JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DESONERAÇÃO DA FOLHA E PREVIDÊNCIA FOI AMPLIADA MAIS LIMITE DO LUCRO PRESUMIDO E SEM INCLUIR O SETOR DA SAÚDE


Autoria:

Roberto Rodrigues De Morais


Roberto Rodrigues de Morais Especialista em Direito Tributário. Ex-Consultor da COAD Autor do Livro on-line REDUZA DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS. robertordemorais@gmail.com

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Apesar de VETAR na MPV 582 o aumento do limite do Lucro Presumido, mas incluí-lo na MP 612/2013 o Governo corrigiu a distorção, tão reclamada por todos. Porque não incluiu a o SETOR DE SAÚDE na desoneração?

Texto enviado ao JurisWay em 07/04/2013.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

DESONERAÇÃO DA FOLHA E PREVIDÊNCIA FOI AMPLIADA MAIS LIMITE DO LUCRO PRESUMIDO 

E SEM INCLUIR O SETOR DA SAÚDE.

 

Roberto Rodrigues de Morais
Elaborado em 04/2013

Apesar de VETAR na MPV 582 o aumento do limite do Lucro Presumido, mas incluí-lo na MP 612/2013 o Governo

corrigiu a distorção, tão reclamada por todos. Porque não incluiu a o SETOR DE SAÚDE na desoneração?

 

A resposta é simples:

 

A política para o setor de saúde, que conheço há quase 50 anos, pois era funcionário do Ex-IAPI

(ocasião que ocorreu a fusão dos IAP’s e a criação do INPS em1967) quando deu início ao atendimento

gratuito na saúde, pelo INPS – hoje SUS – mas apenas para quem tinha mais de 6 meses de

CTPS assinada. No Governo Collor uma lei (regulamentando preceito contido na CF/1988)

estendeu o atendimento a todos os cidadãos brasileiros e de forma igualitária. Entretanto,

os mesmos problemas que vimos como falta de médicos, baixos salários para os funcionários do

setor, longa fila para marcar consultas especializadas e exames – atualmente a Capital de SP

 tem mais de 800 mil na fila desses atendimentos, alguns por quase 3 anos e onde temos o terceiro

maior orçamento do país, superado apenas pela UNIÃO e Estado de SP – e em pleno 2013 os problemas

são os mesmos de 1967.

 

Entretanto, a letargia do Congresso em regulamentar os outros preceitos contidos na CF/1988 foi

visível, como por exemplo, a “omissão” em legislar sobre o Aviso Prévio proporcional,

necessitando da intervenção do STF para que a Casa Legislativa Federal votasse a necessária

Lei.

 

 A resposta do “por que” de SUCATEAR o setor da SAÚDE: Para o crescimento do setor que propõe

atender somente particulares e convênios com planos de saúde que resulte em LUCRO para

os investidores que controlam os hospitais particulares.

 

É visível a diferença entre a capacidade financeira de grandes grupos, que optaram por esse

tipo de atendimento se confrontar a realidade dos pequenos hospitais particulares e que dependem

do SUS para sobreviver.

 

Portanto, "SUCATEAR A SAÚDE PARA PREVALECER O MODELO AMERICANO":

- Naquele modelo QUEM PAGA PELOS BONS PLANOS DE SAÚDE TEM SAÚDE DE PRIMEIRA.

Ao contrário, quem não paga MORRE! Veja documentário de Michael Moore sobre a saúde nos E.U.A.

que utiliza, inclusive, os bombeiros americanos com problemas pulmonares decorrentes de suas

atuações nos lamentáveis e tristes episódios das TORRES GÊMEAS decorrentes dos atentados.

Ele levou os Bombeiros Americanos, com seus problemas, a CUBA onde foram recebidos com honra pelos

bombeiros cubanos e ganharam remédios. No CANADÁ ele elogiou e mostrou americanos que ultrapassam

as fronteiras e VÃO SETATAR NO CANADÁ!

 

Basta comparar a qualidade da SAÚDE, EDUCAÇÃO, SEGURANÇA, MORADIA e quantidade de

MISERÁVEIS do BRASIL e seu IDH X todos os serviços prestados e qualidade de habitação e IDH do

CHILE. O modelo político/social muito melhor está bem perto de nós: Bastaria pesquisar COMO ELES

CONSEGUIRAM MUDAR E EVOLUIR e encontrarmos fórmulas para implantar seu modelo aqui, com as cabíveis

Adaptações às nossas necessidades.

 

Ex.: O modelo de combate à inflação que deu certo no Brasil foi desenvolvido por brasileiros,

testado em ISRAEL (e deu certo por 5 anos) até que o Brasil resolveu implantá-lo aqui.

Conseguimos – não acabamos com a inflação – mas saber “como” controlá-la. Foi preciso coragem para

a tomada da decisão política e não ser covarde: Isto ITAMAR FRANCO teve  de sobra, durante toda sua

ilibada carreira política.

 

Voltando ao tema da MP 612/2013:

Área Trabalhista e Previdenciária.

 

 A partir de 01/01.2014, novos setores da economia serão abrangidos pela desoneração da folha de pagamento.

 

   

A Medida Provisória nº 612/2013, divulgada na Edição Extra do DOU de 04.04.2013, determinou que, “a partir

 de 1º.01.2014, passarão a ser abrangidas pela desoneração da folha de pagamento, entre outras, as seguintes

empresas:

 

a)     de transporte rodoviário coletivo de passageiros por fretamento e turismo municipal,

b)     intermunicipal em região metropolitana, intermunicipal, interestadual e internacional,

 enquadradas na classe 4929-9 da CNAE 2.0;

 

c)     de transporte ferroviário de passageiros, enquadradas nas subclasses 4912-4/01 e 4912-4/02 da CNAE 2.0;

d)     de transporte metroferroviário de passageiros, enquadradas na subclasse 4912-4/03 da CNAE 2.0

e)     que prestam os serviços classificados na Nomenclatura Brasileira de Serviços (NBS), instituída pelo Decreto

 nº 7.708/2012, nos códigos 1.1201.25.00, 1.1403.29.10,1.2001.33.00, 1.2001.39.12, 1.2001.54.00,

1.2003.60.00 e 1.2003.70.00

;

e) de construção de obras de infraestrutura, enquadradas nos grupos 421, 422, 429 e 431 da CNAE 2.0;

f) de engenharia e arquitetura enquadradas no grupo 711 da CNAE 2.0;

g) de manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos enquadrados nas classes 3311-2,

3312-1, 3313-9, 3314-7, 3319-8, 3321-0 e 3329-5 da CNAE 2.0;

h) que realizam operações de carga, descarga e armazenagem de contêineres em portos

organizados, enquadrados nas classes 5212-5 e 5231-1 da CNAE 2.0;

 

i)      de transporte aéreo de passageiros e de carga não regular (táxi-aéreo), nos termos da Lei nº 7.565/1986,

enquadradas na classe 5112-9 da CNAE 2.0;

 

j) de transporte rodoviário de cargas, enquadradas na classe 4930-2 da CNAE 2.0;

k) de agenciamento marítimo de navios, enquadradas na classe 5232-0 da CNAE 2.0;

l) de transporte por navegação de travessia, enquadradas na classe 5091-2 da CNAE 2.0;

m) de prestação de serviços de infraestrutura aeroportuária, enquadradas na classe 5240-1 da CNAE 2.0;

n) de transporte ferroviário de cargas, enquadradas na classe 4911-6 da CNAE 2.0; e

o) jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens de que trata a Lei nº 10.610/2002, enquadradas

nas classes 1811-3, 5811-5, 5812-3, 5813-1, 5822-1, 5823-9, 6010-1, 6021-7 e 6319-4 da CNAE 2.0.”

 

VIGÊNCIA:

 

 “Art. 28. Esta Medida Provisória entra em vigor:

I - a partir do primeiro dia do quarto mês subsequente ao da publicação desta Medida Provisória, em relação:

a) ao art. 18;

b) ao art. 19; e

c) à alínea "u" do inciso I do caput do art. 26; e

d) ao inciso II do caput do art. 26;

 

II - a partir de 1º de janeiro de 2014 em relação:

a)     aos incisos V a XI do caput do art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, acrescentados pelo art. 25 desta Medida

      Provisória;

b)     aos incisos de XIII a XX do § 3º e ao § 6º, do art. 8º da Lei nº 12.546, de 2011, acrescentados pelo art. 25 desta

Medida Provisória;

c) às alíneas de "a" a "s" do inciso I do caput do art. 26; e

d) ao art. 27; e

 

III - na data de sua publicação para os demais dispositivos, produzindo efeitos quanto ao art. 22 a partir da entrada

em vigor da Lei nº 12.783, de 11 de janeiro de 2013.”

 

Área do Imposto de Renda

 

IRPJ - Aprovado novo limite para opção pelo lucro presumido

 

   

A Medida Provisória nº 612/2013 nos arts. 13 e 14 da Lei nº 9.718/1998, a partir de 1º.01.2014,

as pessoas jurídicas cuja receita bruta total, no ano-calendário anterior, tenha sido igual ou

inferior a R$ 72.000.000,00, ou a R$ 6.000.000,00 multiplicados pelo número de meses de atividade do

ano-calendário anterior, quando inferior a 12 meses, poderá optar pelo regime de tributação do Imposto

de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) com base no lucro presumido.

Segundo a redação anterior dos mencionados dispositivos, podiam optar pelo lucro presumido as pessoas

jurídicas cuja receita bruta total no ano-calendário anterior fosse de R$ 48.000.000,00,

ou R$ 4.000.000,00 multiplicados pelo número de meses de atividade do ano-calendário anterior,

quando inferior a 12 meses. A tramitação da MP 612 na Câmara e no Senado poderá ser alvo

de emendas que favoreçam setores esquecidos no texto do Planalto, entretanto, os habituais

VETOS da Presidenta poderão manter o “status quo” atual.  Quando sua edição em abril/2013 e

com vigência para 2014 é resultado da fórmula encontrada para amenizar críticas e pressões

vindos dos setores econômicos que estão insatisfeitos com a alta carga tributária, má qualidade de seu

retorno em serviços públicos essenciais e os gargalhos que travam o crescimento econômico.

O tempo que o Congresso utilizará para a tramitação diminuirá a distância de 04/2013 para

01/2014. Deixar a MP para 2014, em ano eleitoral, as EMENDAS eleitoreiras por certo iria

Desviar o propósito de sua edição.

NOVAS DESONERAÇÕES da folha de salários, contemplando grupos ligados à CNT (Senador Clésio Andrade), CNI e reivindicações da FENACON (Contabilistas) que foi o aumento do LIMITE DO LUCRO PRESUMIDO. Vale elogio a atuação do Presidente da FENACON, quem mais consegue dialogar com a equipe do Ministério da Fazenda, RFB, etc. e consegue resultados que

Facilitam os gestores contábeis e tributários, quando há problemas nos sites da RFB, conseguindo

Novos prazos e adiar algumas novas obrigações eletrônicas, além de ser o único representante dos profissionais liberais que conseguir a entrada no SIMPLES NACIONAL.

 

Na MP 612 FALTOU SOMENTE DESONERAR O SETOR DE SAÚDE, JUSTAMENTE do Presidente da CNS que NÃO PARTICIPOU daquela famosa reunião com os presidentes de várias CONFEDERAÇÕES de várias categorias econômicas.

A REUNIÃO ENTRE OS PRESIDENTES DAS VÁRIAS CONFEDERAÇÕES NACIONAIS REPRESENTATIVAS DAS DIVERSAS CATEGORIAS ECONÔMICAS junto ao Ministro da Fazenda, visando discutir o tema, foi divulgada e a ausência do Presidente da CNS e foi citada por nós em artigo divulgado na época.

O início do diálogo entre Governo e várias Confederações – juntas – foi um pontapé inicial para se criar alternativas para produzir soluções que beneficiam a economia, ajudando o crescimento econômico, gerando empregos e combatendo a inflação, podendo seus benefícios – se bem gerenciado por todos os envolvidos – chegar à população menos favorecida economicamente, tanto através da redução de preços como pelo aumento de suas rendas e empregos.

Não adianta cada Confederação reivindicar isoladamente, olhando para o seu próprio umbigo e contado com a força do apoio de alguns parlamentares: O BRASIL deve ser visto como um TODO.

Precisamos URGENTE descobrir um NOVO JUSCELINO KUBSTCHECK DE OLIVEIRA: Somente após colocá-lo à frente do EXECUTIVO DO PAÍS o BRASIL VAI MUDAR e para melhor. Os diversos partidos - não interessam a sigla - que governaram pós CF/1988 só fizerem projeto de poder: PRECISAMOS DE PROJETO DE NAÇÃO!

GOVERNOS MILITARES, PMDB, PDSB e PT vêem mantendo esse sucateamento há 50 anos!

NO BRASIL SOMENTE GRUPOS LIGADOS À SAÚDE "QUE NÃO ATENDEM SUS" ESTÃO BEM:

RIO:  Rede Dor e outros

SP: Albert Aisten; Sírio Libanês e Rede Dor e outros

MG: (Belo Horizonte, onde residimos) Todos conhecem bem os GRUPOS QUE ESTÃO BEM x hospitais que prestam serviços ao SUS!

 

Infelizmente essa é a nossa realidade: "SOMOS ESCRAVOS DA MATRIZ E.U.A" na política da saúde, para atender aos PODEROSOS DO SETOR DE LÁ e SEUS BILIONÁRIOS FABRICANTES DE MEDICAMENTOS! Ex: Amil negociada para uma multinacional e seu maior acionista se tornou mais um bilionário brasileiro.

Se de um lado da moeda alguns hospitais menores beneficiarão com o aumento do limite do lucro presumido, O CONGELAMENTO de outros valores do RIR/1999 (como o LIMITE para a obrigação de recolher o Adicional do IRPJ e da CSLL acima daquele valor) continua penalizando todos os setores econômicos contribuintes do IRPJ/CSLL e o que se arrecada com o congelamento NÃO JUSTIFICA a teimosia da equipe econômica em manter de forma inconstitucional e ilegal os vários congelamentos (alguns desde a década de 90 do século passado).

Concluindo, a DESONERAÇÃO inserida na MP 612/2013, esperada, mas não atendendo os setores de SERVIÇOS, tais como SAÚDE, ASSEIO E CONSERVAÇÃO além, do RH/Terceirizadas continua punido quem mais empregou em 2012: 62% dos novos postos de trabalho foram criados no último ano foi pelo setor de serviços.

Quanto aos problemas da SAÚDE PÚBLICA, citando apenas o fechamento de 42.000 leitos do SUS nos últimos 7 anos, conhecemos bem os seus fundamentos há + de 50 anos: L-A-M-E-N-T-Á-V-E-L!

(Medida Provisória nº 612/2013 - DOU 1 - Edição Extra de 04.04.2013) Fonte: Sistema “push” do Palácio do Planalto e os vários sites eletrônicos e “free” que disponibilizaram o RESUMO do conteúdo da NOVA MP.

Roberto Rodrigues de Morais

Especialista em Direito Tributário.

Ex-Consultor da COAD

Autor do Livro online REDUZA DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS.

robertordemorais@gmail.com

Se desejar conhecer mais sobre o autor, veja no link

LINKEDIN: br.linkedin.com/pub/roberto-rodrigues-de-morais/5b/9a6/a2 e clicar em VER PERFIL.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Roberto Rodrigues De Morais) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados