JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

AUXÍLIO-DOENÇA


Autoria:

Marcela Mattos Hernandes


Estagiária da Justiça Federal de São João da Boa Vista Faculdade de Direito UNIFEOB Universidade Fundação de Ensino Octavio Bastos São João da Boa Vista 5 ano.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

MANDADO DE SEGURANÇA
Outros

Outros artigos da mesma área

PRINCIPAIS ASPECTOS DO PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA RESIDUAL DA UNIÃO EM FACE DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E O ENTENDIMENTO PACIFICADO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ACERCA DA QUESTÃO

Benefício de Prestação Continuada - BPC confrontado com a Aposentadoria por Invalidez

Aplicação do IRSM nos proventos de aposentadoria

Benefício da Aposentadoria por idade: Busca pela vida digna

Acréscimo de 25% sobre valores das aposentadorias de pessoas inválidas com necessidade de assistência permanente

PREVIDÊNCIA SOCIAL (INSS): AUXÍLIO-ACIDENTE

"A DESAPOSENTAÇÃO E A TEORIA ESCISIONISTA DO DIREITO PREVIDENCIÁRIO"

As contribuições em atraso e a indenização exigida pelo INSS para concessão de aposentadoria por tempo de contribuição.

A FINALIDADE SOCIAL DOS AMPAROS ASSISTENCIAIS (ART.203 DA CF/1988)

Fatores que influenciam as eleições presidenciais.

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 05/11/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

AUXÍLIO – DOENÇA

 

 

            O auxílio-doença é um benefício concedido em virtude de incapacidade temporária, quando o segurado estiver suscetível de recuperação, desde que necessite afastar-se de sua atividade habitual por mais de quinze dias.

     Está previsto nos artigos 59 e seguintes da lei nº 8.213/91, in verbis:

       Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

             Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

             Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)

             Art. 61. O auxílio-doença, inclusive o decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 91% (noventa e um por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995).                                     Art. 62. O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade. Não cessará o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência ou, quando considerado não-recuperável, for aposentado por invalidez.                                                                            Art. 63. O segurado empregado em gozo de auxílio-doença será considerado pela empresa como licenciado.                                                                Parágrafo único. A empresa que garantir ao segurado licença remunerada ficará obrigada a pagar-lhe durante o período de auxílio-doença a eventual diferença entre o valor deste e a importância garantida pela licença.

     Quando o segurado fica incapacitado para o seu trabalho por mais de 15 dias, consecutivos, terá direito ao auxílio-doença (art. 59 da lei nº 8.213/91), terá o contrato de trabalho suspenso. O empregador não tem a obrigação de pagar ao segurado o salário a partir do 16º dia do afastamento.

     Portanto, o auxílio doença é devido a partir do 16º dia de afastamento para os empregados comuns e desde a data do início da incapacidade para os seguintes segurados: empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador avulso, especial ou facultativo. 

     Para a concessão do auxílio-doença, o segurado deverá observar um período de carência de 12 contribuições mensais (art. 25, i, da lei nº 8.213/91). Independe de carência o auxílio-doença nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho, como também nos casos de segurado que, após filiar se ao Regime Geral da Previdência Social, for acometido de algumas das doenças e afecções especificadas em lista elaborada pelos órgãos competentes, de acordo com critérios de estigma, deformação mutilação, deficiência, ou outro fator que lhe confira especificidade e gravidade e tratamento particularizado (art. 26, II, da Lei nº 8.213/91).

     É possível a concessão de auxílio-doença mesmo para as pessoas que se encontram desempregada, desde que estejam presentes os requisitos do artigo 15 da Lei 8.213/91. Assim, mantendo a condição de segurado, o benefício será devido ao trabalhador mesmo na hipótese de se encontrar desempregado. Não se aplica essa orientação quando a Previdência Social tiver ciência de tratamento ambulatorial ou internação hospitalar devidamente comprovados pelo segurado por meio de atestado, casos em que, portanto, haja a concessão do auxílio-doença é necessária a apreciação do pedido pela perícia médica.

     O auxílio-doença do doméstico inicia-se no primeiro dia de incapacidade, não tendo o empregador doméstico de pagar os 15 primeiros dias.

     Consiste o auxílio doença em uma renda mensal de 91% do salário-de-benefício. O percentual da renda mensal é atualmente um só, não mais sendo dividido em função do número de meses ou anos trabalhados pelo segurado.

     Cessará o auxílio-doença quando houver recuperação da capacidade do trabalho, pela transformação em aposentadoria por invalidez, com a morte do segurado, ou auxílio-acidente de qualquer natureza, desde que nesse caso resulte seqüela que implique redução da capacidade funcional. Não há prazo máximo para a concessão do auxílio-doença. O auxílio-acidente de qualquer natureza, mensal e vitalício, corresponderá a 50% do salário-de-benefício que deu origem ao benefício do auxílio-doença.

     O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade, não cessando o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência.

     O segurado empregado em gozo de auxílio doença é considerado pela empresa como licenciado.

     A Previdência Social deve processar de ofício o benefício, quando tiver ciência da incapacidade do segurado.     

 

Martins, Sérgio Pinto, Direito da Seguridade Social, 12º edição, Editora Jurídica Atlas, 1999.  

Marcela Mattos Hernandes, aluna do 5° ano de Direito e estagiária credenciada da 27° Subseção Judiciária de São João da Boa Vista/SP.

 

  
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcela Mattos Hernandes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Cassio (09/11/2009 às 10:07:56) IP: 189.75.135.188
tenho direito a revisão do benefício por ocasiáo do recebimento de reclamatória trabalhista, posso receber retroativamente essa correção? Tenho direito?
2) Silvana (23/11/2009 às 10:49:14) IP: 201.13.132.158
dei entrada no auxilio doença dia 21/10 terei que passar na pericia dia 30/11 apartir de quando eu recebo o auxilio doença ,e como dou entrada para recebe-lo?


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados