JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

o exame da ordem e o candidato


Autoria:

Lucio Correa Cassilla


Advogado graduado pela PUC/MG com mobilidade na Universidade de Coimbra, especialista em Ciências Criminais, doutorando em Direito pela UMSA/Argentina e Pedagogo. Sócio do escritório CRC Sociedade de Advogados. www.crcadv.com.br

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

A PROPRIEDADE E O DIREITO
Direito Civil

O fiscal do exame da OAB
Desenvolvimento Pessoal

CURA DO CÂNCER OU ESPERANÇA?
Outros

HOMENAGEM AOS DEFICIENTES COM SINDROME DE DOWN
Desenvolvimento Pessoal

DIREITO DA IMAGINAÇÃO
Desenvolvimento Profissional

Mais artigos...

Resumo:

perfil dos candidatos ao exame da ordem e a importancia deste exame na carreira de advogado

Texto enviado ao JurisWay em 05/12/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A prova da OAB e seus candidatos Via de regra, candidatos do exame da ordem dos advogados são de dois tipos: aqueles que se mataram de estudar e aqueles que nem abriram o livro. Os que se mataram de estudar se subdividem entre os que vão passar agora e os que passarão na próxima prova. Passar na próxima pode ser: ou por falta de sorte, já que a matéria a ser estudada é imensa em quantidade, nunca se sabe tudo de tudo e as questões da prova versavam exatamente sobre temas que o estudioso não dominava ainda; ou, apesar de ter conhecimentos necessários, não soube administrar tempo, nervosismo ou os dois. A falta de sorte pode ser por dificuldades extrínsecas. O candidato pode ficar com aquela dor de barriga, logo após o início do exame. Infelizmente, não dá pra levar a prova ao banheiro. Tem aqueles que se mataram de estudar, mas fazem questão de dizer a todos que não estudaram nada. Essa atitude ajuda a aliviar a responsabilidade social e familiar, caso dê azar no exame. De qualquer forma, a prova é difícil realmente, mas a divisão dos que se mataram de estudar cedo ou breve lograrão êxito. O curioso na categoria dos que nem abriram o livro, fica por conta daqueles que, mesmo assim, passam na prova. Ou são daqueles seres iluminados - não conheço nenhum - ou tiraram muito proveito do curso de Direito que faziam. Boa instituição de ensino, aluno autodidata, convívio familiar ou profissional intenso e adequado na área jurídica, são fortes fatores que, certamente, precisam ser somados para esse tipo de sucesso (passar na prova sem se matar de estudar). O exame da OAB realmente é difícil, tem uma série de falhas, mas não é impossível. Exige do candidato a advogado muito menos do que exigirá o cliente que o procurará para a defesa de seus interesses. A vida profissional do advogado atuante cobra preparo e conhecimento deste muito mais intenso que o exame espera dos candidatos. Quem questiona a validade do exame da ordem é porque não conhece o esforço diário que o bom advogado desfere em ampliar, aprofundar seus conhecimentos. A carteira da sala de prova só tem um lado. É o candidato contra si mesmo. Entretanto, nas discussões judiciais, há vários interesses, sendo defendidos por diferentes profissionais; há um juiz que deverá optar por apenas uma das teses; há clientes para dar satisfação; há despesas a serem quitadas; há dificuldades diversas a serem ultrapassadas e, principalmente, há reconhecimento profissional a ser alcançado. O exame da OAB não é a maior barreira a ser transponida por quem opta pela carreira jurídica de advogado é apenas uma destas barreiras, um importante momento que dá ao bacharel noção do que virá pela frente. Estudar sempre será um fardo, ou uma benção que o profissional do direito carregará com sigo. Minha sugestão para quem optou pelas ciências jurídicas é: mate-se de estudar, antes da prova e depois desta. Lúcio Corrêa CASSILLA Pedagogo e Advogado cassilla@uol.com.br
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Lucio Correa Cassilla) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Antonio (25/06/2013 às 22:06:48) IP: 186.227.50.34
É justamente por isso que não há necessidade da prova para advogar, entendo que um estágio de aproximadamente 18 a 24 meses mediante avaliações de profissionais da área bastaria, como é feito na medicina. já dizia um professor meu do ensino médio: a prova não prova nada.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados