JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DEVIR DOS DIREITOS HUMANOS II


Autoria:

Sérgio Luiz Da Silva De Abreu


Advogado, Graduação - UFRJ, Mestre em Ciências Jurídicas- PUC-Rio, Especialista em Advocacia Trabalhista - OAB/UFRJ, e em Direito Processual Civil - UNESA, Membro Efetivo do IAB, Associação dos Constitucionalistas Democratas, Prêmio Jubileu de Roma.

Endereço: R. Cel.josé Justino , 229
Bairro: Centro

São Lourenço - MG
37470-000


envie um e-mail para este autor

Resumo:

O artigo dá continuidade ao Devir dos Direitos Humanos do Pós-Guerra. O legado do grande conflito e sua influência determinante na produção do direito internacional dos direitos humanos.

Texto enviado ao JurisWay em 02/11/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DEVIR DOS DIREITOS HUMANOS II

 

A primeira Grande Guerra Mundial eclodiu em função de uma série de questões internacionais de ordem político-econômicas enraizadas em processos históricos que foram sendo sedimentados num contexto cuja superação das contradições não foi possível no plano diplomático resultando desse impasse a deflagração do primeiro conflito armado de dimensões internacionais.

 

O que adveio desse nebuloso período entre guerras foram regimes autoritários disseminados na Europa protagonizados pelo nazi-fascismo que fez metástase em outros continentes. Artistas e Intelectuais denunciaram a Hidra e lutavam contra a letargia daqueles que mal tinham acordado do pesadelo da primeira grande guerra mundial. Naquele tempo, a violação dos direitos humanos, a negação do direito a diferença, a censura, a intolerância religiosa, a discriminação racial, a intolerância ideológica foram os nutrientes de um programa que enfatizava o individualismo e a indiferença, o desprezo ao outro. Tudo estava centrado na eleição do inimigo responsável por todas as questões, principalmente as de ordem econômica que aprofundavam a crise social, especialmente na Alemanha e na Itália. A síntese de um dos aspectos do nazi-fascismo era a perspectiva ególatra de vida muito bem traduzida nessa passagem onde Jean-Baptiste Clamence , personagem central do livro “A Queda” Albert Camus: “Nunca me lembrei senão de mim mesmo” ... “Nunca me preocupei com os grandes problemas”... “Eu vivia intensamente e num livre abandono à felicidade”.  

 

Para compreender o lastro principiológico que orientou toda a nova gramática dos direitos humanos a partir da Segunda Grande Guerra Mundial, é imprescindível a leitura atenta aos termos do Preâmbulo da Carta das Nações Unidas.

É de fundamental importância para que se possa aquinhoar da melhor hermenêutica dos Direitos Humanos cotejo dos Preâmbulos tanto da Carta das Nações Unidas quanto da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

 

Toda a produção do arsenal jurídico internacional dos direitos humanos do pós-guerra está irradiada nos princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A Arquitetura Internacional dos Direitos Humanos enfeixa um conjunto de normas internacionais responsáveis pelo adensamento da cultura dos direitos humanos. Enfim, o Estado não poderia mais arrefecer as demandas da sociedade civil, que após a trágica experiência dos conflitos internacionais estava convencida da necessidade imperiosa de estabelecer o parâmetro inegociável da dignidade da pessoa humana e que tal princípio fundante dos direitos humanos  não fosse negligenciado em favor de nenhum outro.

 


 

Os percalços alcançados pelo debate jurídico-político produziram um rico diálogo entre as diversas áreas do pensamento ocupadas com a epistemológia dos direitos humanos. A perspectiva do positivismo normativista de Hans Kelsen não é suficiente para comportar a dimensão ontológica e deontológica dos direitos humanos. Outras perspectivas pertencentes a diversas escolas de pensamento construíram um espaço para crítica-reflexiva acerca dos direitos da pessoa humana.

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sérgio Luiz Da Silva De Abreu) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Eliseu (11/11/2011 às 14:40:07) IP: 189.32.245.34
Olá.

Boa matéria.
Só acho incrivel que em pleno Séc.XXI algumas pessoas
Sejam privadas desse direito fundamental.
E sejam torturadas fisica e psicologicamente por seus algozes....sem nenhuma chance de defesa....

Eliseu Rosa.

Sorocaba-SP.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados