JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Eventos
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

Assédio sexual do empregado ao cliente


Autoria:

Thiago Deiglis De Lima Rufino


Professor. Advogado. Mestrando em Direito Internacional pela UNISANTOS. Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Vice - Presidente da Comissão de Ensino Jurídico da OAB/PB.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

Algumas considerações sobre o atual panorama da aplicação de penalidades por parte dos empregadores para com os obreiros

DO CABIMENTO DO RECURSO ADESIVO COM AS CONTRARRAZÕES EM RECURSO INTERPOSTO NA JUSTIÇA DO TRABALHO

ASSÉDIO MORAL E O PL-2369 DE 2003

Divergência de interpretação, prejuízo para o cidadão

Direito do Trabalho: Definição, Fontes e Princípios

Violência urbana e seus efeitos sobre a relação laboral

Dano Moral decorrente de Aplicação Indevida de Penalidade ao Trabalhador

O DANO MORAL DECORRENTE DAS RELAÇÕES DE TRABALHO E SEU QUANTUM INDENIZATÓRIO

Indenização por danos morais - A Justiça do Trabalho agora é competente para julgar Ação de Dano Moral Trabalhista

Os diversos tipos de assédio moral na relação de trabalho

Mais artigos da área...

Resumo:

Breve explanação sobre a possibilidade de ocorrência do assédio sexual do empregado em face do cliente, e suas consequências jurídicas.

Texto enviado ao JurisWay em 19/03/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Assédio sexual do empregado ao cliente

 

A exteriorização dessa prática se dá através de atos de cunho sexual, do empregado para com o cliente, de maneira implícita ou explícita, podendo exteriorizar-se de diversas formas, entre estas: (i) e-mails expressando desejos libidinosos em relação ao destinatário; (ii) convites impertinentes com conotação sexual, entre outros atos.). Tal atitude pode ocorrer por influência comissiva ou omissiva do empregador, utilizando-se de maneira deturpada do seu poder de direção (de comando da atividade empresarial) para realizar seu intento, com o fito na obtenção de lucro.

 

Tais atos, geram à vítima conseqüências maléficas em sua esfera subjetiva, chegando até a incidência de danos de cunho patrimonial, podendo ela ser, cliente ou o próprio empregado.

 

Em sua obra, Assédio Sexual nas Relações de Trabalho, o professor Ernesto Lippmann aborda o assédio sexual praticado face ao cliente:

 

O assédio sexual pode ser praticado contra um cliente? Sim. O projeto original (projeto de lei que introduziu o Art. 216 – A no Código Penal, ressalva nossa) previa uma agravante específica, se o assédio fosse praticado “com abuso ou violação de dever inerentes a ofício ou ministério”. Caso típico seria o do médico, do professor, do dentista, do advogado, do sacerdote, do psicólogo, do analista e em outras profissões nas quais o sigilo e a confiança depositada no profissional sejam relevantes no exercício da função. Esta agravante foi retirada no âmbito penal, mas isto não significa que o assédio praticado em função da profissão tenha deixado de representar um dano moral, ou ainda uma justa causa para o profissional que usa prerrogativas de seu cargo de maneira indevida[1].

 

Entretanto, em nossa abordagem, tal assédio só interessará se o agente praticante do ato (podendo até ser um desses especificados pelo professor Lieppmann) for empregado, isto é, esteja inserido numa relação de subordinação ao desempenhar sua atividade laboral.

 

Vislumbra-se assim, duas vertentes de exteriorização:

 

1.                  Assédio do empregado ao cliente, por coação do empregador para realização de tal ato, e com a anuência do terceiro (cliente) em relação à conduta do empregador. Nesse caso específico, o cliente será considerado co-autor, que pode também ser definido como assédio do cliente em relação ao empregado (ou seja, um assédio indireto), cabendo ao empregado, nessa asserção, o direito de reparação pelo dano moral sofrido. Isso gera a possibilidade de rescisão indireta do contrato, com fulcro no Art. 483 da CLT, alíneas “a” e “d” , ou seja, serviços contrários aos bons costumes e alheios ao contrato, descumprimento de obrigações legais e contratuais e atos lesivos à honra.

2.                  Assédio do empregado ao cliente, sem ocorrência da influência direta do empregador, este atuando de forma omissiva (não se utilizando eficazmente de seu poder de direção, através da fiscalização e disciplina aos atos dos empregados). Logo se configurará uma forma de assédio não prevista na norma penal do Art. 216 – A (podendo configurar a hipótese do Art. 65 da Lei das Contravenções Penais – Perturbação da tranqüilidade), porém ensejadora de reparação civil pelos danos causados à vítima, possibilitando que ela busque o ressarcimento de seus danos ao empregador, por ser este o responsável pelos atos dos seus empregados (Art. 932, inciso III do Código Civil), ocorridos no liame da prestação de serviço, proveniente da relação de emprego que o vincula com o empregado.

 

Nessa última hipótese, pode o agressor ser dispensado por justa causa, com base no Art. 482, alínea “b” da CLT, que prevê a dispensa do empregado por justa causa, em decorrência de incontinência de conduta, a qual se liga diretamente à moral e aos desvios de cunho sexual.

 

            Logo, agindo de maneira omissiva ou comissiva, responderá o empregador pelos danos ocasionados à vítima.



[1] [1] LIPPMAN, Ernesto. Assédio Sexual nas relações de trabalho.2.ed.atual. pelo novo Código Civil. São Paulo:           LTr, 2004.

 

Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Thiago Deiglis De Lima Rufino) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2020. JurisWay - Todos os direitos reservados