JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A TUTELA ANTECIPADA E A CONSTITUIÇÃO


Autoria:

Loren Voigt Lara


Acadêmica de Direito do Unicuritiba

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Comentários à Súmula 443 do TST

A PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE, SOB A ÓTICA DO ART. 11-A, LEI 13.467/17 (REFORMA TRABALHISTA) E DAS SÚMULAS 327 (STF) E 114 (TST)

Fontes do Direito Processual do Trabalho

As Incongruências do Atual PJe-JT com alguns Princípios Constitucionais e Infraconstitucionais que norteiam o Direito Processual do Trabalho

Características relevantes do recurso ordinário

COMPETÊNCIA TRABALHISTA EM RAZÃO DO LOCAL OU TERRITORIAL

O Novo Processo do Trabalho à luz do NCPC/15: a controvérsia em torno das novas regras processuais trazidas pela IN 39/2016

O Poder Normativo da Justiça do Trabalho: considerações após a Emenda Constitucional nº 45.04

Como explicar a vigência do artigo 191 CC em face da nova redação do artigo 219, parágrafo 5º CPC?

RESCISÃO INDIRETA DO CONTRATO DE TRABALHO PELA FALTA DE RECOLHIMENTO DO FGTS

Mais artigos da área...

Resumo:

A tutela antecipada no âmbito do processo do trabalho e a constituição

Texto enviado ao JurisWay em 08/11/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A TUTELA ANTECIPADA E A CONSTITUIÇÃO

 

 

J. E. Carreira Alvim[1] nos ensina que tanto a antecipação de tutela quanto a tutela cautelar são espécies do mesmo gênero – do provimento antecipado – e possuem a característica comum de serem concedidas antes da sentença de mérito. Estes institutos só são divergentes na sua finalidade e no seu conteúdo. Para ele a doutrina ensina que o processo cautelar tem como finalidade tutelar o processo principal. Segundo o autor a expressão satisfativa seria para todo procedimento processual ou de mérito, liminar ou sentença, no entanto a denominação de satisfativa tem sido usada nas decisões proferidas antes da sentença de mérito tutelando o direito material fundamentando-se na probabilidade e no perigo de dano.

Explicando melhor o seu raciocínio este excerto:

 

 

Existe, no entanto, clara distinção entre ambas as pretensões e os respectivos provimentos, podendo-se dizer que a liminar cautelar se limita, de regra, à outorga de uma providência de índole processual, distinta da pretensão substancial, com o propósito de garanti-la – salvo, evidentemente, se a cautelar tiver caráter satisfativo, caso em que a satisfação da pretensão material esgota o objeto da principal -, enquanto a antecipação da tutela adianta a própria pretensão substancial, que, devendo ser reconhecida na sentença, tem os seus efeitos antecipados. Além do mais, a liminar cautelar pode eventualmente (art. 797) ser deferida de ofício pelo juiz, enquanto a tutela antecipatória da regra depende de requerimento da parte.[2]

 

 

Após a promulgação da Constituição Federal de 1988 em que através do seu art. 5º, XXXV, que diz “a lei não excluíra da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito”. Este dispositivo da Constituição Federal de 1988 foi importante tanto politicamente quanto juridicamente, pois ele propiciou a possibilidade de acesso à justiça a todos que tenham um direito em vias de sofrer um dano irreparável ou de difícil reparação. Com isso o princípio da proteção judiciária ou da inafastabilidade previsto neste inciso alçou ao nível de garantia constitucional o direito à tutela.

Deste princípio supracitado decorre o princípio do juiz natural que garante o direito de ação e do processo porque conforme Carlos Henrique Bezerra Leite[3], “(...), é seguramente no processo do trabalho, dado o seu escopo social de tornar realizável o direito material do trabalho, que o instituto da antecipação da tutela se torna instrumento não apenas útil, mas, sobretudo, indispensável.”[4]

O legislador brasileiro vislumbrou a necessidade de importar de outros países um mecanismo para deixar o processo mais célere, pois o fator tempo é fundamental nos casos de lesão ou ameaça ao direito. Devido a este fato o advento da Lei nº 8.952 de 13-12-1994 e a Lei nº 10.444 de 07-05-2002 que modificaram a redação dos arts. 273 e 461 do Código de Processo Civil.

Como bem observa Carlos Henrique Bezerra Leite:

 

 

Entre os diversos institutos processuais que tem por escopo a celeridade e a efetividade da função jurisdicional do Estado, destaca-se a chamada tutela antecipada, cuja aplicação generalizada, na processualística civil brasileira, somente foi possível a partir das reformas introduzidas pela Lei n. 8.952. de 13.12.1994, e pela Lei n. 10.444, de 7.5.2002, que deram novas redações aos arts. 273 e 461 do Código de Processo Civil. [5]

 

 

Segundo a advogada Laura Gomes Monteiro[6] após a Constituição Federal de 1988 o processo civil brasileiro sofreu significativas modificações objetivando à sociedade um concreto e verdadeiro acesso à justiça através de uma prestação jurisdicional mais célere, efetiva e eficaz. Vislumbrando a celeridade no processo o legislador inseriu o instituto da tutela antecipada procurando minimizar com este feito o problema da longa duração dos processos.  A preocupação com a celeridade ficou mais forte ainda com a Emenda Constitucional nº 45 que inseriu no art. 5º da Constituição Federal o inciso LXXVIII que dispõe “a todos no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação” criando assim o princípio da razoabilidade da duração do processo. Além deste princípio a celeridade processual se faz presente ainda no art. 93, XII e XIV da Constituição Federal que preceitua o funcionamento ininterrupto da atividade jurisdicional com um plantão permanente quando não houver expediente forense normal, e a proibição de férias coletivas nos juízos e tribunais de segundo grau, e por fim, a permissão para que os servidores pratiquem os atos de administração e os atos de mero expediente que não possuam caráter decisório. No nosso ordenamento jurídico já existia a possibilidade da antecipação de tutela, exemplificando: nas liminares previstas nas Leis do Mandado de Segurança, da Ação Popular e da Ação Civil Pública; ações de alimentos; ações possessórias e outros. A Consolidação das Leis do Trabalho prevê duas hipóteses específicas da aplicabilidade da antecipação de tutela no art. 659, IX e X. Destarte, a sua aplicação genérica segue a regra geral do Código de Processo Civil conforme o que está positivado no art.769 da Consolidação das Leis do Trabalho. Para a doutrinadora a tutela antecipada no âmbito do processo do trabalho possui extrema importância porque a mesma garante a sobrevivência do trabalhador e de sua família graças ao seu cunho alimentar.

O novo art. 273 do Código de Processo Civil com redação dada pela Lei nº 10.444/02 que permitiu ao juiz antecipar no próprio processo de conhecimento os efeitos da tutela jurisdicional. Os outros artigos citados no § 3º do art. 273, o art. 461 versa sobre execução das obrigações de fazer e de não fazer e o art. 461-A todos estes artigos pertencentes ao Código de Processo Civil trata da execução das obrigações de entregar coisa.

Deduz-se que o procedimento de tutela antecipada depende da provocação do autor com os seus requisitos que são: fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação, e o abuso de direito de defesa; e a necessidade da fundamentação do juiz com base na prova inequívoca e da verossimilhança da alegação.

 

 



[1] ALVIM, José Ernesto Carreira. Tutela antecipada. 4. ed. Curitiba: Juruá, 2005. p. 29.

[2] op. cit., p. 33.

[3] ALVIM, José Ernesto Carreira. Tutela antecipada. 4. ed. Curitiba: Juruá, 2005. p. 29.

[4] LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de direito processual do trabalho. 7. ed. São Paulo: LTr, 2009. p. 894.

[5] id., 2009, p. 420.

[6] MONTEIRO, Laura Gomes. A tutela antecipada e sua aplicação no processo do trabalho. Revista LTr, São Paulo, v. 73, n. 3, p. 293-303, mar. 2009.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Loren Voigt Lara) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados