JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Benefícios Previdenciários com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

A Traição Legalizada - Delação Premiada


Autoria:

Beatricee Karla Lopes


Drª Beatricee Karla Lopes é Advogada Civilista e Criminalista - OAB/ES 15.171; pós-graduada em Civil e Penal; Escritora de Artigos Jurídicos; Membro Imortal da Academia de Letras da Serra-ES; Comendadora Cultural e Membro Imortal da Academia de Letras de São Mateus-ES; Comendadora Cultural da ONG Amigos da Educação e do Clube dos Trovadores Capixabas; Personalidade Cultural de 2017 do 3º Encontro Nacional da Sociedade de Cultura Latina do Brasil; Personalidade Artística e Cultural 2018; Poeta; Escritora Literária; e colunista do Portal SBN Notícias - https://portalsbn.com.br/. Contato: (27) 9.9504-4747, e-mail: beatriceekarla@hotmail.com, página do Facebook: @DraBeatricee, Grupo no Facebook: @DireitoSBN e Instagran: @DireitoSBN. Para encontrar: #DireitoSBN e #DraBeatricee.

Endereço: Rua Dr. Arlindo Sodré, 370 - Escritório de Advocacia
Bairro: Fátima, Tel.: 9.9504-4747

São Mateus - ES
29933-540


envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A INEFICÁCIA DA APLICAÇÃO DA MEDIDA SÓCIO EDUCATIVA OBRIGAÇÃO DE REPARAR O DANO

Porte de Armas para o Cidadão de Bem e a Falácia do Discurso de que a Lei Protege Bandidos

A Síndrome do Patinho Feio.

DO RECURSO EX-OFFICIO NO HABEAS CORPUS

Fracassado sistema punitivo tradicional no Brasil. Penas Alternativas. Soluções ou retrocessos?

A aplicação da Lei Maria da Penha na Delegacia de Policia de Palmas de Monte Alto-BA

SEMIOLOGIA DO MITO NO DIREITO PENAL

A intervenção do ofendido como acusador, com poderes de dispor do conteúdo material do processo, transforma o processo penal em reminiscência da vingança privada?

O Ensino Jurídico Pede Socorro

UM BREVE COMENTÁRIO SOBRE O NOVO ADVENTO DA LEI 12.015/2009, QUE PUNE OS CRIMES CONTRA A DIGNIDADE SEXUAL.

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 26/02/2019.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O instituto da Delação Premiada traduz-se num incentivo legal à traição e representa um importante mecanismo de combate à criminalidade organizada.

 

Trata-se de uma forma legal de amenizar, ou até mesmo perdoar, o malfeitor que deu outro à prisão, por meio de traição. Ou seja, um criminoso entrega seus comparsas e/ou vice-versa, e é beneficiado por essa perfídia, em outras palavras: entrega a atividade de seus parceiros na empreitada criminosa para receber benefícios.

 

São diversos os benefícios no processo penal que podem ser concedidos ao traidor, por meio dessa incriminação e responsabilização de terceiro, que é incentivada pelo Legislador: redução de pena, perdão judicial, aplicação de regime de cumprimento de pena de forma abrandada, etc.

 

O que se tem observado é que a Delação Premiada surge quando há, na maioria das vezes, um desajuste entre os envolvidos; quando um se sente prejudicado pela persecução penal e/ou investigação e é desamparado pelos demais comparsas. Esta situação de angústia e desespero, unida à intenção de beneficiar-se, é que também conduz o indivíduo a valer-se do referido instituto.

 

Ou seja, na verdade, o Delator está mesmo é em busca dos benefícios que satisfaçam suas necessidades próprias em detrimento das do Delatado e não porque deseja ajudar nas investigações e com a justiça, muito menos porque busca alguma conversão de seu caráter de criminoso para o bem ou para o arrependimento. Mas uma coisa é certa: muitos problemas podem ser identificados quando da utilização da Delação Premiada, pois ele pode gerar a acomodação da autoridade incumbida da apuração dos fatos que, passando a contar com a possibilidade de delação, poderá deixar de se dedicar com afinco na busca de provas da existência do crime e dos indícios suficientes da autoria.

 

Geralmente se ver muito falar da Delação Premiada nas investigações que permeiam as várias Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) e, atualmente, no Processo da Lava-Jata, o que iniciou-se com o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, seguido do doleiro Alberto Youssef, dando o ponta pé inicial para uma enxurrada de outras traições legais dentro dessa operação.

 

Há uma série de diplomas legais que cuidam do instituto da Traição Legalizada, como a Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90) em seu art. 8º, parágrafo único; Lei do Crime Organizado (Lei 9.304/95) em seu art. 6º; o próprio Código Penal Brasileiro quando trata do Crime de Extorsão mediante sequestro (art. 159, § 4º); Lei de Lavagem de Capitais (Lei 9.613/98) em seu art. 1º e 5º; Lei de Proteção a Vítimas e Testemunhas (Lei 9.807/99) nos arts. 13 e 14,  Lei de Drogas (Lei 11.343/06) em seu art. 41; e Lei Antitóxicos (Lei 10.409/2002) no art. 32, § 2º.

 

Por certo, o instituto da Delação Premiada é eticamente inadequado, uma vez que estimula a traição, comportamento insuportável para os padrões morais modernos, seja dos homens de bem, seja dos mais vis criminosos, e porque rompe com o Princípio da Proporcionalidade da pena, já que se punirá com penas diferentes pessoas envolvidas no mesmo fato e com idênticos graus de culpabilidade, mitigando a Teoria Penal Monista que giza que todos aqueles que concorrerem de qualquer forma para o crime incidem nas penas a ele cominadas.

 

De qualquer forma, há de se admitir que a Traição Legalizada muito tem os seus efeitos na busca da Verdade Real no Processo Penal, ficando a ética de lado nessa situação que a própria lei acolhe.

 

Artigo originalmente publicado em: https://portalsbn.com.br/noticia/direito-em-suas-maos-a-traicao-legalizada-delacao-premiada

 

Se gostou deste artigo, curta, comente e compartilhe!

 

Veja muito mais no Facebook em: @DraBeatricee e @DireitoSBN.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Beatricee Karla Lopes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados