JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Será o fim do JurisWay?
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Quando os fins se tornam meios


Autoria:

João Clair Silveira


Advogado em Direito de Trabalho e Direito de Família, com especialidade em Assédio Moral no Trabalho

envie um e-mail para este autor

Resumo:

De acordo com o advogado, há uma campanha regular e cotidiana no sentido de menosprezo e desvalorização do Estado.

Texto enviado ao JurisWay em 05/06/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Existe uma atividade em que ser meio deveria ser o seu fim e o seu fim deveria ser, ser meio. Ocorre que esta condição está desvirtuada e o que deveria ser seu fim, tornou-se meio para o seu (outro) fim.

            Tá difícil? Vou explicar! Os chamados “meios de comunicação”, principalmente o rádio e a televisão, dependem de concessão pública, ou seja, são autorizados pelo Estado com o objetivo de serem “meios” de comunicação, portanto, o fim (finalidade) do meio de comunicação é ser um “meio” (veículo) que “transporta” a informação entre o fato acontecido e o público.

A Constituição Federal estabelece valores e princípios que deveriam nortear a programação das emissoras de rádio e televisão. No que se trata das emissoras de televisão, é visível e notório que princípios como que estabelecem preferência para programações de finalidades educativas, artísticas e culturais passam ao largo de suas grades de programações.

A atividade, ou seja, o que é transmitido pelos chamados meios de comunicação, se sustenta em um tripé: informação, entretenimento e comerciais. Os dois primeiros, como finalidade de sua existência (voltados ao público) e, o terceiro, para seu sustento econômico (voltado, portanto, para si mesmo, para os seus interesses).

O problema é que para as grandes empresas de comunicação há uma confusão entre essas três atividades, utilizando-se das duas primeiras, com o objetivo de potencializar a terceira. Assim, a informação não é do fato, mas uma versão ao seu gosto do pretenso fato noticiado. Nesse sentido, também é feita a “produção” e a “seleção” das notícias que interessam a si e as corporações que os patrocinam. Assim, portanto, no sentido ideológico. 

Também há confusão entre a notícia e o entretenimento; em que a própria notícia vira espetáculo. Nos casos trágicos, por exemplo, não basta dar a informação, mas sim produzi-la, identificando personagens (em geral, vítimas ou parentes destas) que melhor desempenharão o “papel” em frente às lentes visando a dramaticidade pretendida sobre a informação da tragédia-espetáculo. Esse formato tem a função de alienação coletiva, retirando a possibilidade de se refletir na diferença entre o espetáculo e a tragédia, entre a ficção e o real, entre o fato e a versão. Isso explica, por exemplo, o sucesso das novelas e os Big(s) B... que existem por ai.   

Por outro lado, há uma campanha regular e cotidiana no sentido de menosprezo e desvalorização do Estado. Essa campanha se intensifica, mais ainda, quando quem está no Governo do Estado (no sentido lato, Estados, Municípios e União) tiver posições políticas ideológicas que não estão de acordo com o que pensam e pretendem os proprietários desses “meios de comunicação”.

Hannah Arendt, em A Condição Humana, diz que a tradição da faculdade (poder) de fazer promessas e, por outro lado, a expectativa de que essas promessas sejam cumpridas, possui um poder estabilizador frente à imprevisibilidade do futuro. Ou seja, frente ao fato de não sabermos o que poderá acontecer no futuro (daqui a pouco, ou amanhã ou “um dia”) fazemos, explicita ou tacitamente, mútuas promessas de comportamento e produzimos expectativas de que tais comportamentos prometidos sejam cumpridos e, com isso, tornamos possíveis as relações humanas e amenizamos o medo do futuro.

Os grandes meios de comunicação prometem, diariamente, transmitir informações corretas, imparciais, frente a uma posição de neutralidade, assim pretendem fazer acreditar que as informações transmitidas são corretas, verdadeiras e imparciais.  

Mais do que isso, com essa promessa, e a expectativa de seu cumprimento, transmitem informações mascaradas e produzem um efeito de recepção, adaptação e reprodução de um discurso manipulado que, na verdade, não tem a função de informar, e sim de produzir e transmitir a versão dos fatos no sentido que lhe seja mais apropriado para as suas pretensões.

Com isso, aquilo que chamamos de “meio” de comunicação, que deveria ser o fim (a finalidade) dessas empresas, torna-se meio (não de comunicação), mas para atingir a sua finalidade ideológica, política e, principalmente, empresarial.

Edson Luís Kossmann

Dallagnol Advogados Associados

edsonlk@hotmail.com

www.advogadosdallagnol.com.br

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (João Clair Silveira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados