JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

CORREÇÃO DO FGTS: DIREITO OU MITO?


Autoria:

Edywan Dias Dos Santos


Advogado Militante nas Áreas Trabalhista, Civil e Empresarial. Graduado em Direito pela Faculdade Arthur Thomas - FAAT. Especialista em Teologia Calvinista pela Faculdade Virtual Livre de Sociologia, Antropologia, Cultura e Religião. Docente e palestrante nas áreas de Direito e Teologia.

Endereço: Avenidajuscelino Kubitschesck, 3383 - Sobre Loja, Sala 07
Bairro: Ipiranga

Londrina - PR
86010-540

Resumo:

O presente artigo visa abordar a presente discussão jurídica quanto a adequação da forma de correção dos saldos das contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)

Texto enviado ao JurisWay em 13/11/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

 

A adequação da forma de correção dos saldos das contas vinculadas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é tema atual e amplamente debatido no âmbito jurídico. O FGTS pode ser qualificado como um típico fundo parafiscal. Seus recursos têm origem na cobrança de uma contribuição específica em valor correspondente a 8% do salário, realizados em nome dos trabalhadores e que constituem a base da formação do patrimônio do Fundo e exercem funções de seguro social, bem como contribuem para o financiamento de investimentos de cunho social nas áreas de habitação, saneamento e infraestrutura urbana.

Essa natureza dicotômica do Fundo determina as características de seu retorno financeiro e são definidas no art. 2º Caput e § 1º da Lei 8036/90:

“Art. 2º O FGTS é constituído pelos saldos das contas vinculadas a que se refere esta lei e outros recursos a ele incorporados, devendo ser aplicados com atualização monetária e juros, de modo a assegurar a cobertura de suas obrigações.

 § 1º Constituem recursos incorporados ao FGTS, nos termos do caput deste artigo:

 a) eventuais saldos apurados nos termos do art. 12, § 4º;

 b) dotações orçamentárias específicas;

 c) resultados das aplicações dos recursos do FGTS;

d) multas, correção monetária e juros moratórios devidos;

e) demais receitas patrimoniais e financeiras.”

Cumpre esclarecer que o debate atual sobre as perdas na correção do FGTS em relação à inflação, não guarda qualquer relação direta com os expurgos dos planos econômicos compreendidos entre os períodos de 1986 a 1991, onde o que se discutia naquela época era o direito adquirido aos índices expurgados. A discussão que se iniciou atualmente está voltada quanto à aplicação da TR (Taxa Referencial) como fator de correção do saldo das contas do FGTS. A Taxa Referencial (TR) foi instituída na economia brasileira pela Lei Nº 8.177, de 31/03/1991 e teve como objetivo estabelecer regras para a desindexação da economia, sendo o novo índice usado para corrigir as contas do FGTS.

 Insta salientar que a correção mensal dos depósitos realizados a título de FGTS inclui a aplicação de duas taxas que correspondem a diferentes objetivos. Uma diz respeito à correção monetária dos depósitos nas contas vinculadas, através da aplicação da Taxa Referencial (TR), que se trata do fator de atualização monetária. A outra se refere à valorização do saldo do FGTS por meio da capitalização de juros à taxa de 3% ao ano.

 Assim, de um lado, se encontram os titulares das contas individuais têm seus saldos legalmente corrigidos pela TR acrescidos de 3% anuais. De outro lado, no entanto, tem-se a aplicação destes recursos no mercado financeiro e habitacional resultando em rendimentos variáveis, segundo as condições de mercado das aplicações. Portanto, tal debate tende a considerar, também, os resultados econômicos obtidos pelo Fundo, através da aplicação de seus recursos.

 Os que advogam acerca da aplicabilidade de outro índice que não a TR, alegam que desde 1999, o Governo federal não a tem aplicado conforme os números da inflação anual. Com isso, em tese, os depósitos realizados nas contas vinculadas dos trabalhadores de certa forma estariam defasados. Insta salientar que esse índice é calculado, pelo Banco Central e o que vem sendo debatido pelos adeptos da teoria da defasagem é que tal fator de correção é declinante, ou seja, ao ser comparado as médias anuais da relação das TRs com as taxas básicas financeiras, entre os períodos de 1999 à 2012, este declínio se acentua com o passar do tempo, indicando que a TR aproximou-se de zero, em 2012, fazendo com que o FGTS ficasse sem qualquer correção.

 Esse debate ficou ainda mais acentuado quando em uma decisão do Supremo Tribunal federal em Recurso Extraordinário (RE 747706), julgado em 13/06/2013, a ministra Cármen Lúcia reafirmou a posição da Corte de que a Taxa Referencial (TR), que remunera a poupança, não serviria para recompor a perda inflacionária da moeda, ou seja, não repõe o poder de compra, deixando os valores de precatórios defasados, sendo tal decisão a partir de então, alvo de interpretação pelos operadores do direito de que não se aplica a TR como índice de correção e por alusão, a decisão deveria ser aplicada quanto à correção do FGTS, que utiliza a mesma TR para corrigir o saldo dos trabalhadores com carteira assinada, havendo assim o direito a correção monetária dos valores depositados em favor do titular da conta vinculada, a partir de 1999, utilizando para a correção monetária outro índice que efetivamente recomponha o valor monetário, perdido pela inflação.

Um dos pontos de controvérsia está no entendimento sumulado pelo STJ na Súmula nº 459: “A Taxa Referencial (TR) é o índice aplicável, a título de correção monetária, aos débitos com o FGTS recolhidos pelo empregador mas não repassados ao fundo.” Fundamento adotado em diversos julgados da Corte neste sentido, o que demonstra a divergência do entendimento jurisprudencial.

Em que pese a euforia de alguns e a ampla divulgação da tese como direito absoluto de correção a título de FGTS do titular de conta vinculada em tal período informado, claro está que o debate apenas se iniciou nos tribunais pátrios e não há qualquer garantia de êxito quanto ao direito, posto que cada titular terá que realizar cálculo individualizado que dependerá do período de recolhimento e se houve saque ao longo do tempo, para depois aplicar o índice correspondente. Outrossim, em que pese as inúmeras notícias em circulação, o que é vedado de uma forma ou de outra, não há nenhum posicionamento consolidado do judiciário sobre o assunto propriamente dito, mas tão somente ações em trâmite que ainda não transitaram em julgado, ou seja, que tenha chegado ao fim.

Portanto, resta concluir que esta questão é complexa, sendo que quando houver posicionamento consolidado pelos tribunais superiores ficará evidente que, independente da decisão exarada, será observado e levado em consideração o dimensionamento coletivo da questão e os reflexos econômicos dela, bem como o impacto que causará na economia brasileira.

 

REFERÊNCIAS:

MARTINS. Sérgio Pinto. Manual do FGTS. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

DIEESE. O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. São Paulo, 2006.

BRASIL Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990. Legislação Federal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8036consol.htm> acesso em: 06 de Nov de 2013.

BRASIL Lei nº 8.177, de 01 de março de 1991. Legislação Federal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8177.htm> acesso em: 06 de Nov de 2013.

                                  

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Edywan Dias Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados