JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A LENDA DO "SUPER-ADVOGADO"


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

A LENDA DO "SUPER-ADVOGADO"

Texto enviado ao JurisWay em 30/10/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A LENDA DO “SUPER-ADVOGADO”

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

 

Certa vez, ouvi dizer que o Defensor Público seria um “super-advogado”. Ou, não poderia se tornar um. Coisa parecida.

 

Mas, quem disse isso, esqueceu-se de dizer dos “super-oprimidos”, dos “super-marginalizados”, dos “super-esquecidos”, dos “super-desgraçados-de-tudo”.

 

Para o oprimido, o marginalizado, o esquecido e o desgraçado, tudo, também, é “super”.

 

Prefixo latino tão lindo, exprimindo a noção de posição superior, excesso, proeminência, no caso destes o mérito é inglório.

 

Sobressair-se na fome, na sede, no medo, no desespero, na desesperança, no abandono, é a triste vida dessa gente, que, de “super”, é mais o paradoxo, a diferença, a desconformidade.

 

Tudo, para o errante e o desenganado, o pobre, é mais difícil. Viver é mais difícil, manter-se vivo já pode ser considerada uma vitória. Sorrir, talvez um milagre.

 

Ainda assim, lutar por essa gente, representar essa gente sofrida no deserto, para alguns, seria uma tarefa mediana, comum, a dispensar o elmo, a espada e o cavalo.

 

Sob a utopia do paraíso terrestre e da bondade de príncipes e suseranos, caberia ao pobre esperar despreocupada e naturalmente a chegada de sua vez. O mal teria sido derrotado por si mesmo.

 

Mas a vez do pobre não chega.

 

O que teria acontecido aos príncipes e suseranos e à promessa de dias melhores?

 

Teria sido a incúria do pobre em não saber vindicar seus anseios?

 

E como se suplica dignidade? Como se pede para, pelo menos, aparentar estar vivo? Se sentir vivo? Ser notado como pessoa humana ao andar pelas ruas?

 

Realmente, assim, muitos não precisam de um “super-advogado”. Precisam é da extrema-unção.

 

Mas, e aqueles que agonizam e, ainda assim, não desistiram de viver? E aqueles que encaram a vida como um desafio, matando um leão por dia, e que acreditam nos agentes do Estado e na sua Justiça institucionalizada?

 

Para estes últimos a busca pela dignidade seria uma inconveniente teimosia?

 

E para aqueles primeiros, os moribundos, a profilaxia estatal seria deixá-los a própria sorte?

 

Para que um “super-advogado” para todo esse povo inoportuno?

 

Há tantos restos nos lixões, tantas marquises para dormir, tantos papelões para se cobrir, tantas fossas para - ao mesmo tempo - beber e se lavar...

 

Quanta fartura...

 

O que essa gente pode querer mais?

 

Dignidade e subsistência, agora, fazem parte da grade de Biologia, dentro do ramo da genética.

 

Não deveria a Defensoria Pública se preocupar com o combinado entre poucos.

 

Afinal, o combinado é o combinado. O distrato, regra universal de direito civil, deve ser feito entre as altas partes do negócio entabulado.

 

Por que a Defensoria Pública, esses Defensores Públicos, teimam em querer mudar o ajustado pelos príncipes e suseranos?

 

Ainda bem que esses Defensores Públicos não têm asas nem cetros. Que ousadia seria dividir nosso vinho e nossos assados com os desenganados. Exclamam os nobres sobressaltados.

 

Não deixem que se tornem fortes, estes Defensores Públicos, escondam nosso tesouro e não dividam nada, bradam os velhos endinheirados e afortunados.

 

Ao pobre, a super-ilusão. Apenas. Basta!

 

Se Herodes vivesse hoje, talvez dissesse: “matem todos os Defensores Públicos até os setenta anos”.

 

“Lembrem-se do combinado”. De Tordesilhas até hoje tem sido assim.

 

Cortem-lhes legitimidades, recuem seus orçamentos, fragilizem seus pilares.

 

Fechem a corte aos pobres!

 

“Super-advogado”, para quem?

_____________   

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

  

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados