JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Jornalismo Ambiental :Entre a Lama de Mariana e a Lama da Política Nacional


Autoria:

Carolina Salles


Mestre em Direito Ambiental

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Esse artigo descreve sucintamente a forma como a midia investiga, compreende e divulga o meio ambiente e crimes ambientais

Texto enviado ao JurisWay em 05/04/2016.

Última edição/atualização em 12/04/2016.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

O Brasil sofreu no último ano dois grandes desastres: um político e um ambiental. Ambos geraram uma lama tóxica que talvez só o tempo seja capaz apagar. Falamos sobre a crise do governo Dilma e o desastre em Mariana, com o rompimento da barragem da empresa San Marco. Mas vejam como um apagou o outro dos noticiários, deixando um prejuízo ambiental fantástico e pessoas impunes aos delitos praticados.

O rompimento da barragem de rejeitos, é o maior da história mundial. Destruiu inteiramente o distrito de Bento Rodrigues. No entanto, o que assusta é o ineditismo numérico: seriam necessários quase seis bilhões de dólares para recuperar a área. Ms por que este assunto não interessa a população? O que efetivamente está por trás de tudo isso?

É óbvio que as questões ambientais e em especial a sua preservação, não interessam ao capitalismo brasileiro. Ao contrário. Existe uma sistemática tentativa de minimizar todas as regras protetivas, alegando-se sempre, que o desenvolvimento econômico não acontece em muitas regiões, em decorrência destas regras.

Este discurso acaba sendo internalizado pela população. Os temas ambientais estão longe da política e dos noticiários. E a própria pulação não consegue visualizar que os recursos naturais são finitos. A questão da água é um grande exemplo disso. Continuamos a desperdiçar, como se nossos mananciais e nossas reservas fossem capazes de durar séculos, quando na verdade, durará apenas algumas década.

A tragédia de Mariana tende a cair no esquecimento, enquanto o cenário político brasileiro estiver turbulento e especialmente, impregnado com políticos que vêem no viés economicista a única saída para as crises que o próprio capitalismo impõe. Cabe, portanto a nós, ficarmos relembrando. Não apenas para recuperar, mas para que novos desastres não aconteçam.

O tema do meio ambiente, precisa ser melhor compreendido no jornalismo. Não pode e nem deve ficar adstrito a cobertura dos desastres e muito menos, simplificá-lo em simples tabelas matemáticas. É fundamental que seja investigatório e esclarecedor, a fim de oportunizar que a população compreenda a necessidade premente de se apropriar desta questão.

Mais do que isso, a educação ambiental precisa estar presente no cotidiano do brasileiro. É necessário que essa preocupação venha do berço, mas também nas escolas e que a mídia reforce a necessidade deste diálogo. Não podemos nos lembrar do meio ambiente apenas em um dia especial, como por exemplo, o dia do meio ambiente ou achar que fazemos nossa parte apagando as luzes de casa por uma hora, na chamada Hora do Planeta e nos outros dias, deixar as luzes de casa acessas sem necessidade, utilizar a água sem se preocupar que ela é um recurso finito.

O debate deve ser mais profundo do que apenas o anúncio em um único dia e deve acontecer diariamente. Nem mesmo no dia da água, que foi celebrado, no último 22 de março, a tragédia de Mariana foi lembrada. O Rio Doce foi devastado e esquecido no meio da lama da Samarco e da Vale, cujo nome não e mencionado em mais nenhuma notícia. Aliás, nem a Samarco é mais mencionada, ninguém cobra a dívida que esta tem com a população, com todas as espécies mortas e com a biodiversidade vitimada.

À mídia interessa apenas o que traz retorno imediato e não apenas de audiência, mas para seus interesses escusos e questionáveis. Vemos incontáveis reportagens sobre política, muitas apoiando as ilegalidades cometidas durantes as investigações da Operação Lava Jato, tudo em nome de um jornalismo que de imparcial não tem nada ou quase nada.

Queremos sim, que todos paguem a sua conta e somente as que, de fato, lhes cabem. Não queremos que um único partido seja culpado enquanto os demais não são sequer investigados. É a seletividade da mídia que incomoda e a sua falta de memória também. A tragédia de Mariana não figura mais em nenhum noticiário, mesmo sendo a maior de todas, nunca o meio ambiente brasileiro foi atacado desse jeito, mas a indignação acabou, a Samarco, aos poucos, se livra da conta e de suas responsabilidades, de reparar os danos ambientais causados e ninguém parece se importar realmente.

Carolina Salles, graduada em Direito, Mestre em Direito Ambiental e Ativista Animal

Fernanda Favorito, graduanda em Direito, Mestre em Hospitalidade e Pós - graduada em Gestão Empresarial

Júlio Mahfus, graduado em Direito, Professor Universitário e ex- Procurador Geral de Cachoeira do Sul

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carolina Salles) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2018. JurisWay - Todos os direitos reservados