JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Preparatório OAB
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 
 Sala dos Doutrinadores - Artigos Jurídicos
Autoria:

Lídia Salomão


Advogada atuante em Belo Horizonte/MG, graduada em Direito pela PUC-MG, pós graduada em Direito Civil e Processual Civil pela UNIPAC. Tel: (31) 3227.3388

envie um e-mail para este autor
Artigos Jurídicos Direito Processual Civil

Porque a sociedade não sobrevive sem a tutela jurídica?

Texto enviado ao JurisWay em 07/02/2007.

indique está página a um amigo Indique aos amigos

Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?
As expressões “ubi societas ibi jus”(não existe sociedade sem direito)e “ubi jus ibi societas”  (não existe direito sem sociedade) encontram-se entre as mais significativas expressões jurídicas, pois mostram a real influência de um sobre o outro.
 
A função que o Direito exerce sobre a sociedade, ordenando-a de forma a organizá-la, demonstra que a tutela jurídica sempre foi e sempre será o caminho para a pacificação dos conflitos da sociedade. Por isso, o direito é a mais importante forma de controle social existente.
 
Isso não quer dizer que o Direito evite e elimine os conflitos entre as pessoas. O Direito apenas trabalha para que as insatisfações se dirimam.
 
Isso acontece desde as fases mais primitivas da civilização. Historicamente, esta função pacificadora se deu da seguinte forma:
 
Nas fases mais remotas e primitivas não havia Estado para garantir o cumprimento do Direito, e muito menos leis. Aquele que desejasse satisfazer sua pretensão. O fazia de sua forma, como maneira de “vingança privada”.
 
Então o Estado chamou a si o “jus punitionis”. Era uma forma de autotutela através da qual uma das partes era o juiz, e essa, como a mais forte, impunha sua decisão à outra parte sem qualquer interferência externa de pessoas ou órgãos. A autocomposição também foi outra maneira de resolver os conflitos. Nesta forma, os conflitos se resolviam por desistência, submissão ou transação..
 
A preferência pelos árbitros chegou mais tarde. Os árbitros eram pessoas de confiança mútua das partes. Geralmente se tratavam de sacerdotes ou anciões que decidiam conforme os costumes e padrões da sociedade.
 
A ingerência do Estado ainda era repudiada nesta época, mas ele já possuía participação na solução dos litígios. Com o passar do tempo o Estado passou a nomear os árbitros conseguindo que a arbitragem se tornasse aos poucos obrigatória, e não mais facultativa.
 
Muito depois de criada a figura do juiz, surgiu a figura do legislador, por meio da Lei das XIX Tábuas, através da qual se impuseram as regras destinadas a dar razão às decisões.
 
A transição da justiça privada para a justiça pública foi se perfazendo aos poucos. O Estado, então, se fortaleceu, e passou a impor suas decisões e solucionar os conflitos exercendo a jurisdição.
 
A jurisdição configura-se por meio de uma atividade através da qual os juízes estatais examinam as pretensões das partes e resolvem os conflitos. Como as partes não podiam mais agir, cabia a elas, então, provocar o exercício da jurisdição, exercendo seu direito de ação.
Até hoje, a função pacificadora do Direito sobre a sociedade funciona desta forma. Os conflitos de interesses são colocados ao Estado (por meio do Poder Judiciário) e este soluciona-os com as decisões imperativas dos magistrados.
 
Sem a jurisdição (poder/dever do Estado de ditar o Direito) a sociedade não sobreviveria pois estaria fadada ao caos e desordem, prevalecendo sempre a força dos mais fortes sobre os mais fracos.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lídia Salomão) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Hyleia Viera Guimaraes (24/09/2009 às 21:36:17) IP: 187.5.122.44
Dra.'Lídia:
É possível e lícito, o Poder do Supremo Tribunal ser maior e interferir na jurisprudência da pessoa (civil), quando uma das partes(réu) pertence ao Ministério da Justiça?
2) I.rodarte (28/09/2009 às 19:53:19) IP: 201.34.27.60
Drª Lídia:
Como estudante de Gestão Ambiental,sendo que na qual há conteúdos sobre Legislação e Direito Ambiental,para um iniciante como eu,este artigo foi muito interessante,ilustrativo e esclarecedor.
3) Félix Adorno (04/10/2009 às 08:04:30) IP: 200.140.46.14
Muito interessante esse artigo, vem dar um bom esclareimento sobre o que é direito, mostrandoo assim o caminho para nos iniciantes do curso de gestão ambiental.
4) Joelmar (08/10/2009 às 09:32:38) IP: 200.228.141.26
IMPORTANTISSIMO,POIS SE NÃO FOSSE TER ESSA FERRAMENTA SERIA MUITO MAIS CONFLITANTE PARA RESOLVER PROBLEMAS QUE EMVOLVEM A JUSTIÇA.
5) Fatima Amorim (11/10/2009 às 10:16:29) IP: 200.199.140.206
ESTE ARTIGO NOS FAZ ENTENDER A FORMA QUE A JUSTIÇA FUNCIONAVA ANTIGAMENTE,E COMO FORAM IMPORTANTES AS MUDANÇAS PARA OS DIAS ATUAIS, MUITAS VEZEAS JULGAMOS A JUSTIÇA LENTA,MAS SERIA PIOR SEM.
6) Luciene Morais (15/10/2009 às 09:56:55) IP: 189.1.232.170
INTERESSANTE SABER COMO FOI INSTITUÌDO O DIREITO, E PORQUE NÃO ESTUDAR O DIREITO NA DISCIPLINA DE GESTÃO AMBIENTAL?
7) Sergio Augusto Januário (17/10/09 Ás 16:20) (17/10/2009 às 17:24:29) IP: 201.78.14.166
O artigo é interessante porém seria muito melhor se esclarecesse porque o Direito não consegue dar um bastas nas atitudes insanas realizadas pelo MST como a ultima no interior de São Paulo em uma fazenda de produção de laranjas, um dos grandes produtos de exportação de nossa agricultura.
8) Eliel Sousa Dias (20/10/2009 às 04:33:21) IP: 189.76.81.162
Muito importante esse artigo, vem trazer muitos esclarecimento sobre o direito, mostrando assim o caminho correto para iniciarmos nosso curso com sucesso.
9) Valdir (20/10/2009 às 16:28:05) IP: 201.3.48.81
Matéria importante que mostra vários estágios do direito, mas existem ainda alguns povos ou civilizações que continuam a decidir através dos usos e costumes de seus ancestrais, podemos citar os Indigenas, mas funciona porque todos respeitam as normas, entre nós já não funcionaria mais, pois, os costumes ja são outros, muitos direitos e poucos deveres.
10) Valdir (20/10/2009 às 16:28:37) IP: 201.3.48.81
Matéria importante que mostra vários estágios do direito, mas existem ainda alguns povos ou civilizações que continuam a decidir através dos usos e costumes de seus ancestrais, podemos citar os Indigenas, mas funciona porque todos respeitam as normas, entre nós já não funcionaria mais, pois, os costumes ja são outros, muitos direitos e poucos deveres.
11) Nelsi (21/04/2010 às 08:56:43) IP: 187.117.39.254
Achei importante este link, pois esclareceu algumas dúvidas que eu tinha noque diz respeito ao direito ambiental. Para os acadêmcos do curso de gestão Ambiental, toda informação é de suma importância.
12) Manoel (16/08/2011 às 15:28:28) IP: 187.7.81.10
Achei muito inportnte para esclarece algumas duvida para quer estuda gestão ambiental.
13) Carlos (17/05/2013 às 10:29:22) IP: 201.8.129.39
Uma matéria importantíssima para o curso de Gestão Ambiental, uma vez que o Gestor Ambiental poderá estar diretamente ligado à uma questão de conflitos de interesses, por exemplo, na avaliação de impacto ambiental de um empreendimento que fora instalado sem licenciamento ambiental prévio, que afetou a propriedade de uma determinada pessoa, que por sua vez, acionou o poder judiciário. E você ou eu, somos um dos profissionais contratados para ajudar a solucionar este hipotético conflito.
14) Emiliano (08/04/2014 às 10:54:51) IP: 187.127.95.198
Sem regras, anarquia impera.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados