JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

VETO PRESIDENCIAL AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 114/2011 REPRESENTA DERROTA NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO ESPÍRITO SANTO


Autoria:

Carlos Eduardo Rios Do Amaral


MEMBRO DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Como Timóteo de Éfeso, combateremos o bom combate, guardaremos a fé.

Texto enviado ao JurisWay em 28/12/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Veto presidencial ao Projeto de Lei Complementar nº 114/2011 representa derrota no enfrentamento à violência doméstica no espírito santo

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Quase todos os estudos, dados e estatísticas – senão, a unanimidade - , oficiais e não-oficiais, apontam o Estado do Espírito Santo como o líder na violência doméstica e familiar contra a mulher no País. Ser mulher no Espírito Santo é um risco, sobreviver uma sorte. Jack, o Estripador, morreria de inveja do Departamento Médico Legal capixaba.

 

Após vários seminários, congressos, debates e discussões envolvendo Autoridades e Operadores do Direito, estes chegaram à conclusão de que o êxito das Medidas Protetivas de Urgência – leia-se, a sobrevivência da mulher vítima de violência doméstica – está inexoravelmente condicionada à presença de um Defensor Público oficiando privativamente no Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Teríamos, assim, um Defensor para o agressor, outro para a vítima.

 

No Espírito Santo, apenas na Capital Vitória temos um Defensor Público privativo para a mulher vítima de violência doméstica. Municípios como Serra, Vila Velha, Viana e Cariacica, conhecidos pelo elevadíssimo e assustador índice de violência contra a mulher, até mais do que a Capital, não possuem um Defensor privativo para a tutela das ofendidas. E essa falta de capacidade postulatória vem promovendo uma carnificina nessas Cidades.

 

Não existe milagre. Tanto nosso dedicado Defensor Público-Geral, assim como nosso atual Governador, vêm se desdobrando para promover o fortalecimento da Defensoria Pública capixaba. Mas, sem uma isonomia de subsídios com o Poder Judiciário e o Ministério Público o êxodo de Defensores para estas duas últimas Instituições é implacável. Não existe vocação que faça um excelente profissional do Direito a aceitar ganhar quase que metade de um Juiz de Direito ou de um Promotor de Justiça.

 

Destarte, a sanção presidencial ao Projeto de Lei Complementar nº 114/2011 remediaria numa tacada só a aflição de milhares de mulheres capixabas. Mencionado PLC colocaria a Defensoria Pública no mesmo pedestal orçamentário que Judiciário e Ministério Público. Finalmente, os três pilares fundamentais ao efetivo funcionamento da Justiça se nivelariam. A presença de Defensores Públicos em todos os Juizados de Violência Doméstica, sem exceção, seria uma certeza no Estado do Espírito Santo. Certamente, nossos altos índices de violência doméstica despencariam.

 

Entretanto, a Senhora Dilma Rousseff vetou o Projeto de Lei Complementar nº 114/2011. O que pode ser traduzido como a prorrogação do sofrimento de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, pela impossibilidade orçamentária de recrutamento de Defensores Públicos para atuarem nos Juizados de Violência Contra a Mulher, ou pelo menos nas Varas dos Municípios aonde a situação se encontra mais aflitiva para as vítimas.

 

Mas a esperança é, e continuará sendo, a última que morre. Vozes de todo o País se levantam contra o funesto veto presidencial. Nós, Defensores Públicos do Brasil, continuaremos a lutar até o fim da batalha. Como Timóteo de Éfeso, combateremos o bom combate, guardaremos a fé.

 

______________   

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 

 

 

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Carlos Eduardo Rios Do Amaral) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados