JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Agora na letra da Lei


Autoria:

Eliane Andrade


Formada Bacharelado em Direito UNISOCIESC Pós- Graduação No Ensino da Filosofia e Sociologia, Curso de Mediadora Judicial Conciliadora Judicial

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

SUBSIDIARIDADE ENTRE A LEI DE EXECUÇÃO FISCAL E O CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 1973

O PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA, A PRECLUSÃO "PRO JUDICATO" E A COISA JULGADA FRENTE AO ARTIGO 475-B, § 3ª DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL.

COMO OBTER EXTRATO DOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS NO BANCO DO BRASIL (PLANOS ECONÔMICOS)

JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS, COMO MECANISMO

Do Agravo de Instrumento no Novo CPC/2015

É INDISPENSÁVEL A INTIMAÇÃO PESSOAL DO DEVEDOR PARA PAGAMENTO ESPONTÂNEO DO DÉBITO NO ANTEPROJETO DO NOVO CPC

Da Execução de Alimentos no Novo CPC

Nosso Sistema Jurídico Precisa de um Código de Processo Civil Coletivo?

A Conciliação nos Juizados Especiais Cíveis Estaduais e o atual cenário Jurídico Brasileiro

O SURGIMENTO DOS JUIZADOS ESPECIAIS E OS SEUS PRINCÍPIOS INFORMATIVOS

Mais artigos da área...

Resumo:

Texto enviado ao JurisWay em 07/06/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

 

      O Novo Código de Processo Civil que, entre em vigor em março de 2016 no seu dispositivo Art.3º paragrafo 2º§ e 3º§, taxativamente cita: “ O Estado promoverá, sempre que possível, a solução consensual dos conflitos, a conciliação, a mediação e outros métodos de solução consensual de conflitos deverão ser estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial”.

 

       Outro avanço foi o reconhecimento como auxiliares da Justiça, além de outros cujas atribuições sejam determinadas pelas normas de organização judiciária, o mediador, o conciliador judicial, (art.149 CPC). Já que esses profissionais atuam desde a década 1990 é depois com a  Lei dos Juizados Especiais - Lei nº 9.099.

 

       Assim, o  ministro Ricardo Lewandowski (STF) sinalizou, que sua gestão à frente do Poder Judiciário terá como uma de suas marcas o estímulo aos meios adequados de solução de conflitos. Segundo Lewandowski, a um descompasso entre a estrutura jurídica nacional e o número de ações a que ela submetidas "quase 100 milhões de processos em tramitação para apenas 18 mil juízes, dos tribunais federais, estaduais, trabalhistas, eleitorais e militares".  

 

     O Poder Judiciário brasileiro, há várias décadas, acha-se engajado neste propósito e, após várias experiências, o Conselho Nacional de Justiça editou a Resolução 125/2010 que versa sobre a política judiciária nacional de tratamento adequado de conflitos de interesses, determinando aos tribunais federais e estaduais que implantem, em suas estruturas, unidade administrativa com a competência de gerenciar e desenvolver atividades relacionadas à solução consensual de conflitos nas áreas cível, de família, previdenciária, fazendária e nos juizados especiais cíveis e de fazenda pública.

 

      De maneira, que o cidadão ainda não se apoderou desse valioso instrumento, em que os participantes têm a oportunidade de, em conjunto, desempenhar papel de protagonismo na construção de soluções, buscando no diálogo a compreensão. Podem desse modo, criar responsavelmente as bases para uma convivência futura satisfatória. O processo utilizado ocorre através de técnicas que delegam aos envolvidos no conflito a compreensão de que são eles os mais aptos a resolvê-los.

 

     O fato, é que o cidadão tenha mais acessos às orientações informações sejam por meios de cartilhas, debates, escolas, associações de bairros, entidades, sindicatos, comunidades, internet enfim, levar a todos a publicidade, que é um direito assegurado ao cidadão, certamente, na medida em que houver a adoção de uma nova forma de pensar na sociedade, através da quebra dos paradigmas de litigiosidade e, enfim, a partir da mudança da cultura do litígio para a da conciliação pode ser vir de alavanca para profunda transformação do País, substituindo a “cultura da sentença” pela “cultura da pacificação social”.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Eliane Andrade) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados