JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

STF DEMOROU oito ANOS PARA DECIDIR QUE CABE AO LEGISLATIVO CORRIGIR A TEBELA DO IR


Autoria:

Roberto Rodrigues De Morais


Roberto Rodrigues de Morais Especialista em Direito Tributário. Ex-Consultor da COAD Autor do Livro on-line REDUZA DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS. robertordemorais@gmail.com

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Foram precisos oito anos para que o STF apreciasse questão do congelamento da tabela do IR, distribuída ao Ministro Marco Aurélio em 12/6/2003.

Texto enviado ao JurisWay em 05/08/2011.

Última edição/atualização em 09/08/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Roberto Rodrigues de Morais

Elaborado em 08/2011

 

Foram precisos oito anos para que o STF apreciasse questão do congelamento da tabela do IR, distribuída ao Ministro Marco Aurélio em 12/6/2003, conforme se vê do andamento do processo em consulta no STF http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=388312&classe=RE&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=M

 

Colocada em pauta do plenário para julgamento, em 04/08/2006 (quase cinco anos), com voto favorável do Ministro Relator, no sentido de “que o “congelamento” da tabela do IR configuraria violação ao princípio da capacidade contributiva, e uma vantagem indevida ao Estado”.

 

A Ministra Carmem Lúcia pediu vista e, por quase cinco anos, o processo ficou pendente de julgamento procedimento comum na casa e que, na gíria carioca, “sentaram em cima do processo”, conhecido popularmente como “recurso de gaveta”. A notícia da decisão por ser vista no LIKN do STF http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=185433 .

 

A demora no julgamento da ação ajuizada SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE BELO HORIZONTE E REGIÃO impediu que se tentasse encaixar o tema nos projetos políticos das duas eleições presidenciais e para o Congresso Nacional, ocorridas em 2006 e 2010, uma vez que o STF, como guardião da Constituição Federal, era a esperança dos trabalhadores em verem corrigidas as injustiças decorrentes dos seis anos de congelamento da tabela, no Governo FHC e que, posteriormente, ficou congelada por mais três anos no Governo Lula.

 

O STF, quando o assunto em pauta do plenário não envolve causas com a União Federal, praticou o popular ativismo judicial, invadindo competência do Legislativo, em vários temas levados ao Pleno nos últimos anos.

 

Entretanto, quando o Governo Federal é parte interessada o que se vê, repetidas vezes, é a praxe de se engavetar os autos, e, com o passar do tempo, aparecer à desculpa de que o tema, se decidido a favor dos contribuintes, criará um “esqueleto tributário” de “X” bilhões de reais, para justificar as decisões favoráveis à Corte do Rei (agora da Rainha).

 

É notória a vontade do Executivo Federal em ter maioria dos Ministros da Corte indicada pelas forças políticas detentora do Poder Central. Há muito tempo estão tentando aposentar a Ministra Ellen Gracie, indicada pelo ex-presidente FHC. Não fazem o mesmo com o Ministro Celso Melo (indicado pelo ex-presidente Sarney) e com o Ministro Marco Aurélio (indicado pelo ex-presidente Fernando Collor) por serem os ex-presidentes atuais Senadores e que compõem a base Governista no Senado (um como Presidente da Casa e outro Presidente de Comissão importante no Senado).

 

Os estragos causados no bolso (conta bancária) dos contribuintes do IRPF são enormes, uma vez que desde o congelamento inicial a tabela foi corrigida aquém da inflação, do crescimento do PIB, da SELIC, enfim, qualquer parâmetro que se queira comparar.

 

Veja-se: A partir de 01/042011 o limite de isenção é de R$1.566,62 sendo que a partir de 01/01/1996 era de R$900,00. A correção, nos 15 anos – por ter sido congelada por nove anos - foi de 74,06% contra SELIC acumulada, desde 01/01/1996, de 260,08%.

 

Igualmente, quando iniciou-se o congelamento da tabela a carga tributária representava cerda de 25% do PIB, contra os 36% atuais. Não é por falta de arrecadação – sempre crescente – que não ocorreu as devidas correções das tabelas do IRRF e IRPF.

 

Em 1996 que auferia 8,3 Salários Mínimos era isento do IRRF. Atualmente que ganha 2,88 Salários Mínimos já é tributado pelo IRRF.

 

A classe média, composta por funcionários públicos civis e militares, aposentados, profissionais liberais e pequenos empresários, vem sendo extorquida pelo IRPF desde 1996. A desculpa dos governantes, não importando o partido ao qual pertencem, é de que o País estava em crise. Ora, o crescimento econômico experimentado nos últimos anos e com previsão de se manter para os próximos anos não justifica a manutenção dessa alta carga tributária onerando os contribuintes do IRPF.

 

Com a decisão Plenária do STF e a falta de vontade política dos atuais detentores do poder, especialmente no Ministério da Fazenda cujo titular da pasta está no cargo desde o governo passado e a inércia do Congresso – um Poder a Serviço do Executivo, face ao fisiologismo que impera em Brasília – ficaram os Contribuintes do IRPF órfãos e sem esperança de que o atual arrocho tributário tenha qualquer perspectiva de mudanças.

 

Roberto Rodrigues de Morais

Especialista em Direito Tributário.

Ex-Consultor da COAD

Autor do Livro on-line REDUZA DÍVIDAS PREVIDENCIÁRIAS.

robertordemorais@gmail.com

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Roberto Rodrigues De Morais) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados