JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Novo CPC otimizará a atividade de Defensores Públicos (Art. 186, §2º)


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Novo CPC otimizará a atividade de Defensores Públicos (Art. 186, §2º)

Texto enviado ao JurisWay em 31/03/2015.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Novo CPC otimizará a atividade de Defensores Públicos (Art. 186, §2º)

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Apesar de o vigente Código de Processo Civil de 1973 dispor que a petição inicial será instruída com os documentos indispensáveis à propositura da ação, não é nada raro no dia-a-dia forense de Defensores Públicos ser intimado daquele despacho judicial que lhes determina a juntada de outro documento ou outra prova que, dentro do subjetivismo do Juiz, seria necessária para a formação de seu convencimento ou impulso oficial do processo, malgrado sua prescindibilidade legal.

 

Para o Defensor Público que lida diariamente com uma grande massa de assistidos, intenso ritmo de audiências e volumosa análise de processos judiciais em todos os graus, a exigência judicial da juntada de determinado documento ou prova não obrigatórios pela legislação de regência atinge diretamente a eficiência de sua dinâmica de trabalho.

 

Com a ainda deficiência das carreiras de apoio e atividades-meio das Defensorias Públicas em muitos Estados, o cumprimento da determinação judicial de emenda da petição inicial ou tomada de providência da parte, para o Defensor Público traduz-se muitas vezes em perturbador atropelo ao desenvolvimento de sua sagrada atividade de promover o acesso de multidões à Justiça. Não raras vezes, quando existe grande dificuldade por parte do Defensor Público de contactar a parte, o despacho judicial fica desatendido, culminando na extinção prematura do processo.

 

Talvez esta seja uma das maiores dores e lamentações dos Defensores Públicos: assistir à precoce extinção do processo sem julgamento de seu mérito em razão de não dispor de meios ou instrumentos humanos e físicos para atendimento de um despacho judicial. Que, muitas vezes, resume-se na juntada da xerox de uma certidão de nascimento ou documento de identidade de terceiro, mas que em razão da aflitiva problemática das carreiras de apoio em muitos núcleos da Defensoria Pública torna ocasionalmente inatendível a determinação judicial.

 

Colocando definitivamente fim a esta dificuldade vivenciada por muitos Defensores Públicos do País, o Novo Código de Processo Civil de 2015 preconiza:

 

“Art. 186. (...)

 

(...)

 

§2º A requerimento da Defensoria Pública, o juiz determinará a intimação pessoal da parte patrocinada quando o ato processual depender de providência ou informação que somente por ela possa ser realizada ou prestada”.

 

Como se vê, otimizando o trabalho de Defensores Públicos, o Juiz será obrigado a determinar através de Oficial de Justiça (“intimação pessoal”, ex vi legis) a intimação da parte assistida pela Defensoria Pública para atender aos despachos e decisões interlocutórias que exijam da parte o cumprimento de qualquer providencia no processo. Não se trata de um favor, mas, sim, de um dever do Juiz, para tornar efetivo o acesso à Justiça de milhões e milhões de brasileiros.

 

Bom seria, naturalmente, que os orçamentos de todas as Defensorias Públicas dos Estados dispensassem tal iniciativa legal. Mas não é o que ainda acontece na realidade. Muitos Defensores Públicos não contam com o auxílio de carreiras de apoio, muito menos com um Assessor Jurídico para melhor desenvolvimento de suas atividades. Lembro-me bem que até poucos anos atrás não possuía sequer uma impressora no meu expediente.

 

Espera-se muito a boa vontade e iniciativa de Governadores dos Estados e das Assembleias Legislativas para reverter essa dramática situação que atinge diretamente o cidadão carente de recursos e que necessita dos serviços da Defensoria Pública para reivindicar seus direitos fundamentais. Enquanto isso, o Art. 186, §2º, do NCPC/2015 é muito bem-vindo!

 

______________________

 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados