JurisWay - Sistema Educacional Online
 
É online e gratuito, não perca tempo!
 
Cursos
Certificados
Concursos
OAB
ENEM
Vídeos
Modelos
Perguntas
Notícias
Artigos
Fale Conosco
Mais...
 
Email
Senha
powered by
Google  
 

REQUISITOS DA SENTENÇA PENAL


Autoria:

Jane Matos Do Nascimento


Bacharel do curso Direito da Faculdade AGES (Faculdade de Ciencias Humanas e Sociais) no Estado da Bahia.

envie um e-mail para este autor

Outros artigos da mesma área

A PRISÃO PREVENTIVA NO PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 156 DE 2009 DE REFORMA DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL

SURGIMENTO DA POLÍCIA JUDICIÁRIA NO BRASIL

DIREITO PENAL SUBSIDIÁRIO, APLICAÇÃO DOS VALORES CONSTITUCIONAIS: Minimalismo Penal.

O CRIME DE TRÁFICO DE MULHERES: A EXPORTAÇÃO SEM FRONTEIRAS PARA FINS LIBIDINOSOS

Abolição da circunstância atenuante da menoridade e redução do prazo prescricional.

Ressocializar o preso para ele não viver como excluído e morrer como indigente.

O senso comum e as inovações no Código de Processo Penal Os discursos sobre a Lei 12.403/11 na mídia catarinense.

Análise da aplicação da pena no âmbito do direito penal

O DIREITO ALTERNATIVO NAS SENTENÇAS PENAIS BRASILEIRAS

A Responsabilidade de Sócios, Diretores e Administradores nos Crimes Contra as Relações de Consumo

Mais artigos da área...

Resumo:

Este artigo elabora um estudo acerca dos requisitos que compõem uma sentença penal, destacando o conceito de sentença sob a ótica de doutrinadores da área, abordando comumente, dispositivos do Código de Processo Penal relacionados ao tema proposto.

Texto enviado ao JurisWay em 22/02/2011.



Indique este texto a seus amigos indique esta página a um amigo



Quer disponibilizar seu artigo no JurisWay?

Jane Matos RESUMO Este artigo elabora um estudo acerca dos requisitos que compõem uma sentença penal, destacando o conceito de sentença sob a ótica de doutrinadores da área, abordando comumente, dispositivos do Código de Processo Penal relacionados ao tema proposto, com o objetivo de demonstrar a importância dos requisitos da sentença sob pena de nulidade da mesma. PALAVRAS-CHAVE: Sentença; processo; requisitos; nulidade. 1 INTRODUÇÃO Partindo do pressuposto que uma sentença penal é a decisão final do Magistrado, é de suma importância que este venha obedecer a determinados requisitos regulamentados pela lei penal para que não ocorra a nulidade do processo, assim como preleciona o art. 564 CPP. Os requisitos da sentença penal encontram-se disciplinados no rol de incisos do art. 381 do CPP, sintetizando-se em: relatório; fundamentação e dispositivo; inteligência esta, da corrente majoritária, que adotou ateoria em tela, não deixando-se esquecer-se, jamais, da lei penal. 2 DESENVOLVIMENTO A princípio, faz-se mister ressaltar o conceito de sentença. A sentença é a decisão definitiva do Magistrado. Para Ribeiro e Neto: "A sentença soluciona o mérito da pretensão penal e põe fim ao processo julgando: a procedência da acusação (sentença condenatória; a improcedência da sentença (sentença absolutória própria) ou a imposição da medida de segurança ao réu (sentença absolutória imprópria)" (2010; p.184). Cunha e Pinto acreditam que: "A sentença divide-se em absolutória, condenatória ou terminativa de mérito. Sentença absolutória é aquela que não acolhe a pretensão punitiva. Sentença condenatória é aquela que o faz, total ou parcialmente. E sentença terminativa de mérito, também chamada de definitiva em sentido estrito, é aquela que não absolve e tampouco condena, mas encerra a relação processual julgando o mérito, como por exemplo a decisão que reconhece a ausência de condição objetiva de punibilidade e a que decreta extinta a punibilidade" (2009; p.122). È de se concordar com o escólio de Cunha e Pinto, de modo que, sendo a sentença uma decisão magistral, deve O Juiz condenar (sentença condenatória); pôr fim ao processo julgando assim, o mérito da questão (terminativa de mérito) ou então, absolver o réu (absolutória). A sentença está disciplinada no art. 381 do Código de Processo Penal, sendo imprescindível que contenha: I- Os nomes das partes ou quando não possível, as indicações necessárias para identifica-las; II- A exposição sucinta da acusação e da defesa; III- A indicação dos motivos de fato e de direito em que se fundar a decisão; IV- Indicação dos artigos de lei aplicados; V- O dispositivo; VI- A data e a assinatura do Juiz. Mais precisamente, a doutrina majoritária divide a sentença em: relatório, fundamentação e dispositivo. No relatório, o Juiz deve obedecer à regra do art. 381, inciso I e II, sendo imprescindível a identificação das partes, bem como, um breve relato da acusação e defesa. Nesse sentido, preleciona Cunha e Pinto: "È o relatório, portanto, formalidade essencial da sentença, de maneira que sua falta acarretará inafastável nulidade do ato, na exata dicção do art. 564, III, m e IV, do código" (2009; p. 123). Vejamos o que expõe o art. supramencionado. Art. 564 CPP- A nulidade ocorrerá: III- por falta das fórmulas ou dos termos seguintes: m- a sentença. IV-por omissão de formalidades que constitua elemento essencial do ato. No que toca a fundamentação, nada mais lacônico do que, expor os motivos fáticos e legais da decisão a ser proferida. Mais uma, vez, ressalte-se a brilhante assertiva de Cunha e Pinto quando: "a sentença, portanto, deve ser fruto de um raciocínio lógico do juiz, onde as razões que o levarem a optar por uma das teses estejam devidamente apontadas de forma clara, a permitir o conhecimento e a eventual impugnação dos interessados na lide" (2009; p.124). A fundamentação, portanto, é algo inerente a astúcia de cada magistrado, já que, é nesta parte que conterá a sua exposição de motivos para determinada decisão, sempre abordando os preceitos legais que a embasaram. O dispositivo a que a doutrina majoritária se refere, e o qual, acima também mencionado, nada mais é do quem, a conclusão do Magistrado diante o caso, assim, deve o mesmo, se embasar nos incisos IV, V e VI do art. 381 do CPP. Imperioso destacar ainda que, o Juiz poderá, sem fazer nenhuma modificação na parte fática da denúncia, modificar a parte legal, da forma que entender, mesmo que, imponha uma pena maior ao acusado. 3 CONCLUSÃO Diante de todo o exposto, cumpre ressaltar que, a sentença é algo de grande importância para o Processo Penal, já que, o Juiz, profere a mesma, deixando explícito os motivos que embasaram a sua decisão, motivos estes, sempre amparados pela legislação atual; ademais, o Magistrado deve sempre atentar para os requisitos da sentença, regulados no art. 381 CPP, para que não ocorra uma nulidade processual, tão quanto, redija e profira uma sentença justa e adequada a caso específico. REFERÊNCIAS CUNHA, Rogério Sanches; PINTO, Ronaldo Batista. Processo Penal. Doutrina e prática. Salvador. Podivm, 2009. PINTO, Antônio Luiz de Toledo; WINDT, Marcia Cristina Vaz dos santos; CÈSPEDES, Lívia. VadeMecum. 7 ed. São Paulo. Saraiva, 2009. SANTOS, Vauledir Ribeiro. Como se preparar para o exame da ordem, 1ª fase: Processo Penal. São Paulo. Forense, 2010.
Importante:
1 - Conforme lei 9.610/98, que dispõe sobre direitos autorais, a reprodução parcial ou integral desta obra sem autorização prévia e expressa do autor constitui ofensa aos seus direitos autorais (art. 29). Em caso de interesse, use o link localizado na parte superior direita da página para entrar em contato com o autor do texto.
2 - Entretanto, de acordo com a lei 9.610/98, art. 46, não constitui ofensa aos direitos autorais a citação de passagens da obra para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir, indicando-se o nome do autor (Jane Matos Do Nascimento) e a fonte www.jurisway.org.br.
3 - O JurisWay não interfere nas obras disponibilizadas pelos doutrinadores, razão pela qual refletem exclusivamente as opiniões, ideias e conceitos de seus autores.

Nenhum comentário cadastrado.



Somente usuários cadastrados podem avaliar o conteúdo do JurisWay.

Para comentar este artigo, entre com seu e-mail e senha abaixo ou faço o cadastro no site.

Já sou cadastrado no JurisWay





Esqueceu login/senha?
Lembrete por e-mail

Não sou cadastrado no JurisWay




 
Copyright (c) 2006-2019. JurisWay - Todos os direitos reservados