JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Servidor Público na Lei 8.112 com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Pis e Cofins - Repasse indevido nas contas de energia e telefonia.


Autoria:

Maria Ivani De Araujo Sousa


Maria Ivani de Araujo Sousa. Av. Leopoldino de Oliveira, 4464 - Sala 501 - Centro - Uberaba - MG. - CEP 38060-000 (34)9144-4787

Endereço: Av. Leopoldino de Oliveira, , 4464 - - 5º Andar - Sala 501
Bairro: Centro

Uberaba - MG
38060-000


envie um e-mail para este autor

Resumo:

REITERADAS DECISÕES VEM OCORRENDO EM VARIOS TRIBUNAIS PARA A DEVOLUÇÃO EM DOBRO E CORRIGIDA, DOS VALORES COBRADOS INDEVIDAMENTE DOS CONSUMIDORES DE TELEFONIA E ENERGIA, A TITULO DE REPASSE DO PIS E DA COFINS NAS CONTAS DE ENERGIA ELÉTRICA E TELEFONE.

Texto enviado ao JurisWay em 06/12/2009.

Última edição/atualização em 11/12/2009.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

"Des. Marco Aurélio Heinz (PRESIDENTE E REDATOR)
Quanto às preliminares, estou de acordo com a nobre Relatora. Entretanto, no mérito, peço vênia para divergir.
Verifica-se que a discussão travada na lide diz com a legalidade da prática adotada pelas concessionárias do serviço público de energia elétrica que repassam ao consumidor o ônus financeiro do PIS e COFINS, na conta mensal de luz.
Dúvida não há sobre essa cobrança.
Importa registrar que a tarifa do serviço público concedido será fixada pelo preço da proposta vencedora da licitação e preservada pelas regras de revisão previstas nesta lei, no edital e no contrato (art. 9º da Lei n. 8.987/95).
Nada obstante, a contribuição para o PIS/COFINS tem como fato gerador o faturamento mensal, assim entendido o total das receitas auferidas pela pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou classificação contábil (Lei n. 10.637/2002, art. 1º).
A contribuição para o Financiamento da Seguridade Social – COFINS, com incidência não-cumulativa, tem como fato gerador o faturamento mensal, assim entendido o total das receitas auferidas pela pessoa jurídica, independentemente de sua denominação ou classificação contábil (Lei n. 10.833/2003, art. 1º).
Não requer esforço de raciocínio para se concluir que o sujeito passivo das obrigações, nos termos do art. 121 do CTN, é a concessionária de energia, não o consumidor do serviço, porque não tem qualquer relação pessoal ou direta com o fato gerador.
A questão é saber se o sujeito passivo das contribuições (PIS e COFINS) pode transferir o ônus financeiro para o consumidor do serviço, já que não compõem o custo da tarifa anunciada pela concessionária.
Evidente que não, porque esses tributos não incidem diretamente sobre a prestação do serviço de energia elétrica.
A jurisprudência, examinando o tema, firmou posição no seguinte sentido:
 “(...)
3. É indevido o repasse do PIS e da COFINS na fatura telefônica, por ausência de expressa e inequívoca previsão na lei.
(...)
5. O PIS e a COFINS, nos termos da legislação tributária em vigor, não incidem sobre a operação individualizada de cada consumidor, mas sobre o faturamento global da empresa.
6. O fato de as receitas obtidas com a prestação do serviço integrarem a base de cálculo dessas contribuições – faturamento mensal – não pode ser confundido com a incidência desses tributos sobre cada uma das operações realizadas pela empresa.
(...)
8. Somente o ICMS, por expressa disposição legal, deve ser objeto de destaque e cobrança da fatura, repassando-se diretamente o ônus ao assinante.
9. O repasse indevido do PIS e da COFINS na fatura telefônica configura ‘prática abusiva’ das concessionárias, nos termos do Código de Defesa do Consumidor, pois viola os princípios da boa-fé objetiva e da transparência, valendo-se da ‘fraqueza ou ignorância do consumidor’ (art. 39, IV, do CDC)”.
(...)

10. O acréscimo indevido na tarifa não tem natureza tributária, ainda que a concessionária afirme que se trata de mero repasse de tributos. Inaplicabilidade do art. 167 do CTN.

(...)”
(REsp n.º 1.053.778/RS, Rel. Min. Herman Benjamin, 2.ª Turma do STJ)
 
Ainda:
“A 2ª Turma desta Corte firmou entendimento no sentido da ilegalidade do repasse do PIS e da COFINS na fatura telefônica, bem como acerca da má-fé das empresas de telefonia e, por conseqüência, da abusividade dessa conduta. Direito à devolução em dobro reconhecido com base no art. 42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor” (REsp n. 910.784 – RJ, rela. Mina. Eliana Calmon, 2ª Turma).
 
Considerando essa orientação jurisprudencial, modifico meu entendimento.
Sendo assim, dou provimento ao apelo para julgar procedente a ação, condenando a ré ao pagamento dos valores exigidos a maior, a título de PIS e COFINS na conta mensal de luz, desde o inicio do contrato, devidamente corrigidos pelo IGP-M, a contar de cada cobrança, mais juros de mora à razão de 1% ao mês, contados desde a citação.
Considerada prática abusiva, condeno a ré ao pagamento dobrado, com base no art. 42 do CDC.
Condeno também a ré ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios que arbitro em dez por cento (10%) do valor da condenação, considerando as diretrizes do art. 20, § 3.º, do CPC, em especial o trabalho desenvolvido na causa e a importância desta.
 
 
Des. Genaro José Baroni Borges (REVISOR)
 De acordo com o Revisor no caso, uma vez que trata-se de energia elétrica.
 
DES. MARCO AURÉLIO HEINZ - Presidente - 
 "À UNANIMIDADE, REJEITARAM AS PRELIMINARES E POR MAIORIA, DERAM PROVIMENTO AO APELO."
  
Julgador(a) de 1º Grau: ELISA CARPIM CORREA"
Os interessados em todo material para as ações (PETIÇÃO INICIAL, EMBARGOS, IMPUGNAÇÕES, APELAÇÃO, CONTRA RAZAO DE APELAÇÃO, DECISÕES TJ, TRF, STJ, ETC) solicitem pelo e-mail: ivani_direito@hotmail.com
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Maria Ivani De Araujo Sousa) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Paulo (03/02/2010 às 15:35:46) IP: 189.7.234.8
Tenho diversas ações sobre a ilegalidade do Pis/Cofins em Energia Elétrica e Telefonia, em andamento aqui no RS.
Ainda ocorrem divergências quanto as sentenças, mas pelo acompanhamento das mesmas e segundo pesquisas que estou sempre efetuando, não tem como as concessionárias de energia elétrica e empresas de telefonia se furtarem a devolução dos encargos cobrados, até porque trata-se de valores que toda e qualquer empresa deve recolher sobre o faturamento bruto mensal, nunca dos clientes. Paulo
2) Dr. (18/04/2010 às 16:45:53) IP: 189.63.226.125
Prezada Dra.

Parabéns pelas colocações.

Te enviei um email solicitando as petições asseveradas pela colega.

Att
André
3) Maria (22/05/2010 às 19:34:02) IP: 200.215.99.145
Muito Bom Otimo
Parabéns.
m.Barcaro
4) Marcos (23/09/2010 às 15:14:36) IP: 189.22.125.131
Muito bom o material, vou começar a trabalhar nesse assunto


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados