JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Suspensão do direito de dirigir. A (in)eficácia do sistema de pontos e das infrações autosuspensivas na melhoria da segurança viária.


Autoria:

Carlos Domingos Crepaldi Jr.


Advogado formado pela Faculdade Barretos, tendo recebido o prêmio de melhor aluno da 1ª turma. Especialista pós graduado em gestão e Direito de Trânsito pelo CEAT-SP. Formado também em Processamento de Dados pela FISO. Pós Graduado em sistemas de telecomunicações e telemática pela UNORP.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

CRIMES VIRTUAIS: UM NOVO MUNDO DE CRIMINALIDADES REAIS
Direito de Informática

A Segurança das Urnas Eletrônicas.
Direito Eleitoral

Outros artigos da mesma área

As diferenças entre multa de trânsito e crime nos casos da Lei Seca no Brasil

Economia de Gasolina: Atitudes Simples que Podem Fazer Toda a diferença

Processo de suspensão da CNH: saiba o que fazer antes de perder a sua carteira.

Seguro e Proteção Veicular: quais são as diferenças entre eles? Tire suas dúvidas antes de escolher a melhor opção para você e seu veículo!

Tudo o que você precisa saber sobre a multa por estacionar em local proibido

Tudo o que você precisa saber sobre multas da ANTT e gestão de frotas

Saiba quando expiram os pontos da sua CNH

Tudo o que você precisa saber sobre Cassação da CNH

Governo decide cancelar resolução que exigia curso para renovar habilitação

Posso estacionar em meu veículo áreas de embarque e desembarque de passageiros de veículos coletivos?

Mais artigos da área...

Resumo:

O presente artigo demonstra o ponto de vista do autor em relação a suspensão da CNH.

Texto enviado ao JurisWay em 31/01/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O atual Código de Trânsito Brasileiro, em vigor desde 22 de janeiro de 1998, substituiu o 3º Código Nacional de Trânsito com uma promessa, melhorar a segurança viária.

De lá pra cá já se foram 35 alterações no Código, além de diversas e diversas Resoluções e Deliberações do CONTRAN, com os mais variados assuntos.

Mas a questão é: Nesses 21 anos, houve melhora na segurança viária? O sistema atual tem sido eficaz ao cumprir o que determina o CTB em seu §5º do art. 1º “Os órgãos e entidades de trânsito pertencentes ao Sistema Nacional de Trânsito darão prioridade em suas ações à defesa da vida, nela incluída a preservação da saúde e do meio-ambiente”?.

Pois bem, no sistema punitivo do Código de Trânsito Brasileiro  atual estão previstas infrações leves, médias, graves e gravíssimas. Para cada tipo de infração há uma pontuação correspondente, sendo 3 pontos para as infrações leves, até 7 para as gravíssimas.

Existem também as infrações que são denominadas autosuspensivas, ou seja, infrações que por si só suspendem o direito de dirigir.

Quando o condutor comete infrações suficientes e atinge 20 pontos em seu prontuário ou quando comete infrações autosuspensivas, instaura-se processo com a finalidade de suspender o direito de dirigir.

Confesso que, o que me motivou a escrever sobre esse tema foi a proposta do presidente Jair Bolsonaro (vinculada pela mídia) de aumentar o limite de pontos dos 20 atuais para 40.

Há os que são a favor, pois o que existe hoje é uma clara industria da multa, há os que acham que seria um tiro no pé, pois incentivaria a prática de infrações e aumentaria os gastos públicos.

Já eu penso que a análise sobre o tema deve ser outra.

Devemos questionar: Qual a finalidade de suspender o direito de dirigir de um condutor?

Obviamente que a suspensão do direito de dirigir deve servir para retirar de circulação não o infrator contumaz, mas o infrator contumaz que coloca em risco a vida de outrem.

Sim, há enorme diferença entre ambos. O que ocorre hoje, na prática, é simplesmente punição. Não há ação para orientar e disciplinar o condutor. Visa-se apenas e tão somente a arrecadação, seja esta para a União, para os estados ou para os municípios, todos literalmente falidos.

Com a máxima de estar visando a segurança viária cria-se mecanismos que, em realidade, tem por escopo principal a arrecadação e, como secundário, a facilitação da fiscalização para “aumento de produção”.

Nunca, porém, pensa-se realmente em preservar a vida!

Retornando a discussão sobre a pontuação, após as considerações acima, tenho comigo que não há necessidade de alteração no limite de pontos, mas sim na maneira como estes são aplicados.

Como disse, há enorme diferença entre o infrator contumaz e o infrator contumaz que coloca em risco a vida de outrem, sendo certo que é este que deve ser retirado de circulação, e não aquele.

Inicialmente é difícil identificar a diferença entre os infratores, mas depois de alguns anos atuando na seara do trânsito posso exemplificar a diferença em duas situações:

Situação 1 - Infrator contumaz

Nesse primeiro caso, o infrator contumaz é proprietário de uma loja no centro da cidade, local abrangido pela “zona azul”.

Dia 01.01.2018 comete sua primeira infração, a de estacionar em desacordo com as condições regulamentadas (art. 181, XVII do CTB) e, por essa infração ser considerada grave, deverá pagar R$ 195.23 e terá anotado em seu prontuário 5 pontos.

Nos 12 meses seguintes esse mesmo condutor comete mais 3 infrações por estacionar irregularmente na área abrangida pela “zona azul”, ou seja, em 12 meses ele cometeu 4 infrações, e somou 20 pontos.

Assim, em regra, terá seu direito de dirigir suspenso por, no mínimo, 6 meses, conforme determina o artigo 261, § 1º, I do CTB, podendo chegar a 12 meses.

Pergunto, existe necessidade de retirar esse condutor de circulação? Qual vida ele colocou em risco?

Não se discute aqui a questão do cometimento da infração, é óbvio que a legislação deve ser respeitada e que a zona azul tem uma função essencial nas áreas com grande circulação, permitindo a rotatividade de veículos e garantindo o direito de estacionar a todos.

Contudo, retirar esse condutor de circulação não aumentará a segurança viária, pelo contrário, trará um sentimento de revolta ao condutor, revolta essa que muitas vezes é dissipada no próprio trânsito.

Para inibir essa infração deveria o Estado aumentar o valor da multa. Será que se essa multa custasse R$ 800,00 esse mesmo condutor estacionaria irregularmente?

Pode ser que sim, mas a maioria, com certeza, não. Resolver-se-ia, assim, o problema financeiro do Estado e não seriam tirados de circulação condutores que não colocam em risco a vida de terceiros.

Situação 2 - Infrator contumaz que coloca em risco a vida de terceiros.

Agora que você já viu o exemplo acima, veja a situação abaixo.

Nesse segundo caso o condutor, no período de 12 meses, cometeu as seguintes infrações:

1ª infração - avançou sinal vermelho do semáforo (art. 208 do CTB). Essa infração é considerada gravíssima e acarreta a soma de 7 pontos na CNH.

2ª infração - ultrapassou pela contramão outro veículo na faixa de pedestres (art. 203, II do CTB). Essa infração é considerada gravíssima e acarreta a soma de 7 pontos na CNH.

3ª infração - dirigiu veículo utilizando-se de telefone celular (art. 252, VI do CTB). Essa infração é média e acarreta 4 pontos na CNH.

Após cometer as três infrações acima, o condutor terá em seu prontuário 18 pontos, ou seja, estará dentro do limite permitido e não terá seu direito de dirigir suspenso.

Ao analisar os dois exemplos expostos acima pergunto: Quem você acha que deveria ser retirado de circulação?

Indubitavelmente que o do segundo caso.

Percebam que em todas as condutas a vida de terceiros foi colocada em risco. Quando avançou o sinal vermelho poderia ter causado um “acidente” e matado uma família. Quando ultrapassou pela contramão e na faixa de pedestres poderia ter matado uma criança que ali atravessava. Quando dirigiu utilizando-se de telefone celular ficou totalmente sem atenção no trânsito e, de acordo com a NHTSA, o uso do aparelho aumenta em 400% os riscos de sofrer um acidente.

Portanto, não deve o Código simplesmente punir e punir, deve saber quem punir.

Em relação as infrações autosuspensivas, trago o seguinte caso para análise.

Situação - Infrator que conduz motocicleta sem capacete de segurança

Nesse caso, a infração praticada é considerada gravíssima e acarreta de imediato a suspensão do direito de dirigir. É uma das infrações autosuspensivas previstas no CTB.

Exposto o caso, questiono: Deveria esse condutor ter seu direito de dirigir suspenso de 2 a 8 meses?

Você pode estar dizendo - sim, deve-se preservar a vida - contudo vou além e acredito que não, não deveria esse condutor ser retirado de circulação.

Ao conduzir motocicleta sem utilizar capacete esse condutor não coloca em risco a vida dos outros, mas sim sua própria vida.

Para habilitar-se no Brasil é necessário ter, no mínimo, 18 anos. Com 18 anos o cidadão já tem ciência do que pode lhe ceifar a vida, portanto, enquanto não colocar em risco a vida dos outros, penso que o Estado não deveria interferir.

Acredito que a punição mais correta para esse infrator seria, caso se envolvesse em um acidente, ter que ressarcir todas as despesas médicas e hospitalares decorrentes de seu atendimento, e, caso não possua condições financeiras que haja o ressarcimento mediante prestação de serviços.

Penso que, dessa forma, o condutor pensaria, e muito, antes de conduzir sem capacete e o Estado não arcaria com a irresponsabilidade desse condutor.

Portanto, o Código de Trânsito que tem como espírito principal a questão comportamental, de conscientização, acabou, ao longo desses 21 anos se tornando muito mais punitivo e arrecadador de multas, desvinculando-se de seu objetivo principal.

As ponderações expostas corrigiriam as distorções, não retirando mais de circulação quem não merece ser retirado, servindo ainda para arrecadar e ajudar os cofres públicos, não precisando que o Estado, para tal desiderato,  enganasse a população com a falsa idéia de proteger vidas.

Assim, a meu ver, não é necessária qualquer alteração no limite de pontos para que possamos ter um código que cumpre com sua função principal  (proteger vidas) e que também seja arrecadatório, sem injustiças.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Domingos Crepaldi Jr.) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados