JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

REALIDADE DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO PARA SUA REINTEGRAÇÃO NA SOCIEDADE.


Autoria:

Paula Ronelia Francelino De Lima


Bacharel em direito. Faculdade Paraíso do Ceará.

envie um e-mail para este autor

Resumo:

O Estado quando condena um indivíduo que cometeu um crime e por consequência aplica a ele uma pena restritiva da liberdade, teoricamente, acredita que após o cumprimento da sentença o indivíduo estará pronto para voltar,em harmonia ao convívio social

Texto enviado ao JurisWay em 25/06/2013.

Última edição/atualização em 08/07/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

REALIDADE DO SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO E A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO PARA SUA REINTEGRAÇÃO NA SOCIEDADE.

                                                          

                                                         PAULA RONELIA FRANCELINO DE LIMA

                                                                                   ACADÊMICA DE DIREITO

                                                               TALINE KESLA FERREIRA PEREIRA

                                                                                   BACHAREL EM DIREITO

 

 

SUMÁRIO:RESUMO.PALAVRAS-CHAVE.INTRODUÇÃO.OBJETIVO. METODOLOGIA. 1.HIPOTESES 2.REFERENCIAL TEÓRICO. CONCLUSÃO.REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS.

 

RESUMO

           A questão da ressocialização no sistema penitenciário brasileiro torna-se amplamente discutido na doutrina, jurisprudência e nas academias, possuindo também vários artigos sobre essa questão.

Não há como deixar de abordar um tema tão importante os problemas existentes nas penitenciárias brasileiras, pois quase diariamente vemos a imprensa noticiar a falta de vagas nos presídios e o estado precário dos estabelecimentos já existentes, fatos que só prejudicam as expectativas de recuperação dos preso. Também é sabido que o alto custo para a criação e a manutenção dos estabelecimentos carcerários determina um terrível desgaste da responsabilidade do Governo pela questão.

O Estado quando condena um indivíduo que cometeu um crime contra a sociedade e por conseqüência aplica a esse uma pena restritiva da liberdade, teoricamente, acredita que após o cumprimento da sentença expedida esse indivíduo estará pronto para voltar, em harmonia ao convívio social. O isolamento forçado, o controle total da pessoa do preso não podem constituir treinamento para a vida livre, posterior ao cárcere. Para tudo agravar, o estigma da prisão acompanha o  egresso, dificultando seu retorno à vida social.

 

PALAVRAS-CHAVE: RESSOCIALIZAÇÃO. PRESO. PENITENCIÁRIAS. BRASIL.                                              

 

 

INTRODUÇÃO         

          A Lei nº 7.209, de 11 de julho de 1984, Lei de Execução Penal (LEP) define juridicamente as formas e os modos de cumprimento de pena após condenação criminal. Em termos normativos pode ser interpretada como sendo composta de três objetivos primordiais: aqueles que dizem respeito à garantia de bem-estar do condenado; à necessidade de classificação do indivíduo e a individualização da pena; e à assistência necessária dentro do cárcere – e os deveres de disciplina–, enquanto estiver cumprindo a pena (BRASIL, 2005, p. 541-563).

A LEP porem não tem aplicação efetiva na nossa realidade. Apesar de ter um caráter de norma ideal que congrega punição, humanidade, ressocialização e reinserção do preso na sociedade.

Existem uma distância entre a determinação da lei e a execução prática do cumprimento da pena. Ou seja, a forma com que o Estado vem mantendo as prisões, provavelmente seja uma situação mais humilhante do que a aplicação de castigos que existia antigamente. Hoje, mistura-se presos primários com reincidentes, em cela superlotadas, que deveria abrigar seis e abriga vinte no total, onde doentes são misturados com indivíduos sadios, todos mantidos na ociosidade e, sem as mínimas condições de higiene.

A promiscuidade interna é tamanha que com o tempo leva o preso, a perder o sentido de dignidade e honra que ainda lhe resta; isto é, em vez do Estado via cumprimento da pena, nortear a sua reitegração ao meio social, dotando o encarcerado a capacidade é tica, profissional e de honra, age de forma inversa, inserindo o condenado num sistema que segundo Oliveira apud Coelho (2003, p.1):

 

Nada mais é do que um parelho destruidor de sua personalidade, pelo qual não seve para o que diz servir, neutraliza a formação ou o desenvolvimento de valores; estigmatiza o ser humano; funciona como máquina de reprodução da carreira do crime; introduz na personalidade a prisionização da nefasta cultura carcerária; estimula o processo de despersonalização; legitima o desrespeito aos direitos humanos;

 

 

          OBJETIVO

 

           Analisar historicamente o sistema prisional brasileiro, a sua crise atual e como ela está relacionada ao elevado número de reincidência entre os apenados, levando em consideração a ressocialização como fator primordial para redução de reincidências.

      METODOLOGIA

       “A pesquisa bibliográfica é meio de formação por excelência e constitui o procedimento básico para os estudos monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado tema. Como trabalho científico original, constitui a pesquisa propriamente dita na área das ciências humanas.”(Amado L. Cervo, p.61, ano 2006).

       O método utilizado será o dedutivo, que segundo LAKATOS, 2010 p quando os se parte das teorias e leis, na maioria das vezes prediz a ocorrência dos fenômenos particulares.

1.     HIPÓTESES

        Precipuamente, parte-se da hipótese de que o Brasil é o pais da America latina com a maior população carcerária, e com o maior déficit de vagas nos presídios. O infrator após cometer ato ilícito é levado à custódia do Estado e a forma que é punido tem que ser eficaz e a pena deve ser justa, uma vez que o condenado deve estar recuperado quando sair da prisão, pronto para reincorporar-se à sociedade e não mais agir em desacordo com a lei.

        O tratamento pretendido na ressocialização é incompatível ao encarceramento que o estado propõe, pois a prisão causa um efeito devastador sobre a personalidade do detento, tornado-se uma escola do crime.

       Portando, propõe-se que para minimizar essa distorção, seria necessário a criação de estabelecimentos prisionais de quadros técnicos, como almejou o legislador ao lapidar a Lei de Execução Penal, sendo esse quadro composto por profissionais treinamento direcionado para atuação dentro do sistema penitenciário. Com essa medida espera-se valorizar o sujeito delinqüente ao tempo em que implanta-se um política de prevenção dentro dos presídios, ganhando, assim o Estado, sociedade e próprio infrator, pois este terá mais possibilidade de reabilitação e consequentemente não irá reincidir, dado que com o quadro suprido haverá maior possibilidade de dispensar um tratamento de acordo com o perfil de cada apenado, como preconiza a Lei 7.210/ 84 - LEP. Ocorre, que não existe um programa que atenda as peculiaridades de cada preso e possibilite o retorno dos mesmo a sociedade.  

                                                   

  2.REFERENCIAL TEÓRICO

Diante da complexidade de entendimentos doutrinários causadas ao falar sobre a ressocialização do preso no Sistema Prisional Brasileiro, faz-se necessário um explicação detalhada do  assunto, visando dirimir  dúvidas. Entretanto, para que isso seja possível será fundamental a opinião de alguns autores, sobretudo, no que diz respeito ao posicionamento deles sobre o tema.

A princípio será feito um estudo da parte histórica de como surgiu o direito de punir e a partir desse direito como surgiram as primeiras prisões.

Salienta Eugenio Raúl Zaffaroni que a pena, há séculos procura um sentido e não encontra, simplesmente , porque não tem sentido a não ser como manifestação de poder.

 Segundo Foucault apud Porto (2008), explica que é preciso eliminar a confrontação física entre o Estado e o condenado. O Estado não pode ceder a sede de vingança e ao prazer de punir, visto da perspectiva do povo. É preciso que  a justiça criminal puna em vez de se vingar.

Salienta Porto (2008), o direito de punir está historicamente ligado á vingança do soberano e não a defesa da sociedade.  A modificação desse entendimento jurídico só ocorreu com o surgimento do sistema carcerário, que nos permitiu legitimar o poder disciplinar, de forma de banir, ainda que através de método falho, a forma de punição ligada a vingança, aplicada aos corpos dos condenados.

De acordo com Cordeiro (1998), a partir do século XVIII e inicio do século XIX a prisão passou a ser a própria representação do poder de punir e a pena prisional passou a ser aplicada por excelência a quase todos os tipos de crime. Porém, a pena de prisão, por inúmeras razões era e ainda  é criticada , pois é considerada inútil e nociva, incapaz de atingir as finalidades retributivas, preventiva e ressocializadora a que se propõe.

De acordo com os ensinamentos de Porto, (2008 p.09) a idéia de ressocialização e reeducação, só surgiu no nosso pais, em 1890, com a criação do regime penitenciário e caráter correcional.

Ainda seguindo os ensinamentos de Porto (2008), o desafio  de devolver aos condenados os hábitos  sociabilidade através da técnica de isolamento vem, ao longo dos anos no Brasil e no mundo, gerando intermináveis debates sobre os meios de tornar eficaz e prisão.

Segundo Porto (2008), a primeira prisão brasileira foi inaugurada em 1850 e denominada Casa de Correição da Corte, mais conhecida nos dias de hoje como Complexo Frei Caneca, no Rio De Janeiro. O primeiro presidio brasileiro, incorporou o modelo panóptico de estrutura, pelos irmãos Benrham, dando ênfase luminosidade nas instalações. Nesse sistema, as celas possuem duas janelas, uma voltada para o interior  e a outra para o exterior, permitindo que a luz atravesse o ambiente de lado a lado.  A arquitetura dessa composição é marcada pela formação de anéis nas extremidades,em que ficam as celas, e por uma torre central, com visão ampla do ambiente.

Seguindo os ensinamentos de Cordeiro (1998), é através do sistema penitenciário que o Estado promove a execução das sanções penais.

De acordo com Muakad, (1996), o sistema penitenciário é a organização criada pelo Estado para a execução das sanções penais que importem privação ou restrição da liberdade individual.

Porto, (2008) afirma que de acordo com dados publicados pela Fundação internacional Penal, e Penitenciária, o Brasil é o pais da America Latina com a maior população carcerária, bem como com o maior déficit de vagas vinculadas ao sistema penitenciário. A superlotação é um dos problemas mais graves que aflige o sistema prisional brasileiro, inviabilizando as técnicas de ressocialização, a super- população tem ocasionado a  morte de detentos face a propagação de doenças contagiosas, como a tuberculose, entre a população carcerária.

De acordo com o censo penitenciário nacional, 1994, 1/3 da população carcerária nacional é portadora do vírus HIV. O custo médio para a manutenção do preso no Brasil é de 3,5 salários mínimos por mês, variando entre diversos Estados da federação.

Junqueira (2005), afirma que em relação a devida assistência a saúde do preso, serão dados aos presos e internados, tratamento preventivo e curativo, alem dos atendimentos medico, farmacêuticos, odontológicos e psicológico, porém são mais dificuldades então suportadas. A assistência jurídica é precária pois faz do preso um verdadeiro refém das mazelas da justiça.

 

CONCLUSÃO

 

O modelo ressocializador propugna, portanto, pelo neutralização, na medida do possível, dos efeitos nocivos inertes ao castigo por meio de uma melhoria substancial ao seu regime de cumprimento e de execução e, sobre tudo, sugere uma intervenção positiva no condenado que, longe de estigmatizá-lo com uma marca indelével , o habilite para integrar-se e participar da sociedade, de forma digna e ativa, sem traumas, limitações ou condicionamentos especiais.( MOLINA, 1998, p. 383).

Faz-se necessário mostrar o panorama do Sistema Penitenciário é apontar que a ressocialização pode não estar sendo atingida, sendo um problema tanto para o governo, quanto para a sociedade. Esse ser que foi aprisionado vai ser liberto um dia, e ele vai voltar para sociedade sem ter aprendido valores que façam com que se ajuste a sociedade, provavelmente ele voltará, embrutecidos em decorrência do ambiente no qual estava.

Com isso, demonstra-se que a estrutura do sistema não cumpre uma de suas principais finalidades que é a ressocialização do condenado. Desta forma, o detento que cumpre pena, retorna ao convívio social, muitas vezes, pior do que quando começou a cumprir sua pena . A superlotação das prisões, as precárias e insalubres instalações físicas, a falta de treinamento dos funcionários responsáveis pela reeducação da população carcerária e própria condição social dos que ali habitam, são, alguns dos principais fatores que contribuem para o fracasso do sistema penitenciário brasileiro no tocante a recuperação social dos seus internos.

Diante desses fatos verificamos a importância da temática exposta, bem como contribuição a todos os brasileiros, em especial aos acadêmicos de direito, advogados, ao Poder Judiciário e aos que compõem as novas conformações sociais e que lutam  para melhorar a crise do sistema penitenciário e apontar soluções para esse problema.

Assim, espera-se que este trabalho possa ser útil reforçando que a ressocialização é a melhor solução para evitar a reincidência, levando em consideração o Estado deve se esforçar e melhorar as condições lamentáveis.

 

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS 

PORTO, R. Crise Organizado no Sistema Prisional,- 1. Ed- 2. Reimpr- São Paulo: Atlas, 2008

CORDEIRO, G.C. Privatização do sistema prisional brasileiro-  Rio de Janeiro, 1998

FOUCAULT,M. Vigiar e punir. 29. Ed. Petrópolis: Vozes, 2001

ZAFARONI, E. R . Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema penal. Rio de Jeneiro:Revam, 1991

MUAK.AD, I. B. Pena privativa de liberdade. São Paulo: Atlas, 1996

BITENCOURT, C.R. Falência da pena de prisão: causas e alternativas. 2. Ed.São Paulo: Saraiva, 2001

JUNQUERIA I. C. Dos direitos humanos do preso. São Paulo:- Lemos e Cruz, 2005.

LAK ATOS, E.M. Metodologia do trabalho cientifico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos/ Maria de Andrade Marconi, Eva Maria Lakatos.- 7 ed. – 5. Reimpr. – São Paulo: Atlas, 2010

COE LHO,  D. V. A crise no sistema penitenciário brasileiro, 2003.

FOUCAULT,M. Vigiar e punir. 37. Ed. Pretropolis: Vozes, 2009

DEL OLMO, R. A America Latina e sua criminologia/ Rosa Del Olmo. – Rio de Janeiro; Revan: ICC, 2044

DE CASTRO, L. A. Criminologia da libertação/ Lola Aniyar de Castro. – Rio de Janeiro: Revan: ICC, 2005.

DUTRA Y. F. Como se estivesse morrendo, 2011

 

 

 

                                     

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Paula Ronelia Francelino De Lima) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados