JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

PRINCÍPIO DA CAMARADAGEM E CIVILIDADE MILITAR


Autoria:

Julio Cesar Lopes Da Silva


Licenciatura Plena em Letras Português/Inglês pela UFMT; Bacharel em Direito pela faculdade ICEC/UNIP; Técnico em Turismo pelo CEFET-MT, Especialização em Direito do Trabalho, Professor e Militar do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

POLÍTICAS PÚBLICAS NO COMBATE À CRIMINALIDADE

A NOVA LEI DE LAVAGEM DE DINHEIRO (LEI 12.683/2012) FRENTE AO SIGILO PROFISSIONAL DO ADVOGADO E SEU DEVER DE COMUNICAÇÃO

Castração química, evolução ou draconização?

Há ressocialização ou repressão no sistema carcerário

PLENÁRIO DO JÚRI: UMA QUESTÃO DE DEBATES

PRISÃO PREVENTIVA. CABIMENTO. PRESSUPOSTOS E REQUISITOS NA LEI 12.403/2011

UNIÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DO CONSELHO TUTELAR NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Ressocializar o preso para ele não viver como excluído e morrer como indigente.

Arma de fogo que não funciona ou de brinquedo não é suficiente para qualificar o crime de Roubo

Porte de Armas para o Cidadão de Bem e a Falácia do Discurso de que a Lei Protege Bandidos

Mais artigos da área...

Resumo:

Conceitua camaradagem e civilidade militar com base no Regulamento Disciplinar da Policia Militar de Mato Grosso e Código Penal Militar Brasileiro.

Texto enviado ao JurisWay em 27/06/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

A organização militar é uma das formas mais antigas de administração e gestão no mundo, remontando à época dos estados patriarcais (Grécia Antiga), a qual era estruturada com base no poder de um pater (pai), prevalecendo à imposição dos mais fortes e dos mais velhos. No decorrer do tempo, devido o aumento da demanda dos serviços militares, surgiu a necessidade de criação de sub autoridades, aparecendo as figuras das patentes e graduações.

Devido a essa influência histórica, os regulamentos disciplinares tratam da organização militar como se fosse uma família, cabendo ao comandante, na figura de pai, o dever de incentivar e manter a harmonia e amizade entre os demais militares, por meio da camaradagem, civilidade e lealdade. Vejamos o que dispõe o artigo 2º RDPM-MT:

   

Art. 2º - A camaradagem torna-se indispensável à formação e ao convívio da família policial-militar, cumprindo existir as melhores relações sociais entre os policiais-militares.

Parágrafo Único - Incumbe aos superiores incentivar e manter a harmonia e a amizade entre seus subordinados.

 

Camaradagem tem como significado a atitude tida como própria de amigo ou camarada, bem como convivência íntima e agradável[1], ou seja, camaradagem é o companheirismo, a amizade, solidariedade, familiaridade, etc.

A peculiaridade da camaradagem no âmbito militar é que ela é obrigatória, diferentemente do meio civil, podendo, inclusive, o militar incidir em transgressão disciplinar por conduta contrária à camaradagem. Nesse sentido, transcrevemos o parágrafo único do artigo 3º do RDPM:

Art. 3º (...)  

Parágrafo Único - As demonstrações de camaradagem, cortesia e consideração, obrigatórias entre os policiais-militares, devem ser dispensadas aos militares das Forças Armadas e aos policiais-militares de outras Corporações. (grifamos)

 

Já a civilidade é o conjunto de formalidades observadas entre os militares em sinal de respeito e consideração, os quais são padronizados em manuais ou códigos de condutas e gestos militares. Nesses manuais descreve-se como o militar deve agir diante de certos acontecimentos ou circunstancias, por exemplo, se dentro de uma sala há várias praças conversando e entra um oficial, devem todos levantar-se em sinal de respeito e o militar mais antigo entre as praças na sala fará um tipo de apresentação.

Maria Cecília Barreto Amorim Pilla[2] defende que toda sociedade criam preceitos com objetivo padronizar condutas tidas como ideal para a vida em dada classe social ou grupo. Assim, podemos dizer que no meio militar, também, há um “manual de etiqueta”, todavia impostos a todos por meio de um regulamento e é, por isso, que o artigo 3º do RDPM-MT descreve a civilidade como parte da educação militar, na qual, em síntese, cabe aos comandantes tratar seus subordinados com urbanidade e aos subordinados é obrigado a toda prova de respeito e referência para com seu superior.

O RDPM-MT impõe aos militares a mantença das suas condutas com o total acatamento aos princípios da camaradagem e civilidade, já que tais condutas são a base para um princípio maior  - hierarquia e disciplina - visando a convivência harmoniosa e amigável entre os militares e, por isso, para alcançar tal objetivo, o RDPM dá ao comandante ampla discricionariedade para analisar se as condutas de seus subordinados  enquadram-se nos padrões de camaradagem e civilidade, inclusive, propiciando ao comandante o uso do poder disciplinar.

Questiona-se, no entanto, o ponto em a camaradagem e a civilidade deve alcançar, sem que se incida em corporativismo,  arbitrariedade, promiscuidade ou permissividade.

O Código Penal Militar na tentativa de intimidar a utilização da camaradagem como meio para a prática de crime, tipificou no seu artigo 334[3] o crime de patrocínio indébito, para o qual a jurisprudência do Superior Tribunal militar entende ser a camaradagem um dos requisitos para a sua configuração. Vejamos:

 

“O crime de patrocínio indébito, previsto no art. 334 do CPM, exige do militar o ânimo de patrocinar pretensão alheia junto a Administração Militar, valendo-se da facilidade de acesso, camaradagem ou influência de que goza entre seus colegas. Se a facilidade de acesso decorre, essencialmente, do poder hierárquico de que é detentor o militar, não há que se falar em patrocínio indébito[4]

 

Portanto, o princípio da camaradagem e civilidade, que não se confunde com corporativismo ou permissividade, tem como escopo propiciar uma vida harmoniosa, amigável, de cumplicidade e de confiança entre os membros militares, com vista a garantir a manutenção da hierarquia e disciplina e, por consequência, o cumprimento do dever legal imposto aos órgãos da segurança pública militar, já que, devido à complexidade e periculosidade peculiar à atividade militar, é inadmissível o exercício de qualquer operação sem a convivência harmoniosa e confiável entre tais membros.

 

BIBLIOGRAFIA

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa corresponde à 3ª. edição, 1ª. impressão da Editora Positivo, revista e atualizada do Aurélio Século XXI, O Dicionário da Língua Portuguesa, contendo 435 mil verbetes, locuções e definições. Regis, 2004.

PILLA, Maria Cecília Barreto Amorim. Artigo. Manual de Civilidade, Modelos de Civilização. Disponível em http://www.ufpel.tche.br/ich/ndh/downloads/historia_em_revista_09_maria_pilla.pdf. Data do acesso: 23/08/2010

SILVA, Júlio César Lopes da Silva. Monografia: Regulamento Disciplinar Militar do Estado de Mato Grosso: sua origem, princípios e sujeitos. Cuiabá-MT, 2010.

 



[1] FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa corresponde à 3ª. edição, 1ª. impressão da Editora Positivo, revista e atualizada do Aurélio Século XXI, O Dicionário da Língua Portuguesa, contendo 435 mil verbetes, locuções e definições. Regis, 2004.

[2] PILLA, Maria Cecília Barreto Amorim. Artigo. Manual de Civilidade, Modelos de Civilização. Disponível em http://www.ufpel.tche.br/ich/ndh/downloads/historia_em_revista_09_maria_pilla.pdf. Data do acesso: 23/08/2010

[3] Patrocínio indébito

Art. 334. Patrocinar, direta ou indiretamente, interêsse privado perante a administração militar, valendo-se da qualidade de funcionário ou de militar:

Pena - detenção, até três meses.

Parágrafo único. Se o interêsse é ilegítimo:

Pena - detenção, de três meses a um ano.

 

[4] STM - APELAÇÃO(FO): Apelfo 48327 PR 1999.01.048327-6, Relator: JOSÉ JULIO PEDROSA,  Julgamento: 21/06/2000, Publicação: Data da Publicação: 22/08/2000 Vol: 07800-07 Veículo: DJ

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Julio Cesar Lopes Da Silva) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2022. JurisWay - Todos os direitos reservados