JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

BENEFÍCIOS FISCAIS E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS


Autoria:

Tatiana Takeda


Tatiana de Oliveira Takeda é advogada, professora do curso de Direito da PUC/GO, assessora do Tribunal de Contas do Estado de Goiás, articulista de sites e revistas jurídicas, mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, especialista em Direito Civil, Processo Civil e Gestão Ambiental e Pós-graduanda em Direito Imobiliário.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

PORQUE A ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL PASSOU DA CASA DE UM TRILHÃO DE REAIS EM 2012

Processo Administrativo de Campos Lindos/TO

A alíquota do IPVA incidente sobre caminhonetes de cabine simples no Estado de São Paulo diante do princípio da isonomia tributária

DEFESA ADMINISTRATIVA DEVE IMPUGNAR TODAS AS TESES CONTIDAS NO AI OU NFLD PARA PROVEITOS FUTUROS NO CARF

Da Flagrante Inconstitucionalidade da alteração na distribuição dos Royalties do Petróleo

O lançamento tributário e suas diferentes formas de constituição do crédito

Resenha do Livro " O Capital no Século XXI" de Thomas Piketty

QUAL É A FORMA MAIS JUSTA DE TRIBUTAÇÃO, SOBRE RENDA OU SOBRE CONSUMO?

A Cobrança de ICMS nas Contas Relacionadas ao Consumo de Energia Elétrica

Em relação ao Sistema Tributário Nacional e à jurisprudência do STF : Constitucionalidade das TAXAS cobradas em razão exclusivamente dos serviços públicos de coleta, remoção e tratamento ou destinação de lixo ou resíduos provenientes de imóveis X Inconsti

Mais artigos da área...

Texto enviado ao JurisWay em 12/12/2008.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Tem sido amplamente discutido na seara acadêmica e na própria mídia sobre a estratégia adotada pelos Estados quando da concessão de benefícios fiscais. Essa estratégia, que foi potencializada nos anos 90, direcionou ao que se convencionou chamar de "guerra fiscal". Com o objetivo de minimizar os efeitos prejudiciais dessa competição tributária, a Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF (Lei Complementar nº 101/2000), dispôs sobre uma série de requisitos para a concessão de tais benefícios. Por óbvio, o escopo da LRF não foi obstar por completo esta prática, mas sim dotar o mecanismo de concessão de racionalidade, planejamento e, sobretudo, transparência.

Outrossim, a concessão de benefícios não pode ser meramente vista sob a ótica do direito interno. Nos dias de hoje, em face da tendência de valorização das relações internacionais, os Estados devem observar as regras firmadas por meio dos tratados internacionais.

Saliente-se que não há modos de se impedir a globalização, por ser esta vista como a quebra de barreiras entre Estados, com a conseqüente abertura dos sistemas de cada país, de cada bloco político e econômico. Esse fenômeno não encontra limites, porquanto até mesmo as culturas de cada povo estão se transformando.

Mesmo diante a multifacetada globalização, o que mais tem chamado a atenção em todo o mundo é o plano econômico. Já faz um tempo que se discute os efeitos negativos e/ou positivos da internacionalização das empresas, das atividades econômicas, em face dos reflexos sociais que impõem. Torna-se incontestável a necessidade de criação de instrumentos de harmonização internacional e, consequentemente, ou os Estados se fecham, o que se apresenta praticamente impossível, ou se adequam à nova realidade de quebra de barreiras.

Nesta nova realidade jurídica, os Estados se vêem compelidos a integrar suas ordens jurídicas às dos demais Estados. O conceito clássico de soberania passa por uma acentuada evolução. Pela pronunciada necessidade de integração econômica, os países não podem mais se fechar às realidades políticas globais.

É notório que órgãos internacionais têm como finalidade servir de foro para a tomada de decisões gerais. Os acordos relativos ao comércio internacional podem ser bilaterais, como aqueles que dispõem sobre a bitributação da renda, bem como multilaterais, a teor do General Agreement on Tariffs and Trade - GATT, sucedido pela Organização Mundial do Comércio - OMC. A OMC por sua vez, como entidade internacional distinta, tem o papel de centralizar as negociações para a implementação do comércio internacional, dispondo acerca das barreiras fiscais, tarifárias, métodos de administração e operação multilaterais.

Aparecem neste contexto algumas figuras do direito tributário e do direito financeiro que podem violar os mencionados acordos internacionais, acarretando na adoção de medidas compensatórias contra os produtos objeto das "ajudas de Estado": os benefícios fiscais e a sua possível caracterização como subsídios. Parte-se da idéia de desoneração tributária - medidas adotadas pelo legislador para evitar a incidência de determinados tributos, visando-se ao fomento de determinadas atividades empresariais, para o fim maior que é o desenvolvimento econômico. Por outro lado, os subsídios se caracterizam de acordo com as normas internacionais (Acordo sobre Subsídios e Medidas Compensatórias - ASMC), quaisquer contribuições financeiras de um governo e/ou de entidades públicas para a concessão de vantagens a uma determinada empresa, grupo empresarial e/ou até a um ramo específico da indústria (produção). Os subsídios são representados pela concessão de determinada vantagem (benefit), que não existiria naturalmente no exercício da atividade econômica. Desta forma, pode existir a concessão de um benefício fiscal que se caracterize como subsídio, por constituir vantagem específica a uma determinada empresa e/ou a uma atividade econômica.

De acordo com o jurista André Elali, a prática dos subsídios específicos, no âmbito das relações internacionais, é vedada pela OMC e a sua violação acarretará a instauração de um processo internacional e a imposição, pelos países prejudicados, de medidas compensatórias, de defesa comercial, que visam a re-equilibrar a relação de concorrência entre os países envolvidos. O Brasil, no âmbito internacional, tanto já impôs medidas compensatórias contra os subsídios do Canadá no caso das aeronaves (Technology Partnership Canadá), como já se sujeitou a elas, como no caso do PROEX (taxas de juros que eram subsidiadas e que foram substituídas por um índice internacional), por força de decisão da OMC.

Destarte, o Brasil, ao participar um acordo internacional, abre mão de parte de seu poder político interno, tendo que se sujeitar às determinações multilaterais, dentre elas as que impedem a concessão de benefícios fiscais que se qualifiquem como subsídios. O Estado que descumprir as determinações internacionais sujeitar-se-á a medidas compensatórias, numa resposta ao exercício abusivo.

Assim, no que se refere à concessão de benefícios fiscais para a redução das desigualdades regionais e sociais, deverá o Estado brasileiro respeitar os tratados firmados em âmbito internacional. Deverá, portanto, observar os limites próprios das relações internacionais.

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Tatiana Takeda) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados