Poderia iniciar pela luta que gerou a homenagem do dia, poderia dizer que sequer sou qualificado pra falar a respeito, afinal, carrego cromossomo Y misturando o X do dia, poderia falar de quem me deu a vida e tanto amo, da irmã que carrego no peito e na vida…

Contudo, neste dia que tantas pessoas vão falar sobre tantas lutas, tantas coisas a conquistar, tanto ainda para que a igualdade exista, quero falar das mulheres que estão hoje na minha vida sendo a minha vida, a minha família.

E para quem acha que isto não é profissional e não tem nada a ver com o meu portal, engana-se. Elas são muito de mim e sou muito do que aprendo todos os dias com elas.

E, nada mais justo neste dia 8 de Março, dividir com o mundo, o meu mundo, o meu universo feminino.

Tenho uma esposa, uma filha e estamos a espera da segunda filha. Até o cachorro aqui em casa é fêmea. Só eu de macho, neste contexto familiar.

E quando penso no dia de hoje, ao invés de pensar apenas em homenagea-las, fazendo assim a todas as outras mulheres do mundo, penso em como o mundo deve trata-las.

Difícil explicar as minhas filhas algumas injustiças profissionais que a mãe delas sofre por não ter cromossomo y, da cara feia e preconceito que algumas pessoas tem por ela trabalhar, estudar e querer ser uma mãe dedicada, assim como outras sofrem por não querer serem mães, sem mencionar a disparidade salarial que um cromossomo y tem a mais, algo totalmente sem nexo e contexto, pois trabalho é trabalho, mérito é mérito e reconhecimento que não leva isto em conta, sequer acerta ao escolher o cromossomo y, pois desde de cedo todos sabemos que o que realmente importa é o x, em qualquer questão.

Embora ainda sejam muito pequenas, será complexo explicar que o homem – que deveria ser como o pai, que protege, ajuda, brinca, convive e essencialmente respeita – nem sempre assim o será, pois grande parte dos cromossomos y acha que todo x é igual e pior, que nada vale senão uma noite, sem muito papo, carinho ou atenção, apenas um pedaço de carne num mundo materialista e sem conteúdo.

E, ao desespero de ter tudo isto pra enfrentar, aprendi tanto com cada uma delas que a palavra que mais tenho a dizer é obrigado, sou grato por existirem na minha vida.

Aprendi a conviver com uma mulher que respeita a si, aos outros e que acredita, tem fé num mundo melhor, além de outros predicados que como ela mesmo diz: “melhor não fazer propaganda por aí do que já tem dono”.

Aprendi com minha filha que posso sonhar sem esquecer de quem sou, que aprender é algo diário, que viver é amplamente necessário e principalmente viver o agora, o presente, cada momento único de brincadeira, sorriso e descoberta.

Aprendi com o desenvolvimento ainda no seio materno da minha segunda filha a ter mais esperança, sonhos e principalmente  que luta para que a humanidade seja mais humana, para que todos sejamos e façamos algo tão simples como fazer ao próximo o que queremos fazer a nós mesmos,  para que tudo isto seja uma realidade diária, mesmo sabendo que estamos longe dela.

Aprendi que o cromossomo y pode e deve amar sem limites, se dedicar a si e a elas, enfim, deve ser simbiose nesta maravilha que é o amor que provém de Deus-Pai àqueles que pulsam esta verdade em suas veias.

E profissionalmente?

Cresci exponencialmente após entender que as mulheres não precisam dos homens. Elas são únicas, independentes, singulares. São o mesmo que os homens acham que são: especiais. E ambos, cromossomos x e y, apesar de diferentes na sua formação e resultado, são iguais em singularidade e verdade.

Aprendi que por cada um terem características únicas, sempre melhor aproveitar cada uma delas para o ambiente profissional, pois ambientes com ambos os cromossomos dão melhores resultados que concentrar apenas um tipo.

Aprendi que ouvir é essencial, andar com alguns chocolates pode ajudar, ser amigo é muito bom e que posso contar com cromossomos x tanto ou mais do que os y.

E, de tanto aprender, conviver, sentir e vivenciar ambos cromossomos, cheguei a conclusão de que este dia é de suma importância: Seja para relembrar a luta, seja para destacar que necessitamos buscar mais da igualdade como conceito (tratar iguais de forma igual e desiguais de forma desigual) para encontrarmos a justiça social de homens e mulheres.

Não por ideologia de gênero, mas porque todos, independente de cromossomo, somos humanos, somos feitos de carbono 14 e precisamos coexistir neste mundo chamado de Terra, embora tenha 3/4 de água nele.

Pense, tire suas conclusões e principalmente aja a respeito. Simples assim: Faça aos outros o que gostaria que seja feito a si mesmo.

Somente com ações coletivas viveremos num mundo melhor para nós e gerações futuras.

Façamos, portanto, a luta desta verdade: Viva ao cromossomo X! Viva ao Y! Viva a todo aprendizado com ambos vivido.

____________________________________________________

Sou Gustavo Rocha

CEO da Consultoria GustavoRocha.com – Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos

(51) 98163.3333  |  gustavo@gustavorocha.com  | http://www.gustavorocha.com

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Gustavo Rocha) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados