JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Proposta de alteração nas regras sobre a dissolução da empresa


Autoria:

Antonio Teixeira


Advogado. Mestre em Direito Constitucional. MBA Direito Tributário. Especializado em Direito Público e em Direito Previdenciário. Professor de Cursos de Graduação e Pós-graduação.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Tramita, hoje, na Câmara dos Deputados, o PL 8.534/2017, que objetiva simplificar o processo de extinção da empresa, por meio do acréscimo, ao artigo 1.033, Código Civil, de dois parágrafos.

Texto enviado ao JurisWay em 18/12/2017.

Última edição/atualização em 19/12/2017.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 No ano de 2017, foi proposto o Projeto de Lei nº 8.534, que altera o artigo 1.033, da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. 

Objetiva o referido projeto simplificar as regras de dissolução das sociedades simples, limitada e em nome coletivo, através do acréscimo dos § 2º e 3º ao artigo 1.033, Código Civil, os quais apresentam as seguintes redações:

 

§ 2º. Nas hipóteses previstas nos incisos II e III do caput deste artigo, a personalidade jurídica será extinta imediatamente após a comunicação da autoridade competente pelos sócios, sempre que sócios representantes de, pelo menos, dois terços do capital social declarem a inexistência de ativos não partilhados e passivos a liquidar.

 

§ 3º Caso, a despeito da declaração referida no § 2º deste artigo, existam ativos não partilhados ou passivos insatisfeitos na data do pedido de dissolução, os sócios da sociedade dissolvida responderão com seus patrimônios pessoais pelas dívidas sociais. 

 

A justificação para o PL 8.539/2017, destaca que “hoje, os processos de dissolução e liquidação enfrentam uma série de etapas impostas por leis e atos normativos que os tornam excessivamente lentos. Essa demora é ruim para o País pois impede que os recursos destinados a empreendimentos que, sabiamente, não seguirão adiante sejam realocados em usos mais produtivos. Esta proposição oferece uma solução para tornar mais célere a retirada de sociedades empresárias do mercado, sem comprometer direitos de credores e sócios”.

          Em 13 de dezembro de 2017, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços aprovou o Pl 8.539/2017, submetendo-o à Comissão de Constituição e Justiça.

                        Pelas regras atuais, temos que a extinção da personalidade jurídica de uma empresa deve seguir três fases: primeira, a de dissolução; segunda, a de liquidação e, por fim, a realização de assembleia para formalizar o ato de extinção e o registro do ato extintivo na junta comercial.

 

                        Na fase de liquidação, ocorre a venda dos ativos, para o pagamento aos credores e a partilha do restante entre os sócios, proporcionalmente à participação no capital social. Trata-se, certamente, da etapa que demanda mais tempo. Mas, se a sociedade não possui qualquer passivo a ser liquidado e tampouco possui ativos para serem partilhados entre os sócios, então não haverá necessidade da empresa ser liquidada e os sócios podem realizar diretamente a assembleia de dissolução e, em seguida, registrarem a ata na junta comercial.

 

                        Logo, a alteração proposta pelo PL nº 8.534/2017 apresentará poucos avanços, pois, segundo a legislação atual, a extinção de uma sociedade que não precisa ser liquidada já é realizada de modo célere.

 

                        Como segundo ponto, destacamos que, nos termos do artigo 9º, Lei Complementar nº 123/2006, as micro e pequenas empresas observam um rito simplificado para a extinção da sua personalidade jurídica. Ressaltamos que, hoje, a legislação permite que a empresa seja extinta, mesmo que haja dívidas vencidas e vincendas ainda não pagas. Neste caso, os empresários, titulares da EIRELI e os sócios responderão, de forma solidária, pelas obrigações sociais, como fixado no § 5º do referido art. 9º desta lei:       

 

§ 5º. A solicitação de baixa do empresário ou da pessoa jurídica importa a responsabilidade solidária dos empresários, dos titulares, dos sócios e dos administradores no período da ocorrência dos respectivos fatos geradores.

 

                        Portanto, o PL 8.534/2017 não se mostra em consonância em relação às regras aplicáveis à extinção das micro e pequenas empresas.

 

                        Como terceiro ponto, sublinhamos que o projeto de lei adota termos e conceitos que conflitam com o Código Civil, o que pode causar dúvidas e insegurança jurídica. Destacamos que, no Direito Empresarial, os termos dissolução e extinção são distintos. Na verdade, a dissolução é apenas a fase inicial, onde ocorre a deliberação dos sócios aprovando o início do processo de encerramento da empresa, com a escolha e a investidura do liquidante, como fixado pelo artigo 1.036 do Código Civil.

 

                        Também sublinhamos que a extinção de uma sociedade empresária não ocorre pela comunicação a determinada autoridade competente. Isto porque, da mesma forma, que a constituição ocorre com o registro do ato constitutivo na junta comercial, a desconstituição ocorre com o registro do ato extintivo na junta comercial, como fixado pelo artigo 1.109, Código Civil.

                       

                        Por fim, destacamos que a ata contendo a decisão pela extinção da empresa deverá ser publicada e, nos termos do parágrafo único, art. 1.109, Código Civil, “o dissidente tem o prazo de trinta dias, a contar da publicação da ata, devidamente averbada, para promover a ação que couber”.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Teixeira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados