JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA E AUTORIZAÇÃO PARA VIAJAR AO EXTERIOR. HÁ REGULAMENTAÇÃO? QUAL?


Autoria:

Jose Alexandre Dos Santos


Direito é minha vida!!!!

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Questões de Ética
Estatuto da OAB/Código de Ética

PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL E ECOLOGIA
Direito Ambiental

Resumo:

Quanto ao tema em questão vale ressaltar alguns pontos básicos que norteiam o ECA, além do principio da proteção integral e do melhor interesse ao menor, vale lembrar a questão do lazer, da cultura, da educação e tantos outros direitos e garantias.

Texto enviado ao JurisWay em 22/05/2012.

Última edição/atualização em 24/05/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Quanto ao tema em questão vale ressaltar alguns pontos básicos que norteiam o ECA, além do principio da proteção integral e do melhor interesse ao menor, vale lembrar a questão do lazer, da cultura, da educação e tantos outros direitos e garantias fundamentais elencadas pela CF/88.

 

A questão, mormente não é tão somente abrangida pelo ECA, mas também pelo Direito das Famílias, pois reside na importância de ambos os pais autorizarem a viagem do menor ao exterior, por dois motivos muito claros essa questão pode demandar uma querela judiciária.

 

Primeiro é a questão dos pais separados em que um deles pede para viajar com o filho ou os filhos e não volta mais, dando início a uma batalha judicial que pode envolver a diplomacia do Brasil com outro país. Na segunda questão é o caso de pais separados que por conta da briga familiar deixa de assinar a liberação da viajem para prejudicar o outro.

 

Onde entra o CNJ? Através da Resolução 131 do CNJ de 26 de maio de 2011 dispõe sobre a concessão de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes brasileiros, e revoga a Resolução nº 74/2009 do CNJ.

 

Para que os filhos viajem é preciso o reconhecimento dos dois genitores não precisa ser feito por autenticação, isto é na presença de tabelião, mas pode se dar por semelhança por meio do reconhecimento de firma já registrada em cartório.

 

Agora com a nova resolução está mais fácil viajar, Segundo o chefe do Departamento de Coordenação-Geral de Planejamento e Integração Consular do Itamaraty, ministro Eduardo de Mattos Hosannah, o modelo antigo acabava dificultando o retorno das crianças a suas casas no exterior. “Antes a criança precisava trazer uma mochila cheia de papel e documentos para embarcar”, pontuou o ministro. Nos próximos dias, segundo ele, os passaportes com a autorização já poderão ser solicitados nas unidades consulares do Brasil no exterior.

Para a chefe da Divisão de Controle de Imigração da Polícia Federal, Silvane Mendes Gouvêa, as novas regras, embora facilitem o procedimento, não comprometem a segurança e o controle da saída de menores do Brasil. “O procedimento brasileiro é um dos mais restritivos do mundo. A segurança do processo continua garantida, sendo que agora com menos dificuldades para os pais”, acrescenta. Nos próximos dias a Polícia Federal vai disponibilizar em seu site na internet (www.pf.gov.br) o novo manual com o formulário padrão para a emissão das autorizações. O manual adaptado à Resolução 131 ficará disponível no link “viagens ao exterior”.    

 

O que muda na resolução anterior era necessário a presença de um tabelião para autenticar, agora basta reconhecer firma que a criança já terá autorização para viajar.

 

Segundo o CNJ, com as antigas regras, houve aumento do número de pedidos de autorização judicial paraembarquede crianças e adolescentes. Em julho de 2008, a Vara da Infância e Juventude do aeroporto internacionalde Guarulhos, em São Paulo, recebeu 34 pedidos de autorização. Em julho de 2009, esse número saltou para 278.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jose Alexandre Dos Santos) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados