JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Eu acredito no Brasil: é hora de reagir!


Autoria:

Sabrina Rodrigues


Advogada, graduada em Direito pela PUC-MG, pós-graduada em Direito Civil pela Fundação Getúlio Vargas.

envie um e-mail para este autor

Texto enviado ao JurisWay em 12/09/2007.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Todos os dias somos apanhados de surpresa por trágicas notícias de mortes geradas, sobretudo, pela violência, pela intolerância, pela intransigência, pela falta de respeito ao próximo e pela falta de humanidade.

 

Todos os dias são anunciados verdadeiros dramas, que ao invés de serem apenas obras de ficção imaginadas por autores de novelas, fazem parte da nossa realidade, e que, a cada dia estão mais próximos de nossas portas, de nossas famílias e de nossas vidas. São inúmeros pais, mães e filhos que são arrancados do seio familiar pela violência, instaurando um verdadeiro caos no país que é, paradoxalmente, conhecido como o país do futebol e do carnaval cujas pessoas são tidas como alegres e cordiais.

 

Todos os dias também assistimos perplexos aos escândalos de corrupção que, infelizmente, são denunciados pela mídia com grande freqüência. E o pior, todos os dias, constatamos: nada acontece! Todos sabem muito bem quem são os corruptos, o que eles fizeram e a lei não é cumprida. O Estado não pune esses bandidos. Tudo acaba em “pizza”, como se costumou dizer.

 

O Estado, que foi concebido para proteger e organizar a convivência humana, acabou se corrompendo, e a população ficou desguarnecida de qualquer forma de amparo. O povo não tem onde se apoiar, ficando à mercê da própria sorte, assistindo a destruição de seu país que teria recursos suficientes para que o Estado desempenhasse, com a devida eficiência, o seu papel, fornecendo à população melhores condições de vida, saúde, educação e cultura, conforme dispõe a própria Constituição da República Federativa do Brasil.

 

Mas infelizmente as normas constitucionais tornaram-se letra morta perante a realidade, que se impõe implacável aos olhos. Há um “sistema” que contribui para a violência, para a corrupção e para o “jeitinho brasileiro” já formado e consolidado no seio da sociedade; e ele ocupa todos os lugares, sem dar chances àqueles que entram para determinada instituição, e acreditam que podem fazer algo para se mudar o quadro que hoje nos deparamos. É assim o que vemos no cenário político e nas grandes corporações, que deveriam dar o exemplo à população, mas que de onde, infelizmente, são denunciados os maiores absurdos.

 

O sistema só trabalha para alimentar o próprio sistema, e pouco se importa com os malefícios trazidos para a sociedade. Se cada um conseguir tirar vantagem maior para si e para os seus, mais aperfeiçoado estará o sistema, que se renova e fortalece a cada dia, de geração a geração. E é nesse equilíbrio tão sensível e tão instável que se vive nos grandes centros metropolitanos.

 

O grande problema é que a pobreza, a falta de oportunidades, o desemprego e má distribuição de renda que se instaurou no Brasil contribui para que os fracos escolham o caminho mais fácil, onde se consegue dinheiro fácil por meio de atividades ilícitas, como por exemplo o tráfico de drogas, responsável pelas estatísticas de mortes que já conhecemos. As armas que são usadas em guerras em outros países, no Brasil, estão nas mãos dos traficantes e são utilizadas no crime organizado, contra a polícia e a contra a própria população.

 

Mas é um evidente equívoco acreditar que problema de tudo se resume nas favelas dominadas pelo tráfico de drogas. Um corrupto que teve todas as oportunidades na vida e teve condições de escolher o caminho a seguir nenhuma diferença tem para outro indivíduo pobre que nasceu na favela e acabou se tornando traficante, por falta de qualquer outra chance na vida. Em ambos os casos, esses dois personagens da vida real têm o mesmo grau de culpa pelo débito social vivenciado no Brasil atualmente.

 

Mas o mais curioso e assustador, nesses casos, é a reação da população, que parece ter perdido a capacidade de se indignar e de se revoltar com os fatos. O noticiário, sem a menor cerimônia, divulga diariamente, mortes, assaltos, golpes, corrupção e cada informação transforma-se apenas em mera estatística. Perdemos até mesmo a noção do valor da vida humana e não nos assustamos com mais nada. Apenas lamentamos, baixamos as cabeças, seguimos em frente e nada fazemos.

 

Não podemos deixar que “sistema” nos aprisione. É hora de dar um basta; aliás, já passou do momento da população reagir, e demonstrar, com a mesma paixão com que torcemos para a nossa seleção na Copa do Mundo, que queremos e podemos salvar o Brasil desta triste realidade com a qual nos deparamos.

 

A grande dificuldade é que o senso do que é certo e errado se tornou relativo, dependendo da conveniência, e assim, de uma forma ou de outra, todos acabam participando e fortalecendo o “sistema”.  Mesmo quando se trata de falsa carteirinha de estudante para ganhar descontos em cinemas, ou

falsos certificados de cursos de legislação de trânsito conseguidos em cada esquina, que a princípio, não causam maiores conseqüências sociais, estes atos prejudicam o funcionamento das instituições e mantém o “sistema”. Se cada um for conivente com estas práticas, estará se beneficiando do esquema e diminuindo a pequena chance do Brasil se livrar deste mal.

 

Como já estudado pela física, a cada ação corresponde uma reação igual e contrária; assim, a esperança está em cada um de nós, em nossos pequenos atos cotidianos, que de alguma forma visem destruir o “sistema”.

 

A população, que hoje assiste inerte as repercussões dos maiores absurdos, deveria fazer cumprir a lei, nem que para isso, sejam necessárias medidas mais radicais como movimentos organizados de toda a massa para derrubar e prender os corruptos existentes no Poder Legislativo, Executivo e Judiciário, para a resolução dos problemas aéreos, para um basta na violência e principalmente contra a impunidade, que dá aos que transgridem a lei, a certeza de que nunca serão pegos.

 

 Vamos sair do anonimato e nos manifestar enquanto ainda há tempo, e enquanto ainda há pessoas sérias que acreditam que é possível reverter a situação atual, pois daqui a pouco, o Brasil estará completamente contaminado, não restando sequer uma réstia de esperança para o futuro das próximas gerações.

 

Vamos trazer a paz de volta às nossas vidas, e lembrar de um tempo em que o respeito, a honestidade, a honra e a dignidade eram palavras que faziam parte do cotidiano de todas as pessoas, principalmente das grandes autoridades que representavam o povo, e tinham o dever de zelar pelo bem coletivo.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Sabrina Rodrigues) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados