JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Amanhã pode ser tarde.


Autoria:

Sabrina Rodrigues


Advogada, graduada em Direito pela PUC-MG, pós-graduada em Direito Civil pela Fundação Getúlio Vargas.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 14/03/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A vida, maior presente dado ao ser humano, é uma fonte inesgotável de emoções.

 

A cada dia experimentamos novas sensações. Boas ou ruins, essas impressões são singulares e distintas. E esteja certo de uma única coisa: elas não se repetem jamais.

 

Tudo, absolutamente tudo passa. Nem mesmo a mais intensa alegria ou a mais profunda tristeza serão permanentes.

 

O tempo todo, tudo muda, às vezes, radicalmente, outras vezes, nem tanto, e mesmo assim, independente disso, a história segue seu curso.

 

E dessa forma a vida vai se desenhando como numa imensa tela de pintura.

 

Talvez um dia, seremos expectadores de nós mesmos, e assim poderemos constatar, com uma nitidez que não é possível agora, tudo o que pudemos acrescentar aos diversos cenários criados diante de nós.

 

Será que demos à “tela da nossa vida” o colorido apropriado?

 

Será que vivemos intensamente todos os minutos concedidos a nós?

 

Será que fizemos de nossa existência uma história que valha a pena ser contada?

 

Será que sentimos e experimentamos tudo que nos era permitido?

 

Será que vivemos o amor em sua plenitude?

 

Os mais afortunados, desde o primeiro sopro de vida e principalmente após as primeiras lágrimas experimentam a mais sublime das sensações: o amor de seus genitores. Tal sentimento cuja razão não consegue mensurar é tão forte e tão profundo que instala dentro da alma; e certamente, marcará o curso de uma vida inteira.

 

Outros, não tão agraciados assim, talvez só conhecerão esse sentimento tempos depois, de outras fontes e origens.

 

Mas fato é que de uma forma ou de outra todos nós elegemos  companheiros de jornada, consangüíneos ou não, que ocuparão lugares absurdamente importantes em nossas vidas.

 

É o se chama de afinidade, algo que não se explica não se controla e não se acaba nunca, independente do que aconteça.

 

Mas a vida é tão engraçada...

 

Mesmo sabendo que determinadas pessoas são as coisas mais importantes do mundo, e que os momentos que vamos viver ao lado delas, serão os mais especiais de nossas vidas, muitas vezes deixamos o tempo passar sem que elas estejam ao nosso lado.

 

Afinal, no decorrer de nossa longa caminhada somos obrigados a fazer tantas escolhas.

 

Escolhemos tudo desde o momento em que abrimos aos olhos de manhã.

 

Escolhemos o que fazer, o que vestir, o que comer, onde ir, quem visitar, com quem estar, o que dizer, o que silenciar, o que demonstrar, o que sentir, tudo... Exclusivamente tudo depende de nossas escolhas.

 

Talvez seria mais fácil se essas escolhas fossem livres.

 

Muito embora acreditemos que sejamos livres para optar, na verdade, não somos. Em geral nossas escolhas são conduzidas, determinadas e até mesmo, delimitadas sem que ao menos tenhamos consciência disso.

 

Em cada escolha feita, haverá, implacavelmente, uma outra possibilidade perdida... Certamente restarão palavras por dizer, momentos não vividos, omissões, decepções e incertezas.

 

E naquele exato momento em que escolhemos isto por aquilo, o tempo nos rouba as alternativas. Tudo sempre foi e sempre será uma questão de tempo...

 

E o tempo, às vezes inimigo implacável do ser humano, se esvai de forma cruel e silenciosa. E de repente, quando percebemos, ele terá levado consigo aquelas coisas mais importantes de nossas vidas: nossos companheiros de jornada, as pessoas que amamos.

 

E nesta hora, tudo que era tão rápido, tão urgente, tão importante, deixa de fazer qualquer sentido.

 

Não há forças para seguir em frente, nem ânimo para continuar... De repente abre-se aos nossos pés um enorme vazio, capaz de engolir nossa própria consciência. Como prosseguir?

 

Perdemos a fé em nós mesmos, e temos a nítida certeza de que o fim está próximo.

 

E agora, ironicamente, acredite: só restará o tempo!

 

Tempo para chorar, tempo para assimilar, tempo para sentir, tempo para pensar, tempo para refletir, tempo para desesperar, tempo para acostumar, tempo para cicatrizar... Enfim: tempo para reaprender a viver diante de uma realidade tão difícil de encarar...

 

E sem dó ou piedade, o tempo continuará passando... passando...

 

O mais curioso de tudo isso é que conseguiremos sobreviver. Sempre foi assim.

 

E por mais incrível que pareça, o tempo terá cumprido sua missão: acalmará a dor... E no lugar dela permanecerá uma imensa saudade, menos desesperada, menos angustiante, menos aflitiva, mais racional.

 

E daqui há pouco tempo nossas vontades, nossas aspirações, nossos desejos, nossas emoções, nossos sonhos e até nossos momentos presentes farão parte do passado... Também é só uma questão de tempo...

 

Seja como for, a única coisa que devemos realmente nos preocupar é viver plenamente a beleza desta vida.

 

Os bons momentos que vivenciamos ao lado daqueles que amamos farão parte de um grande acervo como numa imensa biblioteca; mas com uma notável diferença: o dono da biblioteca só organiza o seu conteúdo; muitas vezes, nem conhece todas as suas obras; já o dono do “acervo da vida” além de profundo conhecedor de cada um dos itens catalogados, já vivenciou cada momento, experimentou cada sensação; e quando quiser, poderá reutilizar todos os dados arquivados.

 

Recordar é a única maneira de voltar no tempo, e ter uma nova chance de viver de novo momentos que já não podem se repetir. É única forma de reencontrar aquelas pessoas tão importantes e tão especiais que já não estão mais conosco.

 

Nossas lembranças são capazes de enganar o tempo, criando uma esfera de eternidade, um limite estreito, mas que é só nosso, que se localiza entre a mente e a realidade. Neste pequeno domínio o tempo perde o seu poder, não é capaz de alcançar.

 

As recordações realmente significativas, nem mesmo a enfermidade consegue exterminar. Certamente elas são eternas.

 

Felizes daqueles que conseguem chegar ao fim da vida com um imenso banco de dados a recorrer, cheio de informações emocionantes. Se o saldo final for positivo, ou melhor, se os momentos de alegria superarem os momentos de tristeza, pode-se ter certeza, tudo valeu a pena!

 

Só seremos responsáveis pelo peso dos anos passados e suas conseqüências se eles tiverem transcorrido à nossa revelia...

 

O que realmente importa é chegar ao final de cada dia com o sentimento de dever cumprido para consigo mesmo, não deixando nada para amanhã.

 

Lute pelas batalhas realmente importantes, conquiste o que desejar, mas, nunca, em nenhuma hipótese, deixe de estar ao lado das pessoas que ama...

 

A maior de todas as dádivas, sem a menor sombra de dúvida, é saber viver plenamente, afastado de qualquer remorso ou culpa por uma vida que poderia ter sido diferente. E esteja atento para isso hoje, porque amanhã .... Amanhã pode ser tarde...

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sabrina Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Gian (26/03/2011 às 14:29:01) IP: 201.3.184.145
Sábias palavras. Com certeza absorvi muita coisa dessa bonita mensagem.
Muito obrigado, Sabrina Rodrigues!
2) Valdair (29/03/2011 às 18:46:00) IP: 187.27.123.197
É emocionalmente verdadeiro, nos toca profundamente, é um produto da alma para o artigo.
3) Paulo (30/03/2011 às 14:11:47) IP: 64.255.180.21
Parabéns Sabrina, este é o segundo texto seu, que tenho oportunidade de ler, e vejo, sempre muita coerência, e sabedoria neles, hoje em dia, neste mundo tão competitivo, que coloca o sucesso financeiro e profissional, como única maneira de alcançar-mos a felicidade. temos que ter uma visão muito mais ampla e profunda do que é realmente importante, que na minha modesta opinião são os valores humanos, amor, amizade, lealdade, honestidade
4) Humberto (04/04/2011 às 02:01:48) IP: 189.105.84.113
Significativamente, real, se aplicado dia a dia mudaria a vida de muitos dos habitantes deste planeta, e também faço meu o comentário de PAULO. Oportuno seria que fosse lido por muitos...muitos seriam mais felizes, parabéns.AMEI.
5) Filornete (04/05/2011 às 13:40:22) IP: 201.36.194.39
Que injeção de ânimo!!! Parabéns!
6) Flavio (05/05/2012 às 22:54:59) IP: 187.64.100.39
O texto da ilustre Doutora SABRINA RODRIGUES é excelente.É um texto para refletirmos profundamente.Quero dar os parabéns para a eminente advogada pelos escritos acima. QUE DEUS UNO E TRINO conceda sempre muita LUZ,SAÚDE E FELICIDADES PARA A DIGNA DOUTORA Sabrina Rodrigues. ( Flávio Franca de Freitas )
7) Osni (04/11/2014 às 13:33:09) IP: 179.234.223.115
Muito bom...! Muito bom...! Sábias palavras...! Saberes como esse é que nos faz sentimos mais humanos e nos orgulharmos de sermos homem sapiens. Obrigado.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados