JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A importância do Marxismo no século XXI: uma análise sociopolítica para além dos radicalismos


Autoria:

Juvimário Andrelino Moreira


Pedagogo, Professor colaborador do ISEC/PB, nos cursos de Pedagogia, e Acadêmico de Direito.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O mundo já foi dividido entre Socialismo x Capitalismo. Esta luta no campo ideológico e prático gerou inúmeras transformações na sociedade em que vivemos. Apresenta-se o Marxismo como corrente importantíssima para conquista de muitos direitos sociais

Texto enviado ao JurisWay em 01/12/2012.

Última edição/atualização em 02/12/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 I INTRODUÇÃO 

            A construção da sociedade como a conhecemos hoje, se deu, de forma mais intensa, a partir da Revolução Industrial, do conflito entre o socialismo versos capitalismo. Essas duas correntes influenciaram – e ainda influenciam – grandes pensadores, mudou a forma de fazer política de muitos líderes, gerou guerras, dividiu o mundo em duas partes: uma liderada pela antiga União Soviética; outra, pelos Estados Unidos. As grandes invenções, as armas de destruição em massa, a ida do homem à lua – se é que ela existiu -, tiveram como força motriz a disputa ideológica e política entre o socialismo-comunismo contra o capitalismo.

            Com o fim da Guerra Fria os países socialistas, que experimentavam o comunismo, foram aderindo aos ideais capitalistas e a forte tensão entre as duas partes do mundo foi se acabando, ganhando protagonismo os ideais capitalistas. Hoje, o mundo é capitalista, porém, enganam-se aqueles que acreditam ter o marxismo morrido com Marx. Na verdade, indubitavelmente, enquanto existir capitalismo existirá o marxismo, porque este é ideia contrária àquele e, lutando por sua superação, o socialismo só poderia deixar de existir quando o capitalismo fosse totalmente superado para a vivência universal do comunismo.

            Não podemos esquecer, jamais, que a existência e a disputa entre estes dois foram e são de enorme importância para construção de uma sociedade melhor, mais humana e desenvolvida. O que não podemos aceitar são os radicalismos de ambas as partes.

            Os radicalismos devem ser combatidos porque demonstram uma doença social. Os radicais que defendem o comunismo a qualquer preço ou querem assumir o poder e tornarem-se déspotas ou estão cegos ao não enxergar que toda forma de comunismo acaba em ditadura. Por outro lado, os que defendem o capitalismo predatório ou são multimilionários ou já foram abstraídos pelo próprio sistema vigente. Sabe-se que a mercantilização de tudo desumaniza, cada vez mais, o que ainda resta-nos de humano.

            Não se quer, aqui, relevar um sistema sobre o outro, mas defender a existência dos dois, pelos menos a luta ideológica entre eles, para construção de uma sociedade mais humana e desenvolvida, com a permanência da democracia social. A simples prevalência de uma só ideia já configura-se ditadura.

            Ao longo deste trabalho pretende-se mostrar a importância do marxismo para construção de uma sociedade mais humana, apresentando fatos que demonstram inúmeras conquistas sociais, principalmente no campo dos trabalhadores, na inserção do povo na política, e no avanço de direitos e deveres iguais – ao menos formalmente – para todos e a busca destes, materialmente, observadas nas decisões do STF, objetivando suprir atrasos culturais entre as classes econômicas e raças do Brasil.

            Terar-se-á como fundamentação teórica as contribuições de COUTINHO (1997) que apresenta didaticamente algumas notas interpretativas sobre Marx e as categorias centrais do capitalismo – a mercadoria e o capital e SÁNCHEZ VÁZQUEZ (2007) que com sua filosofia da práxis possibilita a compreensão real do marxismo e sua importância social.

            Na primeira parte apresentar-se-á alguns conceitos aprofundados por Marx, como mercadoria, trabalho e valor, e mais-valia; na segunda, discutiremos a necessidade de existência do marxismo como contraponto para o equilíbrio social e construção de uma sociedade melhor, mesmo dentro do capitalismo.

            Finalmente, mostraremos que toda e qualquer forma de radicalismo tende a não ser bom, porque o radical não enxerga o outro, apenas a si, aos seus ideais, e que é importantíssimo a existência e equilíbrio de ideias contraditórias para o avanço da própria sociedade, ressaltando-se que apoiar radicalmente o capitalismo predatório é garantir, ainda mais, uma espécie de sociedade e direito para os ricos, desumana e, ser adepto radical do comunismo é atentar contra o próprio direito. 

II UMA BREVE APRESENTAÇÃO DA MERCADORIA, TRABALHO-VALOR E MAIS-VALIA EM MARX 

            Indiscutivelmente Karl Marx foi um crítico voraz ao capitalismo. Tendo estudado-o profundamente, como ninguém, o construtor do materialismo histórico aproximado à economia política por “atração, rejeição e, simultaneamente, pela dificuldade em entender a natureza de uma ciência dedicada à compreensão da lógica expansiva do sistema econômico por meio de uma relação-síntese, a taxa de lucro” (COUTINHO, 1997, p. 45), apresentou análises complexas sobre como se dava a exploração no sistema capitalista. Apresentar-se-á, didaticamente, a mercadoria, a relação do trabalho-valor e a mais-valia, como bases do sistema marxiano. 

II.1 A MERCADORIA 

            Para compreendermos bem, sem análises complexas, a mercadoria, faz-se necessário uma breve análise histórica para chegarmos até o conceito de mercadoria como conhecemos hoje. Para isto, voltaremos a tempos remotos, desde as primeiras relações entre homens e mulheres e a sua evolução e complexidade das relações.

            Há cerca de 8000 anos, no período neolítico, onde o homem começou a aperfeiçoar sua forma de trabalho, as relações entre homem-trabalho e entre homem-homem começaram a ficar complexas. Foi a partir da divisão do trabalho e de novas técnicas e instrumentos que alguns agricultores começaram a produzir excedentes e trocar bens de consumo. Neste contexto surge o comércio, não como hoje, com o equivalente geral, mas através da troca de produtos (escambo). Como uns produziam e trocavam mais produtos começaram a enriquecer e, estes, não queriam mais dividir os produtos, produzidos por todos, como existia nas aglomerações do período paleolítico; começaram a surgir as propriedades privadas e hierarquias sociais.

            Para Marx, a mercadoria foi ponto de partida, porque “a riqueza das sociedades em que domina o modo de produção capitalista aparece como uma imensa coleção de mercadorias, e a mercadoria individual como forma elementar[1]”. Porém, como dito anteriormente, o objetivo deste trabalho não é aprofundar nos temas marxianos, mas mostrar a importância do marxismo para a construção de uma sociedade mais humana.

            Observa-se, na explicação histórica, acima, que os bens quando eram trocados um pelo outro, sem a intenção do acúmulo, ainda não se constituíam mercadorias porque eram apenas para a subsistência dos que trocavam alimentos ou objetos. Os produtos eram, para ambos, exclusivamente para uso. A mercadoria começou a existir com a própria propriedade privada. Destarte, de forma resumida e simplificada, mercadoria é o produto posto no comércio, com o objetivo do lucro; é um produto que pode ser seu ou de qualquer outro que o deseje através da compra, ou troca, pelo equivalente geral (dinheiro). 

II.2 A RELAÇÃO TRABALHO-VALOR 

            Antes de entrarmos nas discussões marxianas sobre a relação trabalho-valor é interessante mostrarmos uma evolução da forma como se concebe o trabalho no tempo e espaço e mostrar, adiante, a importância do marxismo na conquista de melhores condições de trabalho e como se constitui, de forma simplificada, a mais-valia.

            Na Grécia Antiga, o homem que exercia o trabalho físico era considerado indigno, escravo, não-cidadão. Naquele tempo, o único trabalho valorizado era o abstrato, exercido exclusivamente pela força do pensamento. Essa compreensão acerca da relação trabalho-homem vigorou por séculos.

            Com a Revolução Industrial e a necessidade do homem acompanhar o ritmo da máquina, exigiu-se uma especialização. Agora não mais intelectual, mas técnica. Foi o marco da especialização mecânica do homem, em decorrência das exigências sociais. Especializar-se naqueles tempos era saber manusear os maquinários necessários para produzir o máximo de mercadorias, mesmo que não se soubesse seu fim.

            Na sociedade contemporânea, graças às contribuições e críticas marxianas, entendemos o trabalho como um instrumento dignificador do homem. Hoje, o mercado de trabalho exige um trabalhador que domine a teoria e prática, que seja competente no que faz.

            Feito esse breve transcurso da evolução de como enxergamos o trabalho, apresentar-se-á a relação trabalho-valor em Marx.

            Ao analisar o acúmulo de riquezas e buscar uma explicação para a produção de excedentes, Marx chegou a conclusão de que o trabalho humano gerava valor. Para o grande criador do socialismo, quanto mais tempo se demorasse para produzir um produto, mais ele valeria como mercadoria. Alerta-se, aqui, que o que gera valor, para Marx, não é o trabalho individual, mas social. Este, corresponde ao montante entre todo o trabalho produzido para gerar a mercadoria. Ou seja, estaria incluído no produto o trabalho de todos os trabalhadores – que colheram a matéria prima; que produziram os maquinários; que vendiam sua força de trabalho.

            Disso se depreende que “n´O Capital´, a dialética do trabalho é mediada pelo valor, vale dizer, pelo fato de o produto do trabalho ser mercadoria”[2]. Esse valor abstrato, estabelecido pelo trabalho de todos os trabalhadores, se deu através da própria mercantilização do trabalho.

            Através desta descoberta, se pode conhecer como o excedente desviava do trabalho humano dos produtores para os bolsos dos exploradores, gerando a mais-valia. Porém, relembrando que nosso objetivo não é aprofundar nos conceitos de Marx, foi através das análises marxianas que estabeleceu-se um valor para o trabalho – ainda inferior ao que se deveria ganhar – e conseguiu-se, através da luta política, iluminada pelos ideais socialistas, garantir direitos de segunda geração aos trabalhadores.

 

III CONCLUSÃO 

            O equilíbrio depende das duas partes com peso e proporcionalidades iguais, mas com cores, intenções e crenças diferentes. Qualquer desnível de uma forma de ideia, sobrevalendo sobre outra, é motivo de preocupação. Daí que não podemos esquecer, em pleno século XXI, da utopia, do sonho de uma sociedade melhor, mais humana, justa, livre e democrática. Não podemos deixar de pensar diferente, mas com equilíbrio e bom senso.

            Não se pode negar que a economia capitalista mutaciona-se celeremente e que esta mutação produz e acelera o conhecimento. Não se pode deixar de falar, também, que o controle da produção e a concentração de renda nas mãos de uma pequena minoria são fatores a serem discutidos e superados. Vale reafirmar que a pobreza é fruto de uma realidade produzida, não natural. Isso é inquestionável porque se todos passassem fome não existiria pobreza. A pobreza é fruto da própria desigualdade social.

            Por outro lado, não podemos querer adequar a sociedade contemporânea, complexa, à interpretações e teorias que prevaleceram, fortemente, do seu surgimento até o século passado. Nem podemos, também, esquecermo-nos delas, mas fortificá-las, atualizá-las, sem dogmatismo, para a construção de uma sociedade com ideais verdadeiros de democracia participativa.

            O marxismo não morreu, nem deverá morrer porque ele é o contraponto do sistema capitalista e, como tal, serve de equilíbrio para a própria manutenção da sociedade que sonhamos e vivenciamos; como luz da humanização do homem.

            Finalmente, o marxismo é de fundamental importância porque a sua eliminação traria incontáveis danos à essência humana. O capitalismo, por si só, prega uma liberdade que aliena o próprio homem, fazendo-o aceitar uma falsa liberdade; doutro modo, o comunismo tiraria a liberdade de grande parte dos homens e mulheres – ou a traria aos que tivessem a consciência socialista. A dominação de ideais capitalistas prevalecendo sobre todo o mundo deve ter um contrapeso socialista para que seja garantida a verdadeira democracia, que surge do confronto de ideias, de quereres, valores e interesses: da luta entre os contrários.

             

REFERÊNCIAS 

ANTUNES, Ricardo (Org.). A Dialética do Trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004. 

CECEÑA, Ana Ester (Org.). Os desafios das emancipações em um contexto militarizado – Tradução de Cecília Martha Botana - 1ª ed. – São Paulo: Expressão Popular, 2008. 

COUTINHO, Maurício Chalfin. Marx: Notas sobre a Teoria do Capital. São Paulo: Editora Hucitec, 1997. 

QUINTANEIRO, Tânia (Org.). Um Toque de Clássicos – Marx, Durkheim e Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002. 

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Filosofia da práxis – 1ª ed. – Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO. São Paulo: Expressão Popular, Brasil, 2007.


[1] Kapital, p. 45.

[2] COUTINHO, 1997, p. 59.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Juvimário Andrelino Moreira) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados