JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

CFMV NÃO PODE PROIBIR CAUDECTOMIA


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

CFMV NÃO PODE PROIBIR CAUDECTOMIA

Texto enviado ao JurisWay em 11/11/2014.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

CFMV não pode proibir caudectomia

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

O Conselho Federal de Medicina Veterinária – CFMV, arrimado no disposto na alínea “f” do Art. 16 da Lei nº 5.517/68, editou a Resolução nº 1.027, de 10 de Maio de 2013, proibindo em território nacional a prática da caudectomia que, em linhas gerais, consiste no corte da cauda de caninos.

 

Acontece que mencionado Art. 16, alínea “f”, da Lei nº 5.517/68 não confere competência normativa ao CFMV para proibir a realização de qualquer prática médico-veterinária. De modo genérico, dita alínea limita-se a atribuir ao CFMV atribuição para expedir resoluções que se tornem necessárias à “fiel interpretação e execução” daquela lei, limitadas, em síntese, à fiscalização do desempenho ético da medicina-veterinária.

 

O CFMV ao vedar a caudectomia, através de resolução, invade competência para legislar, reservada constitucionalmente à União e Estados. O CFMV pode, via resolução, regular matérias atinentes à área médica e disciplinar critérios técnicos e morais da medicina-veterinária. Mas não pode substituir o Congresso Nacional e as Assembleias Legislativas no que diga respeito à restrição do exercício da profissão. Aí, o veículo normativo deve ser a lei em seu sentido formal e estrito.

 

Nossa Constituição Federal é clara: “Art. 5º (...) II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; (...) XIII - é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer”.

 

Assim, a inconstitucionalidade formal da Resolução nº 1.027/2013 do CFMV é eloquente quando, desprezando a participação popular e dos setores envolvidos, ignora o processo legislativo pré-estabelecido e as regras de competência legiferante dos Entes Federativos previstas na Constituição em vigor.

 

O acerto ou desacerto da caudectomia, sob a perspectiva médico-veterinária, se há ou não a causação de maus-tratos ao animal, se a proibição pode ou não vir a aumentar a clandestinidade da realização dessa operação por parte de certos criadores ou donos de canis, a possibilidade da caudectomia em determinados casos ou sua vedação integral, entre outras inúmeras questões ligadas ao tema deve ser rapidamente enfrentada pelo Congresso Nacional e Assembléias Legislativas, com a participação de todos os setores da medicina-veterinária e sociedade civil, designando-se audiências públicas.

 

Nossa jovem democracia finalmente desperta para a proteção da fauna silvestre e doméstica. Nossas Casas Legislativas deverão se acostumar a debater e legislar no interesse da causa animal, como já acontece nas Nações mais desenvolvidas do planeta. O Brasil deve compor a elite de Países comprometidos com a defesa dos animais. Caminhamos a passos largos. Nesta última eleição geral candidatos e eleitos ao Parlamento e mesmo ao Executivo puderam sentir o poder do voto dos protetores e simpatizantes da causa animal.

 

Chegaremos lá!!!

 

___________________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados