JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Arma sem munição não caracteriza Crime de Porte Ilegal de Arma de Fogo


Autoria:

Beatricee Karla Lopes


Drª Beatricee Karla Lopes é Advogada Civilista e Criminalista - OAB/ES 15.171; pós-graduada em Civil e Penal; Escritora de Artigos Jurídicos; Membro Imortal da Academia de Letras da Serra-ES; Comendadora Cultural e Membro Imortal da Academia de Letras de São Mateus-ES; Comendadora Cultural da ONG Amigos da Educação e do Clube dos Trovadores Capixabas; Personalidade Cultural de 2017 do 3º Encontro Nacional da Sociedade de Cultura Latina do Brasil; Poeta; Escritora Literária; e colunista do Portal SBN Notícias - https://portalsbn.com.br/. Contato: (27) 9.9504-4747, e-mail: beatriceekarla@hotmail.com, site: beatriceeadv.wixsite.com/biak, página do Facebook: @DraBeatricee, Grupo no Facebook: @DireitoSBN e Instagran: @DireitoSBN. Para encontrar: #DireitoSBN e #DraBeatricee.

Endereço: Rua Dr. Arlindo Sodré, 370 - Escritório de Advocacia
Bairro: Fátima, Tel.: 9.9504-4747

São Mateus - ES
29933-540


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

PRISÃO EM FLAGRANTE DELITO: INSTRUMENTO DE REPRESSÃO PENAL DESDE QUE A FLAGRÂNCIA NÃO SE APRESENTE DE FORMA INCERTA.

Estuprador é pai ou criminoso?

Há ressocialização ou repressão no sistema carcerário

APROPRIAÇÃO DE COISA ACHADA: O INCOMUM CRIME QUE TANTO ACONTECE. OU NÃO. - OS PERIGOS DA DESCLASSIFICAÇÃO APRESSADA

MAIORIDADE PENAL

Lei 13.008/14 separa as figura típica do Descaminho desafiando nova reflexão para idênticos valores de interesse fiscal.

Breves comentários sobre a Lei Antiterrorista no Brasil - A invasão terrorista normativa e monstruosa na estrutura jurídica brasileira.

Conexão ou continência da inflação de menor potencial ofensivo

HABEAS CORPUS E EXCESSO DE PRAZO... NO JULGAMENTO DE HABEAS CORPUS!

A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA JURÍDICA E A GARANTIA CONSTITUCIONAL DA TUTELA PENAL

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 07/05/2018.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Reza o art. 14 da Lei n° 10.826/03 (Estatuto do Desarmamento), que portar, deter, adquirir, fornecer, receber, ter em depósito, transportar, ceder, ainda que gratuitamente, emprestar, remeter, empregar, manter sob guarda ou ocultar arma de fogo, acessório ou munição, de uso permitido, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar, gera pena de reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa, e, ainda, esse crime é INAFIANÇÁVEL, salvo quando a arma de fogo estiver registrada em nome do indivíduo que a portava.

Acontece que, apesar desse artigo de lei não mencionar, há entendimento em nossos Tribunais de que não se caracteriza o delito de Porte de Arma de Fogo se esta se encontrava DESMUNICIADA em poder do indivíduo que fora surpreendido pela polícia com referida arma. Isso porque, sem munição ao alcance, não há perigo concreto contra a segurança pública, portanto, não há crime.

Estamos diante do Princípio da Ofensividade em Direito Penal, que exige um mínimo de perigo concreto ao bem jurídico tutelado pela norma, não bastando a simples indicação de perigo abstrato, ou seja, tem de haver o perigo de lesão a segurança pública, sob pena de fato atípico (não existente na lei), uma vez que o Direito Penal não deve se preocupar com condutas que não trazem reflexos à coletividade.

Ademais disso, para que se caracterize o crime de Porte Ilegal de Arma de Fogo, é necessário, também, que a arma esteja sendo portada pela pessoa que a tem, de maneira a permitir o seu pronto uso. Portanto, além de estar municiada, a arma deve estar ao alcance do sujeito, possibilitando o seu rápido acesso e utilização, para que ele sofra nas iras do art. 14 da Lei n° 10.826/03.

Logo, não havendo munição o crime é atípico (inexistente na lei), e não havendo possibilidade de acesso rápido a arma de fogo municiada, o crime deve ser o previsto no art. 12 da Lei n° 10.826/03 (Posse irregular de arma de fogo de uso permitido - Pena de detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa) e não o do art. 14 dessa mesma lei, oportunidade em que o indivíduo deverá responder por crime mais ameno e AFIANÇÁVEL.

Porém, tem-se outros entendimentos jurisprudenciais que rezam que para caracterizar o crime previsto no art. 14 da Lei n° 10.826/03 basta o agente portar uma arma para que possa intimidar alguém, independentemente de estar ou não municiada, e, assim, infringir justamente o bem jurídico tutelado por esse artigo de lei. Não concordo com esse posicionamento, mas, de qualquer forma, não se pode olvidar que uma arma de fogo desmuniciada possui grande potencial intimidatório para o cometimento de outros crimes, situação até muito corriqueira na sociedade, mas aqui já é outra seara criminal que não está no Estatuto do Desarmamento, mas no próprio Código Penal, como, por exemplo, o crime de Roubo Qualificado, que é aquele onde o agente subtrai coisa móvel alheia mediante violência e/ou ameaça com arma de fogo. Nesse exemplo, não tem como a vítima saber se o criminoso está com a arma municiada ou não, a própria exibição da arma já é suficiente para amendrontá-la e o Roubo Qualificado estará consumado.

Entretanto, comparar um crime de Roubo Qualificado com o de um indivíduo que fora surpreendido com uma arma de fogo desmuniciada e/ou fora de seu alcance, já é injustiça qualificada, pois, como dito acima, o Direito Penal não deve se preocupar com condutas que não trazem reflexos à coletividade.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Beatricee Karla Lopes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados