JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

União Estavel


Autoria:

Aparecida Donizetti De Andrade


iniciei a faculdade de direito aos 50 anos na Universidade de Ribeirão Preto. Trabalho com imoveis comerciais e industriais, agora que conclui meu curso estou fazendo pós em direito imobiliario

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

NOÇÕES DE DIREITO AMBIENTAL
Direito Ambiental

QUESTÕES DE RECURSOS E EXECUÇÕES CIVEIS
Direito Civil

Crimes contra a Seguridade Social
Direito Previdenciário

TESTAMENTO
Direito das Sucessões

Processo cautelar
Direito Civil

Mais artigos...

Texto enviado ao JurisWay em 27/05/2010.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

UNIÃO ESTÁVEL

 

 

                                                               Sempre existiram no mundo uniões entre homens e mulheres sem o casamento convencional.

 

                                                               Em Roma, como no resto do mundo havia tais relações desprovidas de formalidade, porem licitas e não reprovadas pela sociedade, mas consideradas inferiores ao casamento, pois sem efeitos jurídicos.

 

                                                               Mesmo repudiadas pela Igreja as uniões de fato não deixaram de existir, eram toleradas.

 

                                                               Os Tribunais Franceses, na Idade Contemporânea passaram a apreciar os pedidos das concubinas, surgindo a Teoria da Sociedade de Fato.

 

                                                               O Código de 1916 no Brasil faz raríssimas referências ao concubinato, protege a chamada “família legitima”.

 

                                                               Os juízes, frente à omissão do legislador, viram-se forçados a aplicar a analogia diante do fato concreto.

 

                                                               A jurisprudência foi sendo construída no sentido de admitir-se a existência de uma sociedade de fato entre os concubinos, desde que provada o esforço comum na aquisição do patrimônio.

 

                                                               Antes da promulgação da Constituição de 1988, surgiram algumas leis que conferiram certos direitos às relações concubinárias, sobretudo nos campos acidentário, trabalhista e previdenciário.

 

                                                               Com a Constituição Federal de 1988 passaram a ser reconhecidas as múltiplas formas constitutivas de família que sempre existiram à margem dos ordenamentos jurídicos.

 

                                                               Foi reconhecida expressamente, além do casamento, a união estável e a família monoparental, tendo à mesma dignidade, idêntica importância, não admitindo quaisquer discriminações.

“Artigo 226 – CF 88 - A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado”.

“§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento. (Ver a Lei n. 9.278, de 10.5.1996, que regulamenta este parágrafo.).”

                                                               A constituição deixou ao legislador ordinário a tarefa de definir a união estável.

                                                               Em 1994 a lei 8.971 não estabeleceu a definição à união estável, mas sim seus elementos caracterizadores:

- prazo de mais de cinco anos ou existência de filhos.

- os companheiros deveriam ser solteiros, separados judicialmente, divorciados ou viúvos.

- direito à pensão alimentícia, desde que provada a necessidade do alimentado e dentro das possibilidades do alimentante.

- dispôs sobre o direito ao usufruto vidual dos companheiros.

- estabelece o direito à meação, desde que comprovado o esforço comum na aquisição do patrimônio.

                                                               Em 1996 surge a Lei 9.278, em seu artigo 1º, define a União Estável como:

“A convivência duradoura, pública e contínua, de um homem e uma mulher, estabelecida com o objetivo de constituição de família.”

                                                               No artigo 5º deferiu:

“Direito à meação dos bens adquiridos a titulo oneroso na constância da união, presumindo-se o esforço comum.”

                                                               O artigo 7º dispôs sobre alimentos entre os conviventes, sem cogitar da culpa na concessão desse direito.

                                                               Ficou estabelecido o direito real de habitação do imóvel destinado à residência da família ao convivente supérstite.

                                                               Em 2002 o novo Código Civil inspirado na Constituição Federal de 1988, priorizou a pessoa humana e os direitos de personalidade, a função social, a boa fé, e tantos outros institutos voltados à garantia da dignidade da pessoa.

                                                               Evidenciamos no campo da União Estável algumas das mudanças mais importantes dos últimos anos.

                                                               Para configuração da União Estável é necessária a ausência dos impedimentos matrimoniais de que trata o artigo 1521 do Código Civil, com exceção dos separados judicialmente e de fato, que a despeito de não poderem casar, podem viver em União Estável, já que desfeita a sociedade conjugal e passível de ruptura do vinculo matrimonial, portanto a união Estável será apreciada no plano jurídico quando se referir a companheiros que não possuam impedimentos para casar entre si.

                                                               A fidelidade na União Estável trata-se de condição recíproca, envolvendo também a fidelidade do homem à companheira, também não deixaremos de ressaltar a afetividade, respeito e mútua assistência, material e moral, dentre outras particularidades.

                                                               A publicidade de uma relação afetiva reside na exposição dos companheiros perante o grupo social ou familiar em que vivem apresentando-se como casal.

                                                               No novo Código a União Estável é reconhecida como entidade familiar, configurada na convivência publica, continua e duradoura e estabelecida com objetivo de constituir família, sem exigência de prazo de convivência.

                                                               Um dos requisitos indispensáveis para o reconhecimento da união Estável é a dualidade dos sexos, não se admite a união entre pessoas do mesmo sexo.

                                                               Na União Estável podem de modo genérico fazer um contrato programando toda sua vida econômica – financeira, alterando-as quanto se fizer necessário e for da vontade de ambos.

                                                               Para conversão de União Estável em casamento o novo Código Civil determina que as partes devam requerê-las ao juiz de direito, que decretara a conversão.

                                                               Em caso de deferimento judicial, é feito o devido assento no Registro Civil, dispensando-se dessa forma o processo de habilitação para o casamento.

 

Bibliografia:

BITTAR, Carlos Alberto - Direito de Família – 2º edição – Rio de Janeiro – Forense Universitária – 1993.

GAMA, Guilherme Calmon Nogueira da – O Companheirismo – 2º edição – São Paulo – Editora Revista dos Tribunais – 2001.

AZEVEDO, Álvaro Vilhaça – União Estável – São Paulo – Revista do Advogado – n º 58 – AASP – São Paulo – Março de 2000.

 

 

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Aparecida Donizetti De Andrade) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Maria (06/06/2010 às 22:45:45) IP: 187.117.8.7
Parabéns Aparecida pela dedicação acadêmica,boa sorte no mundo juridico.Abraço!MARIA ivoneide
2) Quintino (23/06/2010 às 13:17:47) IP: 189.68.77.80
Aparecida, parabéns pelo artigo, foi muito útil para mim, tenho certeza que será para outras pessoas, vi seus outros artigos, a sua dedicação é grande, tenha certeza que haverá retorno, continue assim...
abraços
Quintino
3) Ana (10/08/2010 às 21:11:10) IP: 189.81.100.47
PARABENS PELO ARTIGO,ESTE QUE INFORMA E ESCLARECE DUVIDAS SOBRE A UNIAO ESTÁVEL COMO UM TODO.


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados