JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Ortografia Oficial 2016 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A LEI É BOA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA EM BUSCA DA VERDADE REAL E O PODER PUNITIVO DO ESTADO.

Justiça em jogo

PLC 132: DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL CONDUZIDA POR DELEGADO DE POLÍCIA

Prisões e medidas cautelares diversas segundo a nova lei 12.403/2011

TESTEMUNHAS SEM ROSTO: Medidas de combate ao crime organizado. Segurança dos colaborares da justiça

Liminar em habeas corpus: Uma construção da jurisprudência

PERDAS DE VIDAS EM PRETÓPOLIS E VETOS A REDUÇÃO DA IDADE PARA SAQUES DO PIS E PASEP POR IDOSOS SÃO INTOLERÁVEIS EM PLENO 2013

PROCEDIMENTOS PROCESSUAIS PENAIS ESPECIAIS E A LEGISLAÇÃO EXTRAVAGANTE

Existe um direito ao procedimento no processo penal? Quais seriam as dimensões em que ele pode se apresentar?

DELEGADO DE POLÍCIA PODE ARBITRAR FIANÇA NA LEI MARIA DA PENHA

Mais artigos da área...

Resumo:

A LEI É BOA

Texto enviado ao JurisWay em 27/06/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A LEI É BOA

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Em todos os noticiários policiais, de rádio, televisão e jornal, o arrebatado locutor ou âncora sempre bradam que lei processual penal deve ser modificada, para segurar na cadeia bandidos contumazes, fregueses da polícia, que aterrorizam comunidades quase que diariamente. Lamentam que seguidas vezes a polícia prende e, logo depois, os temidos criminosos são soltos, andando tranquilamente pelas ruas.

 

Acontece que nosso velho Código de Processo Penal, de 1941, não autoriza a soltura daquele perigoso criminoso que sabidamente voltará a delinquir. Quem insiste e persiste na sua atividade ou empreitada criminosa, para desespero da sociedade, deve responder a todo o trâmite do processo preso provisoriamente. Inclusive nas Instâncias recursais.

 

A essa estratégia jurídico-processual de defesa da sociedade o Código de Processo Penal chama de “garantia da ordem pública”. O que renomados juristas traduzem como o artifício legal para se afastar a possibilidade da reiteração criminosa pelo mesmo delinquente, que fez do crime sua profissão.

 

A ordem pública não é abalada pelo furto de uma lata de óleo ou de um vestido pendurado no varal, ou mesmo por uma injúria cometida no trânsito. Aí, a coisa funciona diferente. Inexistindo razão que justifique que o gatuno ou o boca-suja respondam a todo o processo preso. O mesmo deve acontecer, automaticamente, com todas as infrações penais cometidas sem violência ou grave ameaça à vítima.

 

Mas, quando nos deparamos com frios assassinos em série, sanguinários líderes de organizações criminosas de Bairros, assaltantes cruéis e impiedosos que costumeiramente são implacáveis com suas indefesas vítimas, maridos ou companheiros descumpridores contumazes de medidas protetivas de urgência, a profilaxia legal para o caso é única, ou seja, deve o criminoso ser preso provisoriamente, do início ao fim do processo, para fazer cessar a intranquilidade social.

 

Claro, a qualquer momento ou fração de segundo, dando o acusado sinais de que deseja abandonar a criminalidade, que encontrou sua estrada de Damasco, que é homem redimido, não representando mais, assim, um mal à sociedade e à vítima, deve o mesmo prontamente ser posto em liberdade, para retomar sua cidadania, ao lado de sua família e amigos, exercendo uma profissão que o enobreça mental e espiritualmente.

 

Não se esqueçam, temos Lei boa, sim!

 

__________              

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Titular do NÚCLEO ESPECIALIZADO DE COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER – NUDEM da DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

 

 

 

   

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados