JurisWay - Sistema Educacional Online
 
JurisWay - Produção de Textos com Certificado
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Santo Ivo - Patrono dos Causídicos


Autoria:

Roberto Victor Pereira Ribeiro


Graduado em Direito Publico Pós-graduado em Direito Processual Pesquisador de Ciências das Religiões, Teologia, Parapsicologia Membro da Associação Brasileira de Bibliófilos Membro da Associação Brasileira dos Advogados Advogado

envie um e-mail para este autor

Outros artigos do mesmo autor

Direito Hebraico
Introdução ao Estudo do Direito

Legitima Defesa Putativa
Direito Penal

Ter ou não direito: eis a questão!
Direito Constitucional

Figuras Jurídicas na Bíblia Sagrada
Outros

Considerações sobre o trabalho dos religiosos
Direito do Trabalho

Mais artigos...

Resumo:

Santo Ivo Padroeiro dos Advogados

Texto enviado ao JurisWay em 23/11/2008.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

        SANTO IVO – O PATRONO DOS CAUSÍDICOS
 
Ivo Helori de Kermantin nasceu em 17 de outubro de 1253 na antiga Bretanha-Francesa. Aos 14 anos, foi a Paris, onde cursou Filosofia e Teologia. Graduou-se também em Direito Civil e Direito Canônico. Era da ordem dos Franciscanos.
Ao regressar para a sua cidade-natal, Ivo aceitou ser juiz do Tribunal Eclesiástico da diocese de Rennes, corte esta que passava por momentos delicados.
Diante de muitas dificuldades, Ivo demonstrou espírito diplomático e conciliador. Através de sua imparcialidade e conhecimento jurídico, ele desfazia as inimizades e se tornava exemplo até para os que derrotados das cizânias.
Santo Ivo era conhecido como o defensor impertérrito dos necessitados, dos órfãos e das viúvas, ficando extremamente popular na sociedade como o “defensor dos pobres”, título este que levou para o seu sacerdócio. É também reconhecido na sua biografia ocasião em que exercitou labor exaustivo para a construção de hospital público, de onde passou a tratar dos doentes com as próprias mãos.
Os anais hagiográficos relatam que, certa vez, Santo Ivo livrou uma mulher pobre da prisão, sob suspeita de roubo.
Era início de primavera quando chegou aos ouvidos de Santo Ivo que uma mulher acusada de roubo estava para ser julgada e poderia ficar perpetuamente na prisão. Santo Ivo, ao saber dessa informação, se dirigiu a prisão para conversar com a mulher e ajudar no necessário. Na conversa com a mulher, esta lhe contou que dois homens haviam dado uma mala repleta de ouro para guardar e que só poderia ser devolvida na presença dos dois. Aconteceu que um dos homens usando de violência lhe obrigou a devolver a mala. O segundo homem ao encontrar a mulher perguntou-a sobre a mala e a mulher respondeu que o outro homem havia levado. Então, este homem carregou a mulher até a prisão e lhe acusou de roubo. 
Santo Ivo, neste ínterim, lançou uma tese de defesa para a mulher e conseguiu demonstrar cabalmente que a mesma havia sido enganada por dois farsantes.
Outro fato costumeiramente narrado em sua hagiografia, dispõe que Santo Ivo ia pessoalmente aos castelos buscar os cavalos e carneiros dos pobres que não haviam pagado os impostos abusivos. Depois ele mesmo ia à presença dos aristocratas conseguir uma forma de parcelar essas dívidas.
Atualmente, um biógrafo seu escreveu: “Todos os demais títulos de Santo Ivo empalidecem diante de seu renome de magistrado íntegro e de sua fama de advogado. Por isso, os homens da lei de todos os países do mundo civilizado o adotaram como padroeiro e o veneram como modelo. Cada vez que Santo Ivo pressentia uma injustiça, seu coração se inflamava e sua oratória se tornava persuasiva. Nenhum processo lhe era difícil, quando se tratava de defender a verdade ameaçada pela má-fé”.
No ano de 1992 a Ordem dos Advogados Portugueses reconheceu-o como o padroeiro dos Advogados portugueses.
Doze anos depois, com uma grande mobilização de advogados e um grande apoio do Conselho Distrital de Évora e da Delegação de Setúbal da Ordem dos Advogados, Santo Ivo teve uma imagem sua encomendada para os santeiros da região de Braga e foi colocada no Altar da Igreja de São Pedro de Palmeia.
A imagem é anualmente cultuada e honrada por advogados, juristase por todos que se sintam injustiçados e desapoiados. As cerimônias religiosas em sua homenagem ocorrem no terceiro domingo de maio ou no domingo mais próximo do dia 19 do mesmo mês. 
Seu túmulo, em Tréguier, é visitado por multidões de fiéis que fazem vigílias de oração.
 
Uma de suas preciosas relíquias foi presenteada pelo bispo de Saint-Brieuc ao bispo de Santa Maria no Brasil e, certamente, é a única de nosso país.
Essa lembrança de Santo Ivo encontra-se na Capela Cripta do Santuário da Medianeira, que foi inaugurada em 19 de maio de 1986, se tornando um local de peregrinação. Atualmente, a relíquia é visitada diariamente por advogados de Santa Maria e do Estado do Rio Grande do Sul.
Nos Estados do Norte/Nordeste existem várias igrejas homenageando Santo Ivo.
Oração de Santo Ivo:
“Glorioso Santo Ivo, lírio da pureza, apóstolo da caridade e defensor intrépido da Justiça. Vós que, vendo nas leis humanas um reflexo da lei eterna, soubestes conjugar, maravilhosamente, os postulados da Justiça e o imperativo do amor Cristão, assiste, iluminai, fortalecei a classe jurista, os nossos juízes e advogados, os cultores e intérpretes do Direito, para que, os seus ensinamentos e decisões, jamais se afastem da equidade e da retidão. Amem eles a justiça, para que consolidem a paz; exerçam a caridade, para que reine a concórdia; defendam e amparem os fracos e desprotegidos, para que, propostos todos os interesses subalternos e toda sujeição de pessoas, façam triunfar a sabedoria da lei sobre as forças da Justiça e do mal. Olhai, também, para nós, glorioso Santo Ivo, que desejamos copiar vosso exemplo e imitar as vossas virtudes. Exercei, junto ao trono de DEUS, vossa missão de advogado e protetor nosso, a fim de que nossas preces sejam favoravelmente despachadas e sintamos os efeitos do vosso patrocínio.”
Amém.
Que essas palavras cubram nosso ofício de advogado no mister de cooperar com a sociedade em busca intransigentemente da Justiça. 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Roberto Victor Pereira Ribeiro) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2017. JurisWay - Todos os direitos reservados