JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

DA AÇÃO PENAL


Autoria:

Priscilla Piton Imenes


Advogada Cível (Empresarial e Consumidor). Formada pela Universidade São Francisco/SP. Pós graduada em ciências penais na instituição de ensino LFG. Advogada da comissão do Direito Militar da OAB, subseção de Campinas/SP. www.priscillaimenes.com

Endereço: Av. Francisco Glicério, 1424 - Sala 901
Bairro: Centro

Campinas - SP
13012-100

Telefone: 19 30291445


envie um e-mail para este autor

Resumo:

Alguns aspectos da ação penal

Texto enviado ao JurisWay em 06/09/2012.

Última edição/atualização em 08/09/2012.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Da ação penal

 

Em regra a ação penal é pública  promovida pelo MP art. 129 §1º da CF através do oferecimento da denúncia art. 41 do CPP, dependendo quando a lei exigir de representação do ofendido ou requisição do ministro da Justiça (neste caso crimes contra o Presidente da República).

A ação de iniciativa privada é promovida mediante queixa do ofendido ou de quem tenha qualidade para representa-lo .

 

Condições da ação penal

 

Legitimidade – o direito de punir é do Estado;

Possibilidade jurídica do pedido – tem que haver os indícios de autoria e a prova da infração;

Interesse de agir – Existe interesse enquanto o Estado tiver o direito de punir.

Justa Causa – para que haja a justa causa tem que haver os indícios de autoria e prova da infração. A justa causa é elemento essencial ao exercício da ação penal.

____

 

Legitimado ordinário- É o Estado, através do seu representante que é o Ministério Público.

Legitimado extraordinário – O MP pode ser legitimado extraordinário para pleitear em juízo algo cujo direito não lhe pertence. Ex: Investigação de paternidade. O MP é legitimado concorrente, pois o pai e o filho tem legitimidade para tal. Além do MP, o ofendido e a vítima, nas ações penais privadas, são legitimados extraordinários.

A legitimidade extraordinária, exclui a legitimidade ordinária e a privada subsidiária da pública.

 

 

Ação Penal Pública

Princípios da APP

Obrigatoriedade- o promotor é obrigado a oferecer a denúncia;

Indisponibilidade – o promotor não pode desistir da ação penal, tão pouco do recurso  art. 42 CPP

Oficialidade – o titular da ação penal, aquele que oferece a denúncia é o MP.

Intranscendência – só pode ser processado criminalmente o autor do crime.

Indivisibilidade – se houver mais de um autor do crime, a denúncia deverá ser feita contra todos.

 

O MP tem, assim que recebe os autos de inquérito policial,  5 dias para oferecer a denúncia se o réu estiver preso e 15 dias se estiver solto. Porém se o MP dispensar o IP, esse prazo conta-se do momento em que o promotor receber as peças de informação necessária de indícios de autoria e prova da infração ou da representação do ofendido.

 

Se o MP não oferecer a denúncia dentro do prazo estabelecido acima, o ofendido pode oferecer a ação de iniciativa privada subsidiária da pública, no prazo decadencial de 6 meses. Porém, depois disso cabe ao MP aditar, repudiar, oferecer denúncia substitutiva, intervir, fornecer provas, interpor recursos e etc. Conforme artigo 29 do CPP, inclusive na Justiça Federal.

 

A ação penal pública incondicionada é aquela em que o promotor deve oferecer a denúncia sem a representação de ninguém. Já na ação penal pública condicionada a representação, o promotor precisa de autorização da vítima ou do Ministro da Justiça nos casos previstos em lei.

O prazo para a vítima representar é de 6 meses a contar da data do conhecimento da autoria, contando o dia do começo e excluindo o dia do fim.

A representação será irretratável depois de oferecida a denúncia. Na lei Maria da Penha, a retratação só pode ser feita perante o juiz.

Nos crimes contra a honra do Presidente da República ou chefe do pode estrangeiro, depende da representação do Ministro da Justiça, não há prazo, desde que o crime não venha a prescrever. O Ministro da Justiça não pode se retratar.


Ação Penal Privada

 

O titular da ação penal é o ofendido ou seu representante legal no caso de vítima incapaz.

 

Princípios da ação penal privada

Oportunidade – a vítima oferece a queixa crime se quiser;

Disponibilidade – o ofendido pode desistir da ação penal;

Indivisibilidade – havendo mais de um autor, a vítima deve oferecer a denúncia contra todos;

Intranscendência – Só se processa criminalmente quem praticou o crime.

 

Espécies da ação penal privada

1a) Propriamente dita – ocorre geralmente nos crimes contra a honra. O prazo para oferecer a queixa crime é de 6 meses do conhecimento da autoria. Ex; fui caluniado no dia 15/11/11, sabendo-se quem é o autor, contando 6 meses decadencial, meu prazo para representar termina em 14/05/12. Eu conto o dia do começo e excluo o dia do fim.

Obs: Se a vítima morrer, que pode prosseguir com a ação é o CADI , nesta ordem: conjugue, ascendente, descendente e irmão.

2a) Personalíssima – só a vítima pode oferecer a queixa. O único crime deste caso é do artigo 236 do Cp, se a vítima morrer extingue a punibilidade.

3a) Subsidiária da pública  - já descrita no item da APP.

 

 

Renúncia – Não será admitida a queixa quando houver a renúncia tácita ou expressa. A renúncia acontece antes da queixa e não precisa comunicar o criminoso. Renúncia tácita é aquela quando a prática de determinados atos são incompatíveis com a vontade de queixa , porém não se estende a esfera cível quando necessário para ressarcimento de danos Ex: A vitima começa a namorar o criminoso. A renúncia da queixa contra um criminoso, se estende aos demais conforme o princípio da indivisibilidade.  A renúncia acontece na ação penal privada, mas não ocorre na pública condicionada a representação.

 

Perdão – O perdão do ofendido não obsta o prosseguimento da ação, acontece após a queixa, isto é, durante o processo. É um ato bilateral, pois o criminoso pede perdão e a vítima aceita ou não. Assim como a renúncia, o perdão vale para todos. Aqui também temos o perdão expresso ou tácito. Se o perdão for concedido a qualquer dos querelados, a todos aproveitam; se concedido por um dos ofendidos, não prejudica o direito dos outros, se o querelado recusa não produz efeito. Já o perdão tácito ocorre quando a vítima pratica atos incompatíveis com a vontade de prosseguir com a ação penal.  Não se admite o perdão, depois que transitado em julgado a sentença condenatória. 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Priscilla Piton Imenes) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Comentários e Opiniões

1) Anja (12/08/2017 às 18:26:41) IP: 186.220.102.33
Olá!
Por favor, quando, após o ofendido ter feito a representação, o Ministério Público não oferecer a denúncia, o ofendido poderá oferecê-la, nos termos da ação privada subsidiária da pública?
Grata.
2) Anja (15/08/2017 às 10:43:46) IP: 186.220.102.33
Olá!
Quando o Ministério Público, na Ação Penal Pública Condicionada, não oferece a denúncia no tempo hábil, o ofendido poderá oferecê-la no mesmo prazo destinado à Ação Subsidiária da Pública, enfim, por omissão do MP?


Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados