JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

UNIÃO ESTÁVEL


Autoria:

Karla Regiane Rodrigues Da Silva


Advogada atuante em Curitiba/PR. Principais áreas de atuação: Direito de Família, Direito Criminal e Civil.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

EXECUÇÃO DE ALIMENTOS
Direito de Família

Resumo:

Este artigo visa promover breves apontamentos acerca da União Estável demonstrando o que é a União estável, como se forma e os impedimentos á formação da União Estável.

Texto enviado ao JurisWay em 25/11/2016.

Última edição/atualização em 08/12/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A união estável é tratada pelo Código Civil em seu artigo 1723 como a convivência pública, contínua e duradoura estabelecida com o objetivo de constituição de família.
Cumpre esclarecer que a união estável apesar de similar ao casamento não é um casamento.
A pessoa que inicia o convívio em união estável permanece com seu estado civil inalterado independentemente se a união estável é realizada em cartório ou não.
Conforme a legislação a união estável segue as mesmas regras patrimoniais do casamento, ou seja, pode-se optar pela união estável com separação de bens, comunhão parcial de bens ou comunhão total de bens. Não sendo realizada em cartório a união estável ou não sendo optado pelo regime de bens da união estável tal união seguirá as regras da comunhão parcial de bens. E como no casamento, não poderá haver união estável nas seguintes hipóteses:
- Entre descendentes e ascendente (filhos com pais, neto com avô, entre outros, independentemente se a relação de parentesco é por adoção);
- Afins em linha reta (ou seja, o parentesco adquirido ao contrair casamento ou união estável, como exemplo sogra, cunhado, etc.);
- O adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante. (Ex. Maria adotou Rita, posteriormente Maria iniciou um relacionamento com João, neste caso João não poderá contrair União Estável com Rita);
- Os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive (irmãos unilaterais: irmãos só por um lado, ou seja, tem em comum ou a mãe ou o pai, irmãos bilaterais: irmãos filhos da mesma mãe e do mesmo pai, colaterais até o terceiro grau: tio, sobrinho);
- O adotado com o filho do adotante (Irmão por adoção);
- As pessoas casadas (neste caso existiria o concubinato);
- O cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte.

Tempo de convivência para caracterização da união estável: Não é necessário observar tempo de convivência para caracterizar a união estável, deve-se analisar o caso concreto e assim verificar a existência dos requisitos trazidos pela Lei; desta forma uma convivência de um mês pode ser caracterizada como união estável como uma convivência de 5 anos pode não caracterizar uma união estável.

Fonte normativa: CÓDIGO CIVIL - LEI No 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002.

 

http://www.advocaciakarlarodrigues.com.br/


Karla Regiane Rodrigues da Silva
Advogada
OAB/PR 71.724

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Karla Regiane Rodrigues Da Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados