JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

GOVERNO DO RIO NÃO PODE DETERMINAR QUE EMPRESAS DE TELEFONIA E INTERNET PRESTEM INFORMAÇÕES SIGILOSAS DE SEUS USUÁRIOS


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

GOVERNO DO RIO NÃO PODE DETERMINAR QUE EMPRESAS DE TELEFONIA E INTERNET PRESTEM INFORMAÇÕES SIGILOSAS DE SEUS USUÁRIOS

Texto enviado ao JurisWay em 25/07/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

GOVERNO DO RIO NÃO PODE DETERMINAR QUE EMPRESAS DE TELEFONIA E INTERNET PRESTEM INFORMAÇÕES sigilosas DE SEUS USUÁRIOS

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

O Governo do Estado do Rio de Janeiro editou o Decreto nº 44.302, de 19 de Julho de 2013, criando a denominada “COMISSÃO ESPECIAL DE INVESTIGAÇÃO DE ATOS DE VANDALISMO EM MANIFESTAÇÕES PÚBLICAS – CEIV”.

 

Em seus Arts. 2º e 3º, dispõe o mencionado Decreto estadual:

 

“Art. 2º - Caberá à CEIV tomar todas as providências necessárias à realização da investigação da prática de atos de vandalismo, podendo requisitar informações, realizar diligências e praticar quaisquer atos necessários à instrução de procedimentos criminais com a finalidade de punição de atos ilícitos praticados no âmbito de manifestações públicas.

 

Art. 3º - As solicitações e determinações da CEIV encaminhadas a todos os órgãos públicos e privados no âmbito do Estado do Rio de Janeiro terão prioridade absoluta em relação a quaisquer outras atividades da sua competência ou atribuição.

 

Parágrafo Único - As empresas Operadoras de Telefonia e Provedores de Internet terão prazo máximo de 24 horas para atendimento dos pedidos de informações da CEIV”.

 

Ora, o Supremo Tribunal Federal cansativamente, em inúmeras vezes, já se pronunciou no sentido de que nem mesmo as famigeradas CPI’s (Comissões Parlamentares de Inquérito), que gozam de “poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, além de outros previstos nos regimentos das respectivas Casas” (Art. 58, §3º), possuem poderes para determinar a quebra do sigilo telefônico e de dados do indivíduo.

 

Justamente porque desejou o constituinte originário de 1988 que seja inviolável o sigilo da correspondência, das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas. Ressalvando expressamente o próprio texto constitucional vigente a possibilidade de apenas e tão-somente o Poder Judiciário realizar essa devassa na intimidade e vida privada do cidadão para fins de investigação criminal. É o chamado “postulado da reserva constitucional de jurisdição” (Art. 5º, Inc. XII, CF/88).

 

E se assim não fosse, não cabe ao Estado, muito menos ao seu Poder Executivo respectivo, através de Decreto autônomo, legislar sobre processo penal. É da competência privativa da União legislar sobre processo penal (Art. 22, I).

 

Como se vê, as inconstitucionalidades material e formal do Decreto fluminense em comento são latentes, no que diz respeito precisamente ao sigilo das comunicações telefônicas e de dados dos indivíduos. Devendo também ser consideradas inadmissíveis todas as provas derivadas dessa apuração.

 

_______________________   

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público no Estado do Espírito Santo

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados