JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Princípio da Presunção de inocência


Autoria:

Sheyla Alves De Melo


Estudante de Direito da Faculdade Metropolitana da Grande Recife- FMGR

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

O que significa estar diante da lei?
Desenvolvimento Profissional

Falando de Direitos Fundamentais
Desenvolvimento Profissional

Resumo:

Aspectos interessantes do Princípio constitucional da presunção de inocência, sua relação com a CF/88, CADH, Dir Penal e Processo Penal.

Texto enviado ao JurisWay em 22/02/2014.

Última edição/atualização em 25/02/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA: ENTRE A CF/88 E A CADH

 

Dentre os princípios constitucionais que regem o Direito Penal e Processual Penal, considero o Princípio da Presunção de Inocência o mais interessante dentro do ordenamento jurídico pátrio.

            Partindo de uma afirmação do Professor Geovane Moraes, começo minha discussão: “Não tem como se afirmar batendo o olho, quem é bandido e quem não é, salvo se utilizar-se de preceitos preconceituosos”.

            O Princípio da Presunção de Inocência está previsto tanto na CF/88, art. 5º, LVII, como na Convenção Americana de Direitos Humanos, art. 8º, §2º.

CF/88: “Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.

CADH: “Toda pessoa acusada de um delito, tem direito a que se presuma sua inocência”.

            Pelos dispositivos supracitados, logo vemos uma divergência: a nossa Lei Maior, utiliza uma ideia negativa para esse princípio, nos levando a entendê-lo como: Princípio da não-culpabilidade, aliás, essa é a nomenclatura utilizada pelo Supremo Tribunal Federal; já a Convenção Americana o define como presunção de inocência, consolidando que, é assegurado o direito ao duplo grau de jurisdição, diz que, a culpa é legalmente comprovada até a prolação de um acórdão no exercício do duplo grau de jurisdição; o que o diferencia da CF/88, já que por ela, só considera-se um indivíduo culpado, após o trânsito em julgado de sentença penal condenatória (vale ressaltar, que esse é um grande problema atualmente – Demora).

            Desse princípio, derivam duas (2) regras fundamentais, a saber:

a) REGRA PROBATÓRIA:

            Aquela que recai sobre o acusador o ônus de provar a culpabilidade do acusado, além de qualquer dúvida razoável, devendo o juiz absolvê-lo em caso de dúvida. É o famoso in dubio pro reum, previsto no art. 386, VI, CPP.

            “Como a lei me presume inocente, o réu não precisa provar sua inocência, salvo por exemplo, em caso de legítima defesa, onde o ônus da prova se inverte” – “A lei é dura, mas deve se adequar a realidade e ao bom sensu” (Geovane Moraes).

            Convém citar que, após o trânsito em julgado de sentença penal condenatória, ou seja em ação rescisória criminal, o acusado já é culpado, utilizando então, o princípio do in dubio contra reum.

b) REGRA DE TRATAMENTO:

            Em regra, o acusado deve permanecer em liberdade durante o processo. Medidas excepcionais de natureza pessoal só podem ser decretadas em casos excepcionais desde que comprovada sua necessidade. Em verdade, o STF já manifestou-se em relação as prisões processuais, defendendo que, elas não lesionam o princípio da não-culpabilidade, salvo se aplicadas erroneamente.

            O indivíduo deve ser tratado como inocente.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sheyla Alves De Melo) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados