JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

AUXÍLIO-DOENÇA


Autoria:

Marcela Mattos Hernandes


Estagiária da Justiça Federal de São João da Boa Vista Faculdade de Direito UNIFEOB Universidade Fundação de Ensino Octavio Bastos São João da Boa Vista 5 ano.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

MANDADO DE SEGURANÇA
Outros

Outros artigos da mesma área

A APOSENTADORIA COMPULSÓRIA DO SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO CIVIL E A NOVA PERSPECTIVA SOCIAL

Desaposentação

Qual o siginificado do regime de previdência privada no sistema nacional de seguridade social? A previdência privada substitui o sistema público ou o acresce?

A EXTENSÃO DA MAJORAÇÃO DE 25 % APLICADA AO APOSENTADO QUE NECESSITA DE AUXÍLIO DE TERCEIRO PARA SOBREVIVÊNCIA

RELAÇÃO "DOMÉSTICA" DE EMPREGO E GRAUS DE PARENTESCO

PRINCIPAIS ASPECTOS DO PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA RESIDUAL DA UNIÃO EM FACE DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E O ENTENDIMENTO PACIFICADO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ACERCA DA QUESTÃO

A aposentadoria especial e a inversão da punibilidade

DIREITO PREVIDENCIÁRIO: COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA MATÉRIA

O que é a Carência Previdenciária?

Aposentadoria e pensão junto ao INSS ou Judiciário

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 05/11/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

AUXÍLIO – DOENÇA

 

 

            O auxílio-doença é um benefício concedido em virtude de incapacidade temporária, quando o segurado estiver suscetível de recuperação, desde que necessite afastar-se de sua atividade habitual por mais de quinze dias.

     Está previsto nos artigos 59 e seguintes da lei nº 8.213/91, in verbis:

       Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos.

             Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

             Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início da incapacidade e enquanto ele permanecer incapaz. (Redação dada pela Lei nº 9.876, de 26.11.99)

             Art. 61. O auxílio-doença, inclusive o decorrente de acidente do trabalho, consistirá numa renda mensal correspondente a 91% (noventa e um por cento) do salário-de-benefício, observado o disposto na Seção III, especialmente no art. 33 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 9.032, de 1995).                                     Art. 62. O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade. Não cessará o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência ou, quando considerado não-recuperável, for aposentado por invalidez.                                                                            Art. 63. O segurado empregado em gozo de auxílio-doença será considerado pela empresa como licenciado.                                                                Parágrafo único. A empresa que garantir ao segurado licença remunerada ficará obrigada a pagar-lhe durante o período de auxílio-doença a eventual diferença entre o valor deste e a importância garantida pela licença.

     Quando o segurado fica incapacitado para o seu trabalho por mais de 15 dias, consecutivos, terá direito ao auxílio-doença (art. 59 da lei nº 8.213/91), terá o contrato de trabalho suspenso. O empregador não tem a obrigação de pagar ao segurado o salário a partir do 16º dia do afastamento.

     Portanto, o auxílio doença é devido a partir do 16º dia de afastamento para os empregados comuns e desde a data do início da incapacidade para os seguintes segurados: empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador avulso, especial ou facultativo. 

     Para a concessão do auxílio-doença, o segurado deverá observar um período de carência de 12 contribuições mensais (art. 25, i, da lei nº 8.213/91). Independe de carência o auxílio-doença nos casos de acidente de qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho, como também nos casos de segurado que, após filiar se ao Regime Geral da Previdência Social, for acometido de algumas das doenças e afecções especificadas em lista elaborada pelos órgãos competentes, de acordo com critérios de estigma, deformação mutilação, deficiência, ou outro fator que lhe confira especificidade e gravidade e tratamento particularizado (art. 26, II, da Lei nº 8.213/91).

     É possível a concessão de auxílio-doença mesmo para as pessoas que se encontram desempregada, desde que estejam presentes os requisitos do artigo 15 da Lei 8.213/91. Assim, mantendo a condição de segurado, o benefício será devido ao trabalhador mesmo na hipótese de se encontrar desempregado. Não se aplica essa orientação quando a Previdência Social tiver ciência de tratamento ambulatorial ou internação hospitalar devidamente comprovados pelo segurado por meio de atestado, casos em que, portanto, haja a concessão do auxílio-doença é necessária a apreciação do pedido pela perícia médica.

     O auxílio-doença do doméstico inicia-se no primeiro dia de incapacidade, não tendo o empregador doméstico de pagar os 15 primeiros dias.

     Consiste o auxílio doença em uma renda mensal de 91% do salário-de-benefício. O percentual da renda mensal é atualmente um só, não mais sendo dividido em função do número de meses ou anos trabalhados pelo segurado.

     Cessará o auxílio-doença quando houver recuperação da capacidade do trabalho, pela transformação em aposentadoria por invalidez, com a morte do segurado, ou auxílio-acidente de qualquer natureza, desde que nesse caso resulte seqüela que implique redução da capacidade funcional. Não há prazo máximo para a concessão do auxílio-doença. O auxílio-acidente de qualquer natureza, mensal e vitalício, corresponderá a 50% do salário-de-benefício que deu origem ao benefício do auxílio-doença.

     O segurado em gozo de auxílio-doença, insusceptível de recuperação para sua atividade habitual, deverá submeter-se a processo de reabilitação profissional para o exercício de outra atividade, não cessando o benefício até que seja dado como habilitado para o desempenho de nova atividade que lhe garanta a subsistência.

     O segurado empregado em gozo de auxílio doença é considerado pela empresa como licenciado.

     A Previdência Social deve processar de ofício o benefício, quando tiver ciência da incapacidade do segurado.     

 

Martins, Sérgio Pinto, Direito da Seguridade Social, 12º edição, Editora Jurídica Atlas, 1999.  

Marcela Mattos Hernandes, aluna do 5° ano de Direito e estagiária credenciada da 27° Subseção Judiciária de São João da Boa Vista/SP.

 

  
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcela Mattos Hernandes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Cassio (09/11/2009 às 10:07:56) IP: 189.75.135.188
tenho direito a revisão do benefício por ocasiáo do recebimento de reclamatória trabalhista, posso receber retroativamente essa correção? Tenho direito?
2) Silvana (23/11/2009 às 10:49:14) IP: 201.13.132.158
dei entrada no auxilio doença dia 21/10 terei que passar na pericia dia 30/11 apartir de quando eu recebo o auxilio doença ,e como dou entrada para recebe-lo?


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados