JurisWay - Sistema Educacional Online
 
Kit com 30 mil modelos de petições
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

MONTESQUIEU ENQUANTO CENTRO DO CONSTITUCIONALISMO MODERNO


Autoria:

Renan Souza Freire


Acadêmico de Direito

envie um e-mail para este autor

Resumo:

Este artigo tem a intenção de traçar um panorama sobre o aprimoramento legal através dos tempos, sendo que a base de toda a reflexão é o posicionamento do grande pensador iluminista chamado Montesquieu e o seu livro Do espírito das leis.

Texto enviado ao JurisWay em 11/05/2011.

Última edição/atualização em 12/05/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

MONTESQUIEU ENQUANTO CENTRO DO CONSTITUCIONALISMO MODERNO
 
 
Renan Souza Freire¹
 
RESUMO:
Este artigo tem a intenção de traçar um panorama sobre o aprimoramento legal através dos tempos, sendo que a base de toda a reflexão é o posicionamento do grande pensador iluminista chamado Montesquieu e o seu livro Do espírito das leis.
 
Palavras Chave: Montesquieu, lei, pensamento, constitucionalismo.
 
 
1. INTRODUÇÃO
 
 
Os bens jurídicos não se dispõem de qualquer maneira no ordenamento pátrio. São tutelados por um conjunto de entidades normativas. Toda vez que um ato efetivado é considerado reprovável pela sociedade o Direito acaba por exercer uma função coercitiva.
Não é desde os tempos mais remotos que a legislação é organizada nessa proporção. A lei propriamente dita é algo relativamente novo. A vida em um regime de cidadania requer sempre que os humanos vivam em conformidade com a ética e a moralidade.
Já o ato de positivar esse regimento social foi requerido por personalidades diversas, uma dessas, quem sabe o mais notável, seja Charles Louis de Secondat ou simplesmente Montesquieu.
 
2. MONTESQUIEU E A EVOLUÇÃO DO ORDENAMENTO
 
 
O pensador em tela viveu em um período que possui uma infinidade de abusos cometidos em nome da lei, todavia, esse poço de justiça nada mais era do que a vontade do soberano.
Em um passado não muito distante o rei era o representante divino, assim sendo a sucessão era feita pela descendência e a lei era o que fosse do entendimento do monarca.
Pois bem, a inovação proposta por Montesquieu caiu como uma bomba na Europa desse período. De acordo com a sua concepção o governo não pode em hipótese alguma ser objeto de posse de um só cidadão.
Dessa forma a sociedade vive em um sistema tirano. O dono do poder é o povo e a forma mais apropriada para ser exercido é a república.
Contemporaneamente isso é fato consumado, vê-se a importância dessa posição doutrinária. Montesquieu afirma como será a república dos nossos dias quando condena que a lei é do povo e não de um só homem.
“Da natureza do poder despótico resulta que o homem único que o exerce por si só. Um homem a quem os cinco sentidos dizem ininterruptamente que ele é tudo e que os outros não são nada, é naturalmente preguiçoso, arrogante e voluptuoso.” (MONTESQUIEU, 2002)
 
O constitucionalismo moderno tem por base o pensamento da separação e autonomia dos poderes. Atualmente a Lei Maior de cada pátria estabelece a existência dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Dessa divisão surge a famosa democracia.
As leis remotas, em sua maioria, não eram sequer escritas, provocando assim enorme confusão e abusos na sua aplicabilidade. Com o passar dos anos houve a codificação e uma separação referente à matéria disciplinada.
Percebeu-se que as leis têm que representar a vontade geral, não sendo deste modo o governo retrocede.
Por palavras do próprio Montesquieu:
 
 Há dois gêneros de corrupção: aquele que ocorre quando o povo não observa de modo algum as leis, e aquele que ocorre quando o povo é corrompido pelas leis; mal incurável porque reside no próprio remédio.” (MONTESQUIEU, 2002)
 
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
 
 
É preciso que se faça um direito mais próximo da justiça e mais distante dos interesses dos que compõem uma esfera que aglomera parte do poder.
O judiciário deve atuar com uma responsabilidade tremenda, afinal, deve aplicar, tornar concreto o anseio popular apresentado pelo processo legislativo.
Montesquieu tentou à sua maneira modificar a sua sociedade vigente, por isso, é um exemplo a ser seguido. No passado as adversidades eram bem maiores e nem por isso foi negligenciada a possibilidade de se construir uma sociedade onde o princípio regente fosse a dignidade.
Porque faremos diferente se na verdade a carência de justiça ainda é a mesma?
Não existe a necessidade de mais leis, o que falta ao período contemporâneo é boa vontade política, liberdade no exercício da opinião e responsabilidade jurídica.
 
REFERENCIAS
 
MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis. Tradução Jean Melville. São Paulo: Martin Claret, 2002. 
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Renan Souza Freire) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2021. JurisWay - Todos os direitos reservados