JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Como conciliar a inafiançabilidade constitucionalmente imposta aos crimes hediondos e equiparada (art. 5o, inc. XLIII) com a atual redação do art. 310 do CPP?


Autoria:

Anderson Francisco Dos Santos


Advogado, Bacharel em direito, pós-graduado em direito Penal e Processo Penal pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Fruits Of The poisonouis Tree ( Frutos da Arvore Envenenada)

Restituição de veículo apreendido e a impossibilidade de condicionar ao pagamento de taxas

O habeas corpus como sucedâneo recursal

A SEGURANÇA PÚBLICA E O SISTEMA PROCESSUAL NA LÓGICA DA SOCIEDADE INTERNÉTICO-PERSONOCÊNTRICA

NOVO REGIME JURÍDICO DA PRISÃO PROCESSUAL

Decisão história do Supremo Tribunal Federal - Possibilidade de prisão em acórdão penal condenatório em grau de Apelação - A Presunção de inocência num caótico quadro social de insegurança

OS EFEITOS MIDIÁTICOS NO TRIBUNAL DO JÚRI

DO JULGAMENTO COLEGIADO EM PRIMEIRO GRAU DE JURISDIÇÃO DE CRIMES PRATICADOS POR ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS

ECA: Ausência de relatório da equipe interprofissional leva à nulidade do processo

EXECUÇÃO PENAL: uma análise da compreensão de suas disposições gerais

Mais artigos da área...

Resumo:

Como conciliar a inafiançabilidade constitucionalmente imposta aos crimes hediondos e equiparada, existem duas respostas possíveis.

Texto enviado ao JurisWay em 04/03/2014.

Última edição/atualização em 05/03/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

                A Constituição Federal, ao impor a inafiançabilidade dos delitos hediondos e equiparados, pretendeu, em verdade, decretar-lhes a insuscetibilidade de liberdade provisória; do contrário, teria conferido a tais agentes um benefício (no sentido de se admitir a liberdade provisória, sem, contudo, poder exigir-lhes o pagamento de fiança). Considerando-se tais crimes incompatíveis com a concessão da liberdade provisória, o juiz, diante de uma prisão em flagrante, poderia adotar as providências dos incisos I e II do art. 310 do CPP, isto é, relaxar a custódia se houvesse ilegalidade ou decretar alguma medida cautelar (convertendo o flagrante em preventiva ou adotando outra menos gravosa, mas suficiente no caso concreto.

 

               Existe, ainda, posição no sentido de que, considerando a insuscetibilidade de liberdade provisória em tais infrações, o juiz, à vista do auto de prisão em flagrante, o relaxaria, se presente alguma ilegalidade, ou converteria – obrigatoriamente – a prisão em flagrante em preventiva. 3) Pode-se interpretar o dispositivo constitucional de maneira literal, reconhecendo admissível quanto a delitos hediondos e equiparados, a figura da liberdade provisória, de modo que o art. 310 do CPP se revelaria totalmente compatível com o art. 5o, XLIII, da CF, comportando, assim, a concessão de liberdade provisória (sem fiança), nos termos do inc. III do art. 310 do CPP, além das demais opções previstas neste dispositivo

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Anderson Francisco Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados