JurisWay - Sistema Educacional Online
 
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Porque a sociedade não sobrevive sem a tutela jurídica?


Autoria:

Lídia Salomão


Advogada atuante em Belo Horizonte/MG, graduada em Direito pela PUC-MG, pós graduada em Direito Civil e Processual Civil pela UNIPAC. Tel: (31) 3227.3388

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Art. 745-A, do CPC: o embate entre a norma material e processual civil e seus desdobramentos.

DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA NO NOVO CPC

MANDADO DE SEGURANÇA

Possibilidade Jurídica da Demanda como Terminologia apropriada ao inciso VI do artigo 267 do Código de Processo Civil.

A legitimidade da Defensoria Pública para propor Ação Civil Pública

AS TUTELAS DE URGÊNCIA E A FUNGIBILIDADE DE MEIOS NO SISTEMA PROCESSUAL CIVIL

CONCEITOS GERAIS DE DIREITO PROCESSUAL

O mínimo existencial e a penhora: uma análise sobre as novas exceções à penhorabilidade de bens na execução civil brasileira à luz dos tribunais

Representação em juizo por pessoa civil

Do Mandado de Segurança: generalidades, estrutura, características, legitimação e operatividade.

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 07/02/2007.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

As expressões “ubi societas ibi jus”(não existe sociedade sem direito)e “ubi jus ibi societas”  (não existe direito sem sociedade) encontram-se entre as mais significativas expressões jurídicas, pois mostram a real influência de um sobre o outro.
 
A função que o Direito exerce sobre a sociedade, ordenando-a de forma a organizá-la, demonstra que a tutela jurídica sempre foi e sempre será o caminho para a pacificação dos conflitos da sociedade. Por isso, o direito é a mais importante forma de controle social existente.
 
Isso não quer dizer que o Direito evite e elimine os conflitos entre as pessoas. O Direito apenas trabalha para que as insatisfações se dirimam.
 
Isso acontece desde as fases mais primitivas da civilização. Historicamente, esta função pacificadora se deu da seguinte forma:
 
Nas fases mais remotas e primitivas não havia Estado para garantir o cumprimento do Direito, e muito menos leis. Aquele que desejasse satisfazer sua pretensão. O fazia de sua forma, como maneira de “vingança privada”.
 
Então o Estado chamou a si o “jus punitionis”. Era uma forma de autotutela através da qual uma das partes era o juiz, e essa, como a mais forte, impunha sua decisão à outra parte sem qualquer interferência externa de pessoas ou órgãos. A autocomposição também foi outra maneira de resolver os conflitos. Nesta forma, os conflitos se resolviam por desistência, submissão ou transação..
 
A preferência pelos árbitros chegou mais tarde. Os árbitros eram pessoas de confiança mútua das partes. Geralmente se tratavam de sacerdotes ou anciões que decidiam conforme os costumes e padrões da sociedade.
 
A ingerência do Estado ainda era repudiada nesta época, mas ele já possuía participação na solução dos litígios. Com o passar do tempo o Estado passou a nomear os árbitros conseguindo que a arbitragem se tornasse aos poucos obrigatória, e não mais facultativa.
 
Muito depois de criada a figura do juiz, surgiu a figura do legislador, por meio da Lei das XIX Tábuas, através da qual se impuseram as regras destinadas a dar razão às decisões.
 
A transição da justiça privada para a justiça pública foi se perfazendo aos poucos. O Estado, então, se fortaleceu, e passou a impor suas decisões e solucionar os conflitos exercendo a jurisdição.
 
A jurisdição configura-se por meio de uma atividade através da qual os juízes estatais examinam as pretensões das partes e resolvem os conflitos. Como as partes não podiam mais agir, cabia a elas, então, provocar o exercício da jurisdição, exercendo seu direito de ação.
Até hoje, a função pacificadora do Direito sobre a sociedade funciona desta forma. Os conflitos de interesses são colocados ao Estado (por meio do Poder Judiciário) e este soluciona-os com as decisões imperativas dos magistrados.
 
Sem a jurisdição (poder/dever do Estado de ditar o Direito) a sociedade não sobreviveria pois estaria fadada ao caos e desordem, prevalecendo sempre a força dos mais fortes sobre os mais fracos.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lídia Salomão) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Hyleia Viera Guimaraes (24/09/2009 às 21:36:17) IP: 187.5.122.44
Dra.'Lídia:
É possível e lícito, o Poder do Supremo Tribunal ser maior e interferir na jurisprudência da pessoa (civil), quando uma das partes(réu) pertence ao Ministério da Justiça?
2) I.rodarte (28/09/2009 às 19:53:19) IP: 201.34.27.60
Drª Lídia:
Como estudante de Gestão Ambiental,sendo que na qual há conteúdos sobre Legislação e Direito Ambiental,para um iniciante como eu,este artigo foi muito interessante,ilustrativo e esclarecedor.
3) Félix Adorno (04/10/2009 às 08:04:30) IP: 200.140.46.14
Muito interessante esse artigo, vem dar um bom esclareimento sobre o que é direito, mostrandoo assim o caminho para nos iniciantes do curso de gestão ambiental.
4) Joelmar (08/10/2009 às 09:32:38) IP: 200.228.141.26
IMPORTANTISSIMO,POIS SE NÃO FOSSE TER ESSA FERRAMENTA SERIA MUITO MAIS CONFLITANTE PARA RESOLVER PROBLEMAS QUE EMVOLVEM A JUSTIÇA.
5) Fatima Amorim (11/10/2009 às 10:16:29) IP: 200.199.140.206
ESTE ARTIGO NOS FAZ ENTENDER A FORMA QUE A JUSTIÇA FUNCIONAVA ANTIGAMENTE,E COMO FORAM IMPORTANTES AS MUDANÇAS PARA OS DIAS ATUAIS, MUITAS VEZEAS JULGAMOS A JUSTIÇA LENTA,MAS SERIA PIOR SEM.
6) Luciene Morais (15/10/2009 às 09:56:55) IP: 189.1.232.170
INTERESSANTE SABER COMO FOI INSTITUÌDO O DIREITO, E PORQUE NÃO ESTUDAR O DIREITO NA DISCIPLINA DE GESTÃO AMBIENTAL?
7) Sergio Augusto Januário (17/10/09 Ás 16:20) (17/10/2009 às 17:24:29) IP: 201.78.14.166
O artigo é interessante porém seria muito melhor se esclarecesse porque o Direito não consegue dar um bastas nas atitudes insanas realizadas pelo MST como a ultima no interior de São Paulo em uma fazenda de produção de laranjas, um dos grandes produtos de exportação de nossa agricultura.
8) Eliel Sousa Dias (20/10/2009 às 04:33:21) IP: 189.76.81.162
Muito importante esse artigo, vem trazer muitos esclarecimento sobre o direito, mostrando assim o caminho correto para iniciarmos nosso curso com sucesso.
9) Valdir (20/10/2009 às 16:28:05) IP: 201.3.48.81
Matéria importante que mostra vários estágios do direito, mas existem ainda alguns povos ou civilizações que continuam a decidir através dos usos e costumes de seus ancestrais, podemos citar os Indigenas, mas funciona porque todos respeitam as normas, entre nós já não funcionaria mais, pois, os costumes ja são outros, muitos direitos e poucos deveres.
10) Valdir (20/10/2009 às 16:28:37) IP: 201.3.48.81
Matéria importante que mostra vários estágios do direito, mas existem ainda alguns povos ou civilizações que continuam a decidir através dos usos e costumes de seus ancestrais, podemos citar os Indigenas, mas funciona porque todos respeitam as normas, entre nós já não funcionaria mais, pois, os costumes ja são outros, muitos direitos e poucos deveres.
11) Nelsi (21/04/2010 às 08:56:43) IP: 187.117.39.254
Achei importante este link, pois esclareceu algumas dúvidas que eu tinha noque diz respeito ao direito ambiental. Para os acadêmcos do curso de gestão Ambiental, toda informação é de suma importância.
12) Manoel (16/08/2011 às 15:28:28) IP: 187.7.81.10
Achei muito inportnte para esclarece algumas duvida para quer estuda gestão ambiental.
13) Carlos (17/05/2013 às 10:29:22) IP: 201.8.129.39
Uma matéria importantíssima para o curso de Gestão Ambiental, uma vez que o Gestor Ambiental poderá estar diretamente ligado à uma questão de conflitos de interesses, por exemplo, na avaliação de impacto ambiental de um empreendimento que fora instalado sem licenciamento ambiental prévio, que afetou a propriedade de uma determinada pessoa, que por sua vez, acionou o poder judiciário. E você ou eu, somos um dos profissionais contratados para ajudar a solucionar este hipotético conflito.
14) Emiliano (08/04/2014 às 10:54:51) IP: 187.127.95.198
Sem regras, anarquia impera.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2014. JurisWay - Todos os direitos reservados