JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
 

A Decadência de Roma e a Alta Idade Média


Autoria:

Aristocléverson Santos


Representante Farmácias , cursando Direito, Graduado em ADM na FACITEC e vasta experiência no ramo farmacêutico.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Como nasceu o Direito
Introdução ao Estudo do Direito

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA
Direito Tributário

Direito Administrativo Atual
Direito Administrativo

A Importância da GATT para o MERCOSUL
Direito Internacional Público

Resumo: O QUE É ETNOCENTRISMO
Outros

Mais artigos...

Outros artigos da mesma área

Uma análise crítica da obra "O caso dos exploradores de cavernas", de Lon L. Fuller

RESUMO CRÍTICO DA OBRA PENSANDO COMO UM ADVOGADO: UMA INTRODUÇÃO AO RACIOCÍNIO JURÍDICO

A PREOCUPAÇÃO DO PODER DISCIPLINAR DO ESTADO

Hermenêutica jurídica: contradição entre teoria e prática.

Comentários a Cidade Antiga de Fustel de Coulanges

A DEFICIÊNCIA DA DEFENSORIA PÚBLICA BRASILEIRA NA EFETIVAÇÃO DO ACESSO A JUSTIÇA

The Case of the Speluncean Explorers

A origem das desigualdades sociais, o golpe militar de 64, a guerrilha comunista, a criminalidade organizada no Brasil e as ações dos delinquentes infanto-juvenis, no século XXI

Estudo Sobre a Tópica

Breves Considerações sobre o atual momento legislativo, político e social do Brasil

Mais artigos da área...

Resumo:

Não tem como pensar em Idade Média sem pensar: feudo, senhores feudais, guerras, servos, igreja católica, burguesia mais acima de tudo como todos esses elementos descritos estavam relacionados não somente entre eles, mas com o direito?

Texto enviado ao JurisWay em 16/08/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

FACULDADE: CAMBURY

ALUNO: ARISTOCLÉVERSON GOMES DIAS DOS SANTOS

CURSO: DIREITO

PROFESSOR: CARLOS HENRIQUE

DISCIPLINA: HISTÓRIA DO DIREITO 

 

 
SUMÁRIO
 
INTRODUÇÃO                                                                                                      03
 
CAPITULO 1:
O fim do Império Romano do Ocidente: a ascensão
dos povos bárbaros.                                                                                 05
 
CAPITULO 2:
O pluralismo alto medieval                                                                    06
 
CAPITULO 3:
O surgimento do direito bárbaro-romano                         07
 
CAPITULO 4:
O feudalismo e o direito feudal                                                           08
 
CONCLUSÃO                                                                                                       09
 
REFERÊNCIA                                                                                                       10
 
 
 
 
Essa situação de caos teve dois momentos distintos e com identidade própria: Alta Idade Média e Baixa Idade Média.
Neste sentido o problema da presente pesquisa é: Qual a importância da relação da Idade Media para o direito?
Justifica-se a presente pesquisa pela sua importância de buscar possíveis fatores que irão esclarecer, na intenção de alimentar a vontade por parte dos leitores a buscarem mais informações, contribuindo para a ciência do estudo da história do direito.
Para o pesquisador, o tema foi escolhido por entender que o mesmo é de suma importância para a ciência jurídica como e para o próprio pesquisador, pois tem interesse em saber como o direito estava presente na vida dos indivíduos na Idade Média.
No livro História do Direito de Renan Aguiar (2009) o objetivo geral deste trabalho foi identificar o direito na Idade Média. Os objetivos específicos estabelecem a possibilidade de analisar as mudanças sociais, políticas e administrativas na sociedade com relação ao direito.
 Na busca de alcançar os objetivos propostos, o presente trabalho de pesquisa é composto por sete capítulos e que se inicia com esta introdução e a metodologia utilizada foi à pesquisa bibliográfica.
No segundo capítulo apresenta o fim do Império Romano do Ocidente e ascensão dos povos bárbaros.
O terceiro capítulo descreve o pluralismo alto medieval. O quarto capítulo apresenta o surgimento do direito bárbaro-romano, no quinto o feudalismo e o direito feudal e último capítulo está à conclusão e as recomendações finais deste trabalho.
 
 
 
CAPITULO 1 – O fim do Império Romano do Ocidente: a ascensão dos povos bárbaros.
 
Segundo Aguiar (2009:87) a invasão dos povos bárbaros modificou o cenário geopolítico europeu, interferindo nas práticas econômicas, alterando a centralidade católica na religiosidade e criando gradualmente a mentalidade e cultura dos povos europeus, mas sendo influenciados pelos romanos sofrendo modificações na época de Tácito como:
a)     as terras eram distribuídas aos indivíduos e não mais aos clãs;
b)     a redistribuição de terra, que evitava a desigualdade de riquezas, diminuiu;
c)      o novo sistema agrícola provocava maior migração e menos grau de identidade dos clãs e tribos com suas terras;
d)     forma-se uma aristocracia que passa a compor um conselho permanente para exercício do poder no interior de uma tribo.
 
Essas modificações andaram em paralelo com a queda de Roma.
 
 
CAPITULO 2 – O pluralismo alto medieval
 
Com a desconcentração do poder, após a queda de Roma é uma conseqüência pela inexistência de uma organização estatal para adequar a distribuição funcional das atividades sociais, políticas e econômicas. A hospitalitas era um sistema de distribuição de terra onde os proprietários romanos eram obrigados a entregarem de um a dois terço da propriedade aos bárbaros, sem muita representatividade, pois eram poucos os guerreiros bárbaros. Sendo a distribuídas na maior parte aos nobres que fixavam por sua vez rendeiros ou pequenos proprietários.
 
O Livro das Constituições Reais, promulgado pelos nobres da Borgonha, inicia a fase de criação do Direito dos reinos bárbaros sob uma forte influência romana para atender as necessidades da nobreza bárbara.
 
A nova ordem jurídico-politica, tinha duas formas de estrutura adminstrativa e jurídica, proporcionando aos romanos as leis do antigo Império Romano e aos bárbaros ao direito dos reinos e a seus costumes.
 
O dualismo para Perry Anderson¹ (passagens da Antiguidade ao feudalismo, p. 112-113) é descrito como a falta de um poder centralizador, num imerso em um conjunto de plural de normas, deu vazão ao princípio da personalidade, marcando no direito os valores medievais de presença a grupos étnicos.
 
Produto da autonomia de forças, o pluralismo e a autonomia, descendia da inexistência de um poder absolutizante que vinculava um direito a um núcleo de poder estruturado, como se realiza com a modernidade jurídica por intermédio do Estado e da noção de soberania.
 
Feudalismo, p. 112-113
 
CAPITULO 3 – O surgimento do direito bárbaro-romano
 
O regime dualismo vivido no século V vai aos pouco cedendo lugar ao código legal baseado em costumes germânicos devido à expansão territorial e ao nosso modelo de distribuição das terras conquistadas diferente das hospitalita. Neste novo cenário as terras confiscadas ou conquistadas eram transformada em tesouro real ou distribuída ao nobre sendo a primeira característica do feudalismo desenvolvido a partir do século X.
 
O princípio da personalidade de direito vai concedendo lugar ao princípio da territorialidade como a integração do elemento romano à sociedade germânica, pois o direito não poderia ser aplicado diferente a semelhantes.
 
Breviário de Alarico foi o multiplicador do direito romano (bárbaro-romano) pelo Ocidente, sendo adotado no Império Franco e na região dos burgúndios e copiado até o século x. Os pagãos, os invasores adotaram o Cristianismo segundo Perry Anderson¹ (Passagens da Antiguidade ao feudalismo, p115.) refletindo uma necessidade de uma ordem divina para a centralização de poder e a mudança de refluxo da cidade para o campo ocasionando a decadência das cidades.
 
Carlos Magno consolidou a autoridade mítica do Império do Ocidente proporcionando a República Cristã e confirmando a relação de autoridade exercida pela Igreja em face do poder temporal.
 
Feudalismo, p115
A unidade básica da administração carolíngia era o condado, onde o conde representava o imperador e tinha poder administrativo, judicial e militar resultando o feudo como concessão de terra em troca de serviço militar a um delegado (conde) investido de poder jurídico e político.
 
 
CAPITULO 4 – O feudalismo e o direito feudal
 
O feudalismo é um fenômeno político, social e econômico da sociedade européia, tendo como marco o século X.
 
Bloch e Dudy identificaram duas épocas feudais: a primeira corresponde a um momento de organização rural estável, o comércio é rudimentar, a moeda quase inexistente e o trabalho assalariado. Já a segunda é o renascimento do comércio alimentando a nova classe ascendente: a burguesia urbana.
 
Portanto o feudalismo estreitou entre os grupos dominantes os laços, ou seja, vínculo estabelecido entre senhores e nunca entre senhores e servos. O direito feudal era caracterizado pelo contrato entre os senhores e os vassalos, este se comprometendo a ser fiel ao senhor oferecendo ajuda militar e participar dos conselhos e cortes do senhor, já o senhor se comprometia a proteger e reconhecer o domínio do vassalo sobre uma determinada terra.
 
 
CONCLUSÃO
 
Portanto a Idade Média desde a decadência de Roma até a alta Idade Média foi palco do direto nas relações entre nobres, vassalos, igreja, bárbaro-romanos, na complexidade de um estado descentralizado onde o direito se caracterizou nas distribuições de terras em outras na confiscação e conquistas de terras. O contrato entre os senhores e os vassalos também é caracterizado pelo direito.
 
A Igreja confirma a autoridade em face ao poder temporal e Carlos Magno cria a República Cristã centralizando o poder através adoção do Cristianismo.
 
 
             
 
 
 
REFERENCIA BIBLIOGRAFICA
 
ALVES, José Carlos Moreira. Direito Romano. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense, 1971.
ANDERSON, Perry. Passagens da Antiguidade ao feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 2000.
BLOCH, Marc Leopoldo Benjamim. A sociedade feudal. Lisboa: Edições 70, 1998.
DAVID, René. Os grandes sistemas do direito contemporâneo. Trad. Hermínio A. Carvalho. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
AGUIAR, Renan. História do Direito. 3.ed. São Paulo, 2009.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Aristocléverson Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados