JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

COMPENSAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA DECLARADA INCONSTITUCIONAL


Autoria:

Marco Aurelio Bicalho De Abreu Chagas


Tributarista.Consultor da ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE MINAS - ACMINAS desde 1980. Sócio-Fundador do CUNHA PEREIRA & ABREU CHAGAS - Advogados Associados, desde 1976. Articulista, Conferencista, Autor de livros técnicos.Advogado militante.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

O efeito confiscatório e a desconsideração do princípio da capacidade contributiva decorrente da não correção do custo de aquisição na apuração de ganho de capital do imposto de renda

A atual jurisprudência acerca da Contribuição Previdenciária devida nos valores pagos a título de um terço de férias

Crédito-Prêmio do IPI e suas controvérsias

O Fantástico Mundo da Importação

DA NATUREZA JURÍDICA DA CFEM: TRIBUTO OU RECEITA ORIGINÁRIA?

Prescrição e decadência no Direito Tributário - Responsabilidade do Administrador Público

NOVO REFIS APROVADO NO CONGRESSO CONTEMPLA DÉBITOS VENCIDOS ATÉ 31/12/2013

ENTENDENDO O eSOCIAL IV

ILEGITIMIDADE DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DE 10% (DEZ POR CENTO) SOBRE OS DEPÓSITOS DO FGTS EXIGIDA DO EMPREGADOR NA OCORRÊNCIA DE DESPEDIDA DE FUNCIONÁRIO, SEM JUSTA CAUSA. (ARTIGO 1º DA LEI COMPLEMENTAR 110/2001).

Reforma Tributária

Mais artigos da área...

Resumo:

É possível compensar os valores recolhidos pertinentes à Contribuição Previdenciária exigida pelo inciso IV, do Art. 22, da Lei n] 8.212/91, declarada inconstitucional, com valores a recolher mensalmente ao INSS.

Texto enviado ao JurisWay em 07/10/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

POSSIBILIDADE DE COMPENSAÇÃO DOS VALORES RECOLHIDOS PERTINENTES À CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA, EXIGIDA PELO INCISO IV, DO ART. 22, DA LEI Nº 8.212/91, DECLARADA INCONSTITUCIONAL, COM VALORES A RECOLHER MENSALMENTE AO INSS.

 

                                      Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

 

 

                                      A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional editou, em 24 de fevereiro de 2015, a NOTA/PGFN/CASTF/Nº 174/2015 fazendo a inclusão dessa matéria na lista de dispensa de contestar e recorrer, nos termos da referida Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 1, de 2014. A RFB, então, editou o Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 5, de 25 de maio de 2015.

 

                                      A Solução de Consulta nº 152 – Cosit da Coordenação-Geral de Tributação considerou que a contribuição não mais é devida, e os pagamentos já efetuados são considerados indevidos – haja vista que o STF rejeitou a modulação dos efeitos da decisão de inconstitucionalidade -, passíveis, portanto, de restituição ou compensação, sujeitos à análise concreta do efetivo direito.

 

                                      Todos os tomadores de serviços de cooperativas de trabalho que se sujeitaram a essa contribuição indevida, têm o direito de requerer a restituição ou a compensação dos valores pagos indevidamente a esse título, devidamente atualizados (arts. 165 e 168 do Código Tributário Nacional – CTN).

 

                                      Os prazos e procedimentos para se pleitear essa restituição estão regulados pelo art. 168 do CTN e  Instrução Normativa RFB nº 1300, de 20 de novembro de 2012, com destaque, no caso, para os arts. 56 a 59, no que toca à compensação, que se funda no art. 66 da Lei nº 8.383, de 1991.                                          

                                      A possibilidade de compensação dos valores indevidamente pagos, também, pode ser ventilada, em face da referida decisão do STF que declarou a inconstitucionalidade da contribuição.

 

                                      A Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, em 02 de julho de 2015, em NOTA PGFN/CRJ/Nº 604/2015, sobre o tema em tela, teceu no item IV, Repercussão do entendimento no âmbito administrativo, in verbis:

 

16. Por força do disposto nos §§ 4º, 5º e 7º do art. 19, da Lei nº 10.522, de 2002, a Receita Federal do Brasil deverá observar o entendimento do STF quanto à inconstitucionalidade do art. 22, IV, da Lei nº 8.212, de 1991, motivo pelo qual não será mais exigível da empresa contratante o recolhimento da contribuição de 15% (quinze por cento) sobre o valor da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços, relativamente a serviços que lhe são prestados por cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho.

 

17. Diante dessa nova diretriz, bem como da ausência de modulação dos efeitos do julgado, permitir-se-á a repetição/compensação das contribuições previdenciárias pagas pelas empresas tomadoras de serviços, consoante entendimento firmado no Parecer PGFN/CDA/CRJ nº 396, de 2013 6, observado o prazo extintivo do art. 168 do CTN7.

 

6 “O acolhimento de tese jurídica firmada sob a técnica dos arts. 543-B e 543-C do CPC, em sentido mais favorável ao contribuinte, permite o reconhecimento administrativo do direito à restituição do indébito, na forma dos arts. 165 e 168 do CTN. Ao admitir a correção da interpretação jurisprudencial que afasta, no todo ou em parte, a exigência tributária, a Fazenda Nacional passa a reputar indevidos os créditos lançados de acordo com os critérios superados, surgindo, como consequência, a possibilidade de restituição e de compensação dos valores efetivamente pagos, na forma da legislação em vigor. Em tais hipóteses (de valores efetivamente pagos), a repetição do indébito dar-se-á conforme as regras dispostas nos arts.165 e seguintes do CTN, observando-se o prazo decadencial do art. 168, I, do mesmo diploma legal”.

7 Art. 168. O direito de pleitear a restituição extingue-se com o decurso do prazo de 5 (cinco) anos, contados: I - nas hipótese dos incisos I e II do artigo 165, da data da extinção do crédito tributário; (Vide art 3 da LCp nº 118, de2005).

                                     

                                      Por seu turno, o judiciário já se posicionou sobre esse assunto na seguinte EMENTA aqui transcrita:

TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL AC 50382526320144047108 RS 5038252-63.2014.404.7108 (TRF-4)

Data de publicação: 29/01/2015

Ementa: TRIBUTÁRIO.CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁ-RIA A CARGO DA EMPRESA TOMADORA DE SERVIÇOS. LEI 8.212 /91, ART. 22 , IV, NA REDAÇÃO DADA PELA LEI 9.876 /99. INCONSTITUCIONALIDADE. COMPENSAÇÃO. Esta Corte adequou-se à jurisprudência do Supremo Tribunal Federal que, no julgamento, na modalidade de repercussão geral, do Recurso Extraordinário nº 595.838, declarou a inconstitucionalidade do inciso IV do art. 22 da Lei 8.212 /1991, com a redação dada pela Lei nº 9.876 /1999. O indébito pode ser objeto de compensação com parcelas relativas a tributo de mesma espécie e destinação constitucional (arts. 66 da Lei 8.383 /91, 39 da Lei 9.069 /95 e 89 da Lei8.212 /91), devidamente corrigido pela SELIC, desde a data do recolhimento indevido, respeitando o disposto no art. 170-A do CTN. Encontrado em: julgado. PRIMEIRA TURMA D.E. 29/01/2015 - 29/1/2015 APELAÇÃO CIVEL AC 50382526320144047108 RS 5038252-63.2014.404.7108 (TRF-4) MARIA DE FÁTIMA FREITAS LABARRÈRE

 

                                      A compensação é um procedimento administrativo regulado pela Instrução Normativa RFB nº 1.300, de 20/11/2012 e alterações (DOU de 21/11/2012) que estabelece normas sobre a restituição, a compensação, o ressarcimento e o reembolso, no âmbito da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). 

 

                                      O Art. 41 dessa IN dispõe que “o sujeito passivo que apurar crédito, inclusive o crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado, relativo a tributo administrado pela RFB, passível de restituição ou de ressarcimento, poderá utilizá-lo na compensação de débitos próprios, vencidos ou vincendos, relativos a tributos administrados pela RFB, ressalvadas as contribuições previdenciárias, cujo procedimento está previsto nos arts. 56 a 60, e as contribuições recolhidas para outras entidades ou fundos”.

                                  

                                      Assim, o procedimento de compensação da contribuição previdenciária, em tela, obedece aos arts. 56 a 60 da referida IN.

 

                                      No caso concreto da Entidade, houve o trânsito em julgado da decisão, autorizando a restituição dos valores recolhidos indevidamente.

                                      É conferida, na condição de contribuinte detentora de decisão judicial que lhe foi favorável, a possibilidade de executar o título judicial, pretendendo o recebimento do crédito por via do precatório ou proceder à compensação tributária, e a jurisprudência dominante agasalha essa possibilidade, a exemplo, da EMENTA, a seguir transcrita:

 

                                         RECURSO ESPECIAL Nº 694.663 - PR (2004/0142848-6)

EMENTA

PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. SENTENÇA CONDENATÓRIA DO DIREITO À COMPENSAÇAO DE INDÉBITO. REPETIÇAO POR VIA DE PRECATÓRIO. POSSIBILIDADE.

1. A obtenção de decisão judicial favorável trânsita em julgado, proferida em ação condenatória, confere ao contribuinte a possibilidade de executar o título judicial, pretendendo o recebimento do crédito por via do precatório, ou proceder à compensação tributária, haja vista que constituem ambas as modalidades, formas de execução do julgado colocadas à disposição da parte quando procedente a ação.

2. Precedentes do STJ. (RESP 232002/CE, Relator Ministro João Otávio de Noronha, DJ de 16.08.2004; AGA 471645/RS, Relator Ministro Castro Meira, DJ de 19.12.2003; RESP 551184/PR. Relator Ministro Castro Meira, DJ de 01.12.2003; AGA 348015/RS, Relator Ministro Francisco Falcão, DJ de 17.09.2001; AGRESP 227048/RS, Relatora Ministra Nancy Andrighi, DJ de 26.03.2001; RESP 227059/RS, Relator Ministro Francisco Peçanha Martins, DJ de 1º.09.2000).

3. Recurso Especial provido, para reformar o acórdão recorrido, nos termos da fundamentação, mantendo-o quanto ao mais.

 

                                     Em seu voto, o Exmo. Sr. Ministro Luiz Fux, afirma: “Lastreia-se referido entendimento na assertiva de que, obtendo o contribuinte título judicial favorável, não se lhe pode negar o direito de restituir-se por via de compensação.”

 

                                      Resta saber, o que seria mais vantajoso. Isso, a nosso ver, implicaria na feitura de um planejamento tributário, a fim de se apurar as vantagens de um ou outro procedimento, ou seja, via precatório ou compensação administrativa, envolvendo aspectos jurídicos, tributários, contábeis, de inteligência fiscal e de gestão estratégica.

 

 

                                      

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marco Aurelio Bicalho De Abreu Chagas) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados