JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Dispositivos constitucionais relativos à tortura


Autoria:

Antonio Matos De Souza Júnior


Advogado e Jornalista, MBA em Marketing e especialista em Etiqueta Empresarial.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

UTILIZAÇÃO DAS TÉCNICAS E TECNOLOGIAS NÃO-LETAIS NA ATUAÇÃO DAS FORÇAS DE SEGURANÇA COM ÊNFASE NA ATUAÇÃO PENITENCIÁRIA.

CONVENÇÃO 176 da OIT SOBRE SEGURANÇA E SAÚDE NAS MINAS

A ÉTICA COMO COMPROMISSO SOCIAL, POLÍTICO E OS PROBLEMAS COMUNITÁRIOS CONTEMPORÂNEOS BRASILEIROS.

A preocupante violência à mulher e sua proteção

REBELIÕES NO SISTEMA PENITENCIÁRIO: FRACASSO DO PAPEL DO ESTADO?

inclusão Educacional/Social dois indivíduos com Transtorno do Espectro Autista

Pontos e aspectos relevantes sobre os direitos humanos

União homoafetiva: iniciada uma nova odisseia a caminho do respeito e da pluralidade

Insistente violência contra as mulheres na sociedade.

A psicologia e o preconceito a luz do Direito, a síntese de uma sociedade sem respeito ao ser humano

Mais artigos da área...

Resumo:

A história do Brasil demonstra que a vedação da tortura não recebeu a devida importância nas diversas Constituições. Essa omissão foi corrigida com a CF/88, que inseriu dispositivo expresso assegurando a punição a quem cometer práticas de tortura.

Texto enviado ao JurisWay em 15/04/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A Constituição Federal, em seu art. 5º, XLIII, determina que a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tortura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como hediondos (...).O crime de tortura foi tipificado na Lei 9.455/97, que restringe o conceito amplo traçado pelo legislador, inserindo elementos subjetivos ou de caráter normativo.

No art. 1º, I, a lei classifica a tortura como punível somente:

a-) quando empregada para obter confissão ou declaração da vítima ou de terceira pessoa;

b-)para induzir a vítima a práticas criminosas;

c-) por razões discriminatórias em relação a grupos minoritários, restritos esses a conotações de racismo e religião.

Capítulo não tão recente de nossa história, no entanto, não menos importante dadas as gravosas consequências a um número incontável de pessoas e seus familiares, a Ditadura Militar, que regeu o cenário político brasileiro até meados da década de 80, foi responsabilizada por promover atos de tortura e outros crimes assemelhados a agentes políticos, dissidentes e outros sem motivo aparente (como se a tortura pudesse se escusar em virtude de alguma motivação).

O profº Pedro Lenza aborda com maestria o conflito causado pela Lei de Anistia, a ADPF 153 e a decisão da “Corte Interamericana de Direitos Humanos”, que imputou ao Brasil a responsabilidade pelo desaparecimento forçado de 62 pessoas, ocorrido entre os anos de 1972 e 1974, na região do Araguaia (MT).

O art. 1º da Lei 6.683/79 (Lei de Anistia) concedeu anistia a todos quantos, no período compreendido entre 02.09.61 e 15.08.79, cometeram crimes políticos ou conexos com estes, crimes eleitorais, aos que tiveram seus direitos políticos suspensos e aos servidores da Administração Pública Direta e Indireta, de fundações vinculadas ao poder público, aos Servidores dos Poderes Legislativo e Judiciário, aos Militares e aos dirigentes e representantes sindicais, punidos com fundamento em Atos Institucionais e Complementares.

Diante dessa situação, o Conselho Federal da OAB interpôs a ADPF nº 153, buscando a anulação, pela Suprema Corte, do perdão dado pela Lei da Anistia aos representantes do Estado (policiais e militares) acusados da prática de atos de tortura durante o regime militar.

O STF, por maioria, rejeitou o pedido de revisão, sob a justificativa de que a “Lei da Anistia veicula uma decisão política assumida naquele momento – o momento da transição conciliada de 1979. A Lei 6.683 é uma lei-medida, não uma regra para o futuro, dotada de abstração e generalidade. Há de ser interpretada a partir da realidade no momento em que foi conquistada”.

Corroborando o entendimento da Suprema Corte, por ser anterior ao preceito veiculado pelo artigo 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal; à Lei 9.455/97, que define o crime de tortura; e também à Convenção das Nações Unidas contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, adotada pela Assembleia Geral da ONU em 10.12.84 e vigorando desde 26.06.87, a Lei 6.683/79 não alcança, por impossibilidade lógica, anistias consumadas anteriormente à sua vigência. E a Constituição Federal não afeta leis-medidas que a tenham precedido.

Com respeito aos desaparecimentos imputados ao Brasil na região do Araguaia, entre 1972 e 1974, a Corte Interamericana de Direitos Humanos concluiu que a Lei de Anistia, ao impedir investigações, negar acesso a arquivos e não prever sanções às violações de direitos humanos, torna-se incompatível com as obrigações internacionais assumidas pelo Brasil perante a Convenção Americana sobre Direitos Humanos.

Estamos diante de um embate: de um lado, a decisão da STF que manteve a Lei da Anistia, e, do outro, a condenação do Brasil perante a Corte Interamericana, declarando a referida lei incompatível com as obrigações internacionais assumidas pelo Brasil. Não há dúvida de que, muito embora a decisão não anule a da jurisdição nacional, o Brasil vai sofrer as consequências no plano internacional, sujeitando-se às sanções previstas na Convenção.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Antonio Matos De Souza Júnior) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados