JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Teoria das Janelas Quebradas


Autoria:

Julia Dullius Porn


Sou estudante do curso de Direito do Centro Universitário Univates da cidade de Lajeado - RS, estou aproximadamente no 8º semestre.

Outros artigos do mesmo autor

abandono afetivo
Outros

NOVO REGIME JURÍDICO DA PRISÃO PROCESSUAL
Direito Processual Penal

responsabilidade civil
Responsabilidade Civil

responsabilidade civil subjetiva
Responsabilidade Civil

Princípios referentes a família
Direito de Família

Mais artigos...

Outros artigos da mesma área

AÇÃO CONTROLADA NA APURAÇÃO DO TRÁFICO DE DROGAS: FERRAMENTA DE INVESTIGAÇÃO OU DE IMPUNIDADE

Vale tudo na Colaboração Premiada

AÇÃO PENAL POPULAR

COMBINAÇÃO DE LEIS PENAIS

Breves comentários sobre a Lei de Revistas Íntimas Invasivas: Proteção à dignidade da pessoa humana e supremacia do interesse público

A IMPORTÂNCIA DA INICIATIVA PRIVADA NA REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA PENETENCIÁRIO BRASILEIRO

O STALKER E O HIATO NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

ADOLESCENTE E A MEDIDA SOCIOEDUCATIVA APLICADA PELA PRÁTICA DE ATO INFRACIONAL ANÁLOGO AO TRÁFICO DE DROGAS (Lei n° 11.343/06)

A EUTANÁSIA A LUZ DO PROJETO DE LEI DO CÓDIGO PENAL

Breves comentários sobre a Lei Antiterrorista no Brasil - A invasão terrorista normativa e monstruosa na estrutura jurídica brasileira.

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Foi um estudo que estabeleceu uma relação entre desordem
e criminalidade
feito por James Q. Wilson e George Kelling, usaram
a imagem de
janelas quebradas querendo mostrar que a desordem
e a crimi
nal idade poderiam causar uma certa decadência na
sociedade.

Eles acreditavam que se uma janela fosse quebrada e
ninguém a conse
rtasse imediatamente, as pessoas achariam que
n
inguém se importava, e aos poucos a desordem apareceria e mais
janelas seriam quebr
adas. Com isso concluía-se que ninguém era
responsável por aq
uele local e assim sendo por aquela rua,
comunidade. As pessoas 'do bem' deixariam aquela comunidade e
ela seria tomada pe
los desordeiros, que mais tarde poderiam entrar
no crime.

Kelling e Wilson achavam que os adultos deixavam de
rep
reender crianças e adolescentes já desordeiros que se tornavam
ainda mais e preparava
m um terreno propício para o crescimento
da criminal idade
.

Outros estudos confirmaram que a relação entre desordem e
criminalidade era mais forte do que a criminal
idade e outras
características
.

Durante algumas décadas a criminalidade nos EUA só
aumentou, isso porque o combate a ela
falhava, não reconhecia a
relação com a desordem
. Para combatê-Ia o policial deveria fazer
parte da comunidade e lida
r diretamente com o crime, criando uma
comunidade o
rganizada que prezasse a ordem.

A Criminalidade tem várias causas entre elas está com
certeza a
desordem, mas também a ausência de repressão nos
pequeno
s delitos.

No Brasil, a criminalidade aumenta a cada dia, porque
aqui não se
combate a desordem e pequenos delitos, deve ser
priorizado
o combate a criminalidade violenta, criando assim um
círculo vicio
so, se não acabamos com a criminalidade logo no
começa f
azemos com que ela só aumente. Pequenos delitos que
seriam fac
ilmente combatidos acabam tornando-se grandes casos
de criminal idade
violenta.

Nessa teoria foi apontado um caminho para a redução
da criminal ida
de que já teve efeitos positivos, mas para ISSO
deveríamos começar a utilizar esse caminho.

Ao analisarmos a situação vemos que a desordem tem
conseqüên
cias mais graves em comunidades pobres, portanto
essas comunidades sã
o as que mais precisam de ordem, para
ev
itar o crescimento da criminalidade. É bem mais fácil consertar
uma janela quebrada e
m uma comunidade rica do que em uma
pobre.

Mas pobreza não deve ser sinônimo de desordem e crime.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Julia Dullius Porn) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados