JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

POLÍTICAS PÚBLICAS


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O AGRAVAMENTO DA PENA POR REINCIDENCIA NA JURISPRUDÊNCIA DA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS E DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL BRASILEIRO

REDUÇÃO E PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO ESPÍRITO SANTO ESTÃO CONDICIONADAS AO FORTALECIMENTO DA DEFENSORIA PÚBLICA

"Discurso sobre a Servidão Voluntária"(Uma percepção do texto de Etienne de La Boétie)

POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS SOCIAIS - PUBLIC POLICIES AND SOCIAL RIGHTS

A evolução dos direitos humanos e o processo cautelar civel

CRONOLOGIA DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NA HISTÓRIA UNIVERSAL À DEFENSORIA PÚBLICA BRASILEIRA EM EXCERTOS

Pontos e aspectos relevantes sobre os direitos humanos

Do preço e da dor

República Federativa do Maranhão

Nova Lei de Garantia de Direitos da Criança Vítima de Violência

Mais artigos da área...

Resumo:

POLÍTICAS PÚBLICAS

Texto enviado ao JurisWay em 15/08/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

POLÍTICAS PÚBLICAS

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Uma triste notícia ao leigo: a lei não muda a vida de uma Nação em nada, absolutamente nada.

 

E, ainda pior, pobre e desgraçado de um País que espera delas um futuro melhor.

 

Um velho provérbio alemão dizia:

 

“Quanto mais leis, menos justiça".

 

E há muito tempo o romano Tácito proclamava:

 

“Quanto mais corrupta é a República, maior é o número de leis”.

 

Do alto de sua sabedoria divina e inconteste, conta o Livro do Êxodo que o Criador deu apenas dez mandamentos, através de Moisés, ao seu povo eleito, sem parágrafos, incisos ou alíneas.

 

O Nazareno, após justificar que não veio abolir as leis e os profetas, deixou apenas uma única e bela lição:

 

"Amai o vosso próximo como a vós mesmos".

 

Teria o lendário poeta épico da Grécia antiga Homero pensado na elaboração de uma lei ou de um código para instigar seu personagem Ulisses a vencer as mil estratagemas que tanto vagueou, para reencontrar seu amor Penélope em Ítaca?

 

De Palos ao Novo Mundo, seriam leis que moveram Santa Maria, Pinta e Niña e seu Almirante Colombo, sobre o tenebroso Atlântico?

 

A Batalha de Stalingrado fora vencida por milhões de soldados e civis russos, com dois milhões de mortos, em nome de uma lei?

 

O criminoso não teme a lei, teme ser pego, teme pagar pelo seu erro.

 

Fizeram uma lei para a criança, para o idoso, para o negro, para a mulher, para o consumidor, para o índio, entre outras tantas.

 

Cadê o respeito a essa gente?

 

A única Constituição dos Estados Unidos da América de 1787 têm apenas sete artigos e, de lá para cá, recebeu vinte e sete emendas.

 

A nossa oitiva Constituição brasileira, até 23:56 horas de hoje, já possui 67 emendas. É um verdadeiro periódico.

 

Um pai cria, educa e corrige moderadamente seu filho, desde pequeno, para se tornar um grande homem, um vencedor imaculado.

 

Basta um mero olhar de soslaio e a criança obedece ao seu pai. Dentro de casa não existem leis escritas ou manuais. Existe afeto, atenção e educação. Nada de leis. E a coisa funciona.

 

O Estado também é um pai. Bom, deveria ser.

 

Um País deve educar seus cidadãos.

 

São as políticas públicas o instrumento de preparação e preservação da paz e dos bons costumes de um País.

 

Ora, o estuprador, o assaltante, o sonegador, ou o servidor corrupto na sua empreitada ou vida criminosa não consulta previamente o Código Penal para perpetrar seus crimes, não elege praticar o delito menos apenado. Nem se preocupa com as agravantes e causas de aumento do delito. Tanto faz.

 

Sequer como passatempo o larápio consulta a lei penal.

 

O fora-da-lei tem um quê de megalomania, de narcisismo, de egocentrismo ou é mimado. Ele foi criado assim ou não foi criado de jeito nenhum, e a lei não tem o poder místico ou psicológico de lhe transformar. Muitos se sentem um “injustiçado” no xadrez.

 

E é assim que funciona na ausência de políticas públicas, na omissão estatal e na negligência familiar.

 

Não damos o lugar ao idoso e à gestante no ônibus por causa do artigo tal. Nem ajudamos um cego a atravessar a faixa de pedestres devido àquela lei.

 

A educação, em seu sentido amplo, é o princípio e o fim de tudo, a bem de todos!

 

Não se deixem impressionar pela turba furiosa, pelos noticiários policialescos que voltam à TV.

 

A função jurisdicional, lamento, é classificada como substitutiva. Isto quer dizer que vocês jamais verão um juiz de direito montado num cavalo branco ou num jet-sky ao encalço de um bando de ladrões ou de uma organização criminosa, para libertar o mundo do mal, como um Indiana Jones ou 007.

 

O juiz julga a infração à lei, condena ou absolve o acusado. Tudo isso, e tão-somente isto! É a prolação da sentença a obra-prima judiciária.

 

Quem faz políticas públicas é o Poder Executivo.

 

O papel da família também é sublime, de vital importância.

 

Critica-se muito a Lei Maria da Penha, sua eficácia. Ora, mas o que é a família e o ambiente doméstico nos tempos atuais? Conheço mães e pais que não sabem a data de nascimento do filho ou o seu nome completo.

 

Essa mesma Lei Maria da Penha é recheada de comandos aonde se preconiza a instalação de múltiplas e variadas políticas públicas para a família. Você sabe dizer uma? Dizer que quem bate em mulher vai prá cadeia não é política pública. É crime, que será merecida e certamente punido, na medida de sua gravidade.

 

Políticas públicas e atenção familiar é prevenir o mal, é evitar a deflagração da atividade jurisdicional do Estado.

 

Muito se discutia e se apregoava na doutrina o caráter preventivo da pena criminal, do encarceramento, no sentido de se desestimular os membros da sociedade a delinqüir.

 

Essa tese ficou velha e solteira, virou titia há anos. Hoje, mais se aproxima de uma escusa ou pretexto do Poder Público para lavar as suas mãos. Com duzentos milhões de habitantes e quase dez milhões de quilômetros quadrados certamente alguém que jamais conheceremos será preso por aí, e em nosso imaginário por razões bem distantes de nossas vidas ou de nosso modo de ser.

 

O imprudente ou assassino que dirige a 200 km/h numa via pública perto de uma escola não guarda o Código de Trânsito no porta-luvas, nem o consultou antes de sair de casa. Educação para o trânsito deve começar desde a pré-escola, desde o pequeno velocípede.

 

A certeza da punição, como dito, também é muito servil à Nação. A certeza e não a gravidade da mesma. A severidade da pena deve ser proporcional à espécie de delito praticado. Mas durante a execução penal deve haver política pública voltada para a massa de presos, para ressocializá-los. Ver o sol nascer quadrado durante vinte anos não muda ninguém. É preciso assistência estatal para resgatar o condenado.   

 

Uma polícia civil e militar presente e ostensiva, um Poder Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública com orçamentos suficientes e condignos, também é uma forma de se consagrar a aplicação da lei no País, de fazê-la funcionar. Mas isso não é lei tornar as leis mais severas ou graves, é política pública!

 

“Políticas públicas”, memorizem essas duas palavras. É a salvação de nosso País. Mas a família deve fazer sua parte, senão a coisa não anda.

 

_______  

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

  

 

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

  

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2024. JurisWay - Todos os direitos reservados