JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Novo CPC com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

QUEM ENTENDE ARTE?


Autoria:

Marcus Vinicius De Oliveira Ribeiro


Advogado pela OAB-PR formado na União Latino-Americana de Tecnologia - ULT - Polo Jaguariaíva, orientador de normas e pesquisa científica. 25 anos

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Uma análise da obra traçando os caminhos dos pensamentos sobre arte reconhecida em si mesmo.

Texto enviado ao JurisWay em 25/04/2013.

Última edição/atualização em 30/04/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

 

Quem entende arte?

 

 

25 de Abril de 2013

ANÁLISE DO LIVRO “CAMINHOS DA FILOSOFIA” DE PAULO GHIRALDELLI

 

Uma análise da obra traçando os caminhos dos pensamentos sobre arte reconhecida em si mesmo. 

 

 

Danto, filósofo aposentado que hoje trabalha como crítico de arte em um jornal de esquerda nos Estados Unidos da América alude que para falar de arte é preciso abranger o mundo todo da arte.

O objeto criado em si questiona e argumenta sobre todos os aspectos sobre o que é ser belo, passando a ser uma consciência do homem, ou em outras palavras, seu espelho. Teoria explicada pela psicologia como exercício de autoconhecimento. A arte neste momento dispensa a filosofia, pois ela mesma por si só filosofa.

Hegel escrevia que “A mente reconhece a si mesma na arte, o que leva a valorização da intimidade na arte”. Nota-se uma conexão feita por muito filósofos contemporâneos ou não dizem o mesmo. A criação do homem vem de seu íntimo que por sua vez é um pedaço de tal, sendo a sua história, sendo consequentemente a história da humanidade.

A associação da arte somente ao belo já não existe, e nunca existiu. O que importa na verdade é o significado do objeto, comunicando sua mensagem e conteúdo, demonstrando a intenção do artista na obra.

Em 1955, Morris Waice em um artigo chamado “O Papel Da Teoria e Estética”, escreveu que é impossível definir arte com apenas um conceito, sendo assim, o mesmo definiu a arte de certo modo ao dizer que “arte é um conceito aberto”.

Existe uma vertente de estudo da arte, a Teoria Institucional da arte que afirma ser, quase em todos os cinco pontos,  a arte é direcionada apenas para pessoas com um nível de entendimento elevado. Teoria presunçosa, pois e toda forma de arte é uma consciência e o sujeito vê nela ele mesmo, como disse Hegel, qualquer pessoa em sua ignorância artística pode ser ou entender arte. Se assim não o fosse, era possível afirmar a existência de uma espécie de síndrome vampírica artística, em que a pessoas não seria capaz de enxergar ela mesma diante de uma obra de arte partindo do princípio de que toda arte é um espelho.

A arte é um resultado do “fazer”. Logo, nem tudo que é bonito é arte, sendo um retrato do homem e sua sociedade, não necessariamente sendo bonita, já que a consciência humana é muitas vezes obscura e acaba por exportar seus desejos e aflições em uma obra.

         Na arte como diz Augusto Conte, “a humanidade se contempla contemplando, se interroga interrogando, se reconhece conhecendo”. Kant dizia que “a arte não é representação de uma coisa bela, mas sim a bela representação de uma coisa”. Logo se conclui que a arte não precisa ser bonita e sim representativa. A arte não imita as coisas, simplesmente representa e contempla a homenageando-a, sendo o importante sentir e não entender.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Marcus Vinicius De Oliveira Ribeiro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados